Siga o OTD

Vôlei sentado masculino – Jogos Paralímpicos

Tabela do vôlei sentado masculino nos Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020

NOTÍCIAS   GUIA DA PARALIMPÍADA CALENDÁRIO   QUADRO DE MEDALHAS TÓQUIO TODO DIA 

PRIMEIRA FASE

FASE FINAL

DISPUTA DO SÉTIMO LUGAR

DISPUTA DO QUINTO LUGAR

DISPUTA DO BRONZE

FINAL

Brasil no vôlei sentado masculino

No vôlei sentado masculino, o Brasil é o segundo colocado do ranking mundial atrás apenas do Irã. Na Rio-2016, o Brasil chegou cotado à medalha depois de ser prata no Mundial de 2014, que é o melhor resultado da história do país, mas não conseguiu subir ao pódio.

+Jogadoras se dividem entre o vôlei sentado e profissão fora das quadras 

O quarto lugar na Paralimpíada de 2016 também é o melhor resultados dos homens no vôlei sentado na modalidade, mas ficou um gostinho de que era possível mais. No Mundial de 2018, a equipe brasileira ficou com o bronze.

Nos Jogos Pan-Americanos, desde 2007, quando a competição foi realizada no Rio de Janeiro, o Brasil não sabe ganhar outra medalha que não seja a de ouro no vôlei sentado masculino. Foi com essa conquista, em Lima-2019, que a vaga para os Jogos Paralímpicos de Tóquio foi conquistada. 

Local da competição

local de disputa do vôlei sentado masculino e feminino nos jogos paralímpicos de tóquio-2020

O Makuhari Event Hall faz parte de um centro de convenções que se estende por cerca de 210 mil metros quadrados na cidade de Chiba. O local, que tem capacidade de público para 10 mil pessoas, vai receber as partidas de vôlei sentado masculino e feminino nos Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

O esporte

No vôlei sentado, podem competir homens e mulheres que possuam alguma deficiência física ou relacionada à locomoção. São 6 jogadores em cadatime, divididos por uma rede de altura diferente e em uma quadra menor do que na versão olímpica da modalidade. Os sets tem 25 pontos corridos e, o Tie-Break, 15. Ganha a partida a equipe que vencer três sets. A quadra mede 10m de comprimento por 6m de largura. A altura da rede é de 1,15m no masculino e 1,05m no feminino. É permitido bloqueio de saque, mas os jogadores devem manter o contato com o solo o tempo todo, exceto em deslocamentos. No Brasil, a modalidade é administrada pela Confederação Brasileira de Voleibol para Deficientes (CBVD).

A representação verde e amarela estreou na disputa dos Jogos em Pequim 2008, apenas com a Seleção masculina, que terminou a competição em 6º lugar. Em Londres 2012, o Brasil teve representantes nos dois gêneros, com as Seleções (masculina e feminina) ficando em quinto lugar. Entretanto, o melhor resultado brasileiro veio no Rio 2016, com a conquista do bronze pela Seleção feminina.

De acordo com o grau de impacto nas funções na modalidade ocasionado pela sua deficiência, os atletas são divididos em dois grupos: VS1 e VS2.

Na classe VS1 estão os atletas com uma deficiência que tem maior impacto nas funções essenciais do vôlei sentado. Ex: amputados de perna.

Na classe VS2 estão os atletas com uma deficiência com menor interferência nas funções em quadra. Ex: amputação de parte do pé, amputação bilateral de polegar.

viagra