Siga o OTD

Individual feminino

Individual feminino – Tiro com arco – Jogos Olímpicos Tóquio 2020 

 

Chances do Brasil no individual feminino nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Ao vencer o Pré-Olímpico das Américas em março, Anne Marcelle dos Santos assegurou a única vaga do Brasil no individual feminino do tiro com arco nos Jogos de Tóquio, mas não deverá brigar pelas medalhas

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para os Jogos

O Brasil no individual feminino dos Jogos Olímpicos

Ane Marcelle vence seletiva e garante vaga no Mundial de tiro com arco/jogos-pan-americanos-lima-2019
Ana Marcelle dos Santos foi o grande destaque do Brasil na volta ao individual feminino do tiro com arco, na Rio-2016 (Divulgação/COB)

A primeira brasileira a competir foi Arci Kempner, em Moscou-1980. Ela ficou em 26º lugar entre 29 competidoras com 2.186 pontos.

O Brasil só voltou a ter representantes no feminino na Rio-2016, quando tinha uma equipe garantida por ser sede. Ane Marcelle dos Santos foi o grande destaque.

Foi 26ª no ranqueamento com 637 pontos, venceu na 1ª rodada por 7-3 a japonesa Saori Nagamine, venceu na 2ª rodada por 6-0 a australiana Alice Ingley, mas acabou sendo derrotada nas oitavas de final para a britânica Naomi Folkard por 6-2.

Sarah Nikitin foi 50ª com 609 e perdeu na estreia para a norte-coreana Kang Un-ju por 6-0 e Marina Canetta foi 54ª com 599 e também perdeu na estreia, por 7-1 para a chinesa Qi Yuhong.

As favoritas do individual feminino nos Jogos Olímpicos

As sul-coreanas seguem como as grandes favoritas para vencer pela 9ª vez em 13 competições. A coreana em melhor fase é Kang Chae Young. No Mundial de 2019, ela foi ouro na equipe mista, prata no individual e bronze na equipe feminina. No campeonato asiático de 2019, ela foi ouro nas três provas e no mesmo ano saiu com dois ouros da Univesíade. Para completar o espetacular ano, venceu três das quatro etapas da Copa do Mundo e bateu o recorde mundial com 692 pontos.

Kang Chae Young
Individual feminino
tiro com arco
Reprodução
A sul-coreana Kang Chae Young, prata no individual do Mundial de 2019, é favorita para o ouro em Tóquio (Reprodução)

Campeã no Rio-2016, Chang Hye Jin foi vice mundial em 2017 e medalhou em cinco Copas do Mundo no individual em 2017 e 2018, mas acabou ficando de fora da equipe coreana em 2019. Choi Misun esteve no Rio-2016 e foi ouro com a equipe coreana e tem dois bronzes individuais no Mundiais de 2015 e 2019. Também brigam por vaga na equipe Lee Eun Gyeong, bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude em 2014 e ouro na final da Copa do Mundo de 2018, e a jovem An San, que chegou a vencer uma etapa da Copa do Mundo e 2019.

As principais ameaças ao domínio sul-coreano vem de Taiwan. Lei Chien-ying foi brilhante no Mundial de 2019 saindo com o título individual e o ouro por equipes. No caminho ao ouro individual, venceu duas coreanas: Choi Misun e Kang Chae Young. Também foi campeã asiática em 2013. Sua compatriota Tan Ya-ting, bronze no Mundial de 2017 e medalhista em várias etapas da Copa do Mundo.

Outros nomes que estão entre as favoritas são a russa Ksenia Perova, campeã mundial em 2017, campeã europeia em 2012 e prata por equipes no Rio, a alemã Lisa Unruh, prata no Rio-2016, a mexicana Alejandra Valencia, ouro individual nos Jogos Pan-Americanos de 2011 e 2019, a indiana Deepika Kumari e a chinesa Zheng Yichai.

Histórico do individual feminino

A disputa individual feminina começou em Munique-1972 com a chamada Rodada FITA, onde cada arqueira atirava 36 flechas em cada uma das quatro distâncias (30 m, 50 m, 60 m e 70 m). Após duas dessas rodadas, ganhava a maior pontuação, que ficou com a americana Doreen Wilber, com 2.424 pontos. A polonesa Irena Szydlowska foi a melhor na 1ª rodada com 1.224, mas Wilber fez 1.226 na 2ª e superou a polonesa no total por 17 pontos.

Doreen Wilber
Individual feminino
Tiro com  arco
Reprodução/AP
A americana Doreen Wilber foi a primeira campeã olímpico individual no tiro com arco, nos Jogos de Munique-1972 (Reprodução/AP)

A vitória em Montreal-1976 foi de outra americana, Luann Ryan, campeã com 2.499, batendo o recorde olímpico na rodada dupla e na simples, com 1.282 pontos. Em Moscou-1980, sem americanas, o ouro ficou com a soviética Keto Losaberidze com 2.491 pontos.

O domínio sul-coreano começou em Los Angeles-1984. Seo Hyang-soon venceu com 2.568 pontos, melhorando o recorde olímpico em 69 pontos. Competindo em casa em Seul-1988, as sul-coreanas fecharam o pódio no feminino. Na rodada final, Kim Soo-nyung fez 344 pontos em 360 possíveis para ficar com o ouro, seguida de Wang Hee-kyung com 332 e Yun Young-sook com 327.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

A partir de Barcelona-1992, após a rodada inicial de ranqueamento, foi introduzido o chaveamento com combates individuais. A sul-coreana Cho Youn-jeong foi a melhor com 1.375 pontos e venceu quatro combates até chegar na final contra a sua compatriota Kim Soo-nyung, vencendo por 112 a 105. Natalia Valeeva, da Equipe Unificada, foi bronze.

Mais um ouro sul-coreano em Atlanta-1996, agora com Kim Kyung-Wook, 8ª no ranqueamento. Ela venceu na decisão a chinesa He Ying por 113 a 107. Em Sydney-2000, a Coreia do Sul novamente fechou o pódio, com Yun Mi-jin levando o ouro após um 107-106 na final sobre Kim Nam-soon. Ouro em Seul 12 anos antes, Kim Soo-nyung ficou com o bronze.

A Olimpíada de Atenas-2004 viu mais uma final sul-coreana. Park Sung-hyun, considerada uma das maiores arqueiras da história, venceu sua compatriota Lee Sung-jin na final por 110 a 108.

Park voltou em Pequim-2008 como grande favorita e foi a melhor no ranqueamento com 673 pontos. Seguiu dominando seus combates, mas na decisão perdeu para a chinesa Zhang Juanjuan por apertados 110 a 109.

A Coreia voltou ao topo em Londres-2012, quando foi implantado o sistema de sets, com Gi Bo-Bae. No ranqueamento, Ki, Lee Sun-jin e a taiwanesa Tan Ya-ting fizeram 671 pontos. Na decisão, KG Bo-Bae e a mexicana Aida Roman fizeram uma grande disputa.

A coreana abriu 2-0, depois empataram e 26-26 e Roman venceu o 3º set com 29-26, empatando a partida em 3-3. No 4º set, Ki foi perfeita com 30 contra um 22 da mexicana, mas Roman se recuperou no 5º com 27-26. A disputa foi para a flecha de desempate. Ki foi primeiro e fez um 8, quase na linha do 9. Roman demorou para atirar e também fez um 8, mas mais próximo da zona do 7 e Ki ficou com o ouro.

Na Rio-2016, Gi Bo-Bae era novamente a favorita, vindo do título mundial de 2015, mas ficou em 3º lugar no ranqueamento atrás de suas duas companheiras. Na semifinal, enfrentou Chang Hye-jin, que venceu por 7-3. Chang derrotou na final a surpresa alemã Lisa Unruh por 6-2, enquanto Ki foi bronze. Com isso, a Coreia do Sul tem 18 das 36 medalhas já dadas nesta prova.

Medalhistas do individual feminino nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Munique 1972Doreen WilberUSAIrena SzydłowskaPOLEmma GapchenkoURS
Montreal 1976Luann RyonUSAValentina KovpanURSZebiniso RustamovaURS
Moscou 1980Ketevan LosaberidzeURSNataliya ButuzovaURSPäivi MeriluotoFIN
Los Angeles 1984Seo Hyang-SunKORLi LingjuanCHNKim Jin-HoKOR
Seul 1988Kim Su-NyeongKORWang Hui-GyeongKORYun Yeong-SukKOR
Barcelona 1992Jo Yun-JeongKORKim Su-NyeongKORNatalia ValeevaEUN
Atlanta 1996Kim Gyeong-UkKORHe YingCHNOlena SadovnychaUKR
Sydney 2000Yun Mi-JinKORKim Nam-SunKORKim Su-NyeongKOR
Atenas 2004Park Seong-HyeonKORLee Seong-JinKORAlison WilliamsonGBR
Pequim 2008Zhang JuanjuanCHNPark Seong-HyeonKORYun Ok-HuiKOR
Londres 2012Gi Bo-BaeKORAída RománMEXMariana AvitiaMEX
Rio 2016Jang Hye-JinKORLisa UnruhGERGi Bo-BaeKOR

Quadro de medalhas geral do individual feminino nos Jogos Olímpicos

PaísOuroPrataBronzeTotal
Coreia do Sul85518
Estados Unidos2002
União Soviética1225
China1203
México0112
Alemanha0101
Polônia0101
Finlândia0011
Grã-Bretanha0011
Ucrânia0011
Equipe Unificada0011