Siga o OTD
teste

Individual geral masculino

Individual geral masculino – Ginástica Artística – Jogos Olímpicos – Tóquio 2020

Chances do Brasil

Caio Souza tem grande chance de ir à final do individual geral masculino em Tóquio
Caio Souza tem grande chance de ir à final do individual geral masculino em Tóquio

Atualmente o melhor ginasta brasileiro no individual geral masculino é Caio Souza, que deverá se classificar sem grandes sustos e na final terá a difícil missão de melhor o resultado de Sérgio Sasaki, nono colocado na Rio-2016. Caio foi por duas vezes 13° colocado nos Mundiais do atual ciclo olímpico e conquistou a medalha de ouro nos jogos Pan-americanos de Lima, em 2019.

O segundo ginasta cotado para disputar a final é Arthur Nory. Medalhista de bronze na prova de solo na Rio-2016 e atual campeão mundial na barra fixa, ele passou por um ciclo com muitas lesões. Nos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019, o ginasta mostrou que é ainda capaz de render ótimos resultados no individual geral ao ficar com a medalha de prata. Se chegar em forma em Tóquio deverá se classificar para a final nessa competição. Francisco Barreto corre por fora.

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para a Olimpíada

Favoritos do individual geral masculino em Tóquio

Nikita Nagornyy é o atual campeão mundial do individual geral masculino e favorito nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020
Nikita Nagornyy é o atual campeão mundial do individual geral masculino (Reprodução/Olympic Channel)

Assim como na prova por equipes, o individual geral masculino promete um embate Rússia contra China. Arthur Dalaloyan, campeão mundial em 2018, e Nikita Nagornyy, atual campeão mundial, devem disputar décimo a décimo o topo do pódio com o chinês Xiao Ruoteng, campeão mundial de 2017 e prata em 2018. O ucraniano Oleg Vernyayev perdeu um pouco de protagonismo em relação ao ciclo passado, mas o bronze no último mundial mostra que ele ainda pode incomodar os favoritos. Os japoneses vivem a expectativa para saber se o maior astro da ginástica masculina nos últimos anos, Kohei Uchimura, chegará aos Jogos em condições de brigar pelo pódio. O astro japonês passou os últimos anos brigando contra lesões e ninguém sabe realmente em qual nível se apresentará em Tóquio. O estadunidense Samuel Mikulak, o chinês Sun Wei e os japoneses Kazuma Kaya e Kenzo Shirai correm por fora em busca de um lugar no pódio.

Brasil no individual geral masculino nos Jogos Olímpicos

Sérgio Sasaki disputou duas finais seguidas no individual geral masculino
Sérgio Sasaki disputou duas finais seguidas no individual geral masculino

O primeiro ginasta a participar da ginástica artística masculina representando o Brasil em Jogos Olímpicos foi João Luiz Ribeiro, quando alcançou o 64° lugar na classificação geral do Individual Geral em Moscou-1980. Quatro anos depois o país voltava a se classificar para uma edição olímpica, dessa vez com Gerson Gnoatto. O brasileiro ficou na 70ª posição em Los Angeles-1984.

Na edição de Seul-1988 nosso representante foi Guilherme Saggese Pinto, ficando na 89ª colocação geral. Em Barcelona-1992 o Brasil conseguiu sua quarta classificação consecutiva para a prova masculina. Na cidade catalã, Marco Antônio Monteiro alcançou a 84º lugar, melhorando um pouco a classificação do país em relação aos Jogos de 1988.

Após a quarta classificação seguida para a Olimpíada na ginástica masculina, o país entrou em um pequeno hiato e não conseguiu mandar nenhum ginasta para as edições de 1996 e 2000 dos Jogos Olímpicos. O país só voltou a ser representado no masculino em Atenas-2004 com Mosiah Rodrigues. Na capital grega o gaúcho terminou em 33º lugar, nossa melhor posição até então. Diego Hypólito, nosso representante na edição de Pequim-2008, não disputou o Individual Geral, focando na prova de solo.

Os melhores resultados do Brasil em Olimpíadas no individual geral masculino vieram com Sérgio Sasaki. Primeiramente o paulista de São Bernardo do Campo disputou a edição de Londres-2012, classificando o país para a final pela primeira vez na história.

Na final, o nosso único representante na disputa terminou em 10º lugar. Quatro anos depois, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, Sérgio Sasaki melhorou a sua classificação terminando em nono lugar. Quem também esteve presente nessa final foi Arthur Nory. Pela primeira vez, o país colocava dois ginastas nessa prova, tendo Nory terminado na 17ª colocação.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Histórico do individual geral masculino em Jogos Olímpicos

Alberto Braglia foi bicampeão olímpico do individual geral masculino ao ganhar em 1908 e 1912
Alberto Braglia foi bicampeão olímpico do individual geral ao ganhar em 1908 e 1912

Presente no programa olímpico desde Paris-1900, o Individual Geral masculino aponta aquele que é o melhor ginasta do mundo entre todos aqueles que disputam a edição dos Jogos Olímpicos. Ao competir nos seis aparelhos, somando todas as notas e sem direito a descarte, o ginasta campeão precisa ser completo e chegar o mais próximo da perfeição se quiser conquistar o título. A prova mais prestigiada no masculino conta com um empate absoluto entre duas nações no topo dos maiores vencedores. Japão e União Soviética dividem o primeiro lugar com seis medalhas de ouro, seis medalhas de prata e três medalhas de bronze. Também se destacam a Itália, com quatro medalhas de ouro, e a China, com duas.

Os japoneses Kohei Uchimura e Sawao Kato são os maiores vencedores do Individual Geral masculino nos Jogos Olímpicos com duas medalhas de ouro e uma medalha de prata. Quem também aparece com dois títulos conquistado, mas sem medalhas de prata ou bronze, são o italiano Alberto Braglia e o soviético Viktor Chukarin. Yukio Endo, Vitaly Scherbo e Alexei Nemov são outros nomes de destaque que já conquistaram o título de ginasta mais completo do mundo.

A edição dos Jogos Olímpicos de 1900 teve como os primeiros vencedores do individual geral masculino três ginastas franceses. Gustave Sandras, Noel Bas e Lucien Démanet saíram vitoriosos em uma disputa travada praticamente só entre ginastas conterrâneos. Os 18 primeiros colocados na prova eram ginastas franceses, sendo o suíço Jules Ducret o responsável por quebrar a sequência estabelecida pelos franceses alcançando a 19ª colocação. 

O primeiro bicampeão olímpico do individual geral masculino apareceu já nas edições de Londres-1908 e Estocolmo-1912. O italiano Alberto Braglia foi o responsável pelo feito, demonstrando a força da Itália, uma das primeiras potências da ginástica artística. Em 1908 o italiano bateu o britânico Walter Tysall por uma diferença de cinco pontos. Quatro anos depois o italiano conquistou o ouro em cima do francês Louis Ségura por três pontos de vantagem. Naquela época a disputa contava com quatro aparelhos: cavalo com alças, barra fixa, barras paralelas e argolas.

Os jogos da Antuérpia marcaram o primeiro tricampeonato para um país no individual geral masculino. Alberto Braglia havia saído de cena, mas Georgio Zampori seguiu os passos do compatriota e deu à Itália a terceira medalha de ouro consecutiva. Prata e bronze ficaram com a França representada por Marco Torres e Jean Gounot. Outra potência no período, a França nas cinco primeiras edições conquistou sete medalhas no total, mais até do que as quatro medalhas conquistadas pela Itália.

Os Jogos Olímpicos de Paris-1924 tiveram um pódio do individual geral formado por países que hoje não existem mais. O ouro ficou com a Iugoslávia de Leon Stukelj, enquanto a prata e o bronze ficaram com a Tchecoslováquia de Robert Prazak e Bedrich Supcik. A competição ainda não contava com a prova de solo e tinha uma disputa com cordas. Os jogos seguintes tiveram uma dobradinha suíça no alto do pódio. Georges Miez e Herman Hanggi dominaram a disputa em Amsterdã deixando para trás o vigente campeão olímpico, o iugoslavo Stukelj. 

Após ficar ausente do pódio por duas edições seguidas de Jogos Olímpicos, os italianos voltaram a vencer o individual geral masculino em Los Angeles-1932. Romeo Negri brilhou nas Olimpíadas em solo estadunidense e dentre as várias medalhas conquistadas estava o ouro na prova que aponta o ginasta mais completo. A edição que marcou a estreia da prova de solo trouxe também o último pódio italiano nas provas do individual geral. Após Negri nenhum outro ginasta do país conquistou medalha nessa prova.

Viktor Chukarin levou o ouro no individual geral masculino nos Jogos Olímpicos de 1952 e 1956
Viktor Chukarin levou o ouro no individual geral masculino em 1952 e 1956

Após a Itália, o país seguinte a conquistar um tricampeonato consecutivo foi a União Soviética. O primeiro a contribuir para isso foi Viktor Chukarin, que venceu as disputas do individual geral nos Jogos Olímpicos de Helsinque-1952 e Melbourne-1956.

Assim como os soviéticos, quem também colocava a bandeira pela primeira vez em um pódio olímpico do Individual Geral masculino era o Japão. Takashi Ono foi o responsável pelo feito, já na edição de Melbourne, quando ficou com a medalha de prata. O bronze foi do também soviético Yuri Titov. Quatro anos depois a URSS voltava ao topo do pódio pela terceira vez consecutiva com o ouro de Boris Shaktin. A prata e o bronze ficaram exatamente com os mesmos ginastas de Melbourne, Ono e Titov.

Os Jogos Olímpicos disputados no Japão em 1964 colocaram um fim na soberania soviética e inauguraram um período de domínio japonês no individual geral masculino. Yukio Endo após uma intensa disputa conquistou o ouro para o país da casa. Com a prata ficaram três ginastas empatados com a mesma pontuação. Viktor Lisitskay e Boris Shaktin, da União Soviética, e Shuji Tsurumi, do Japão, dividiram o segundo lugar. Era a primeira vez que acontecia um empate nessa competição.

Sawao Kato foi campeão do individual geral masculino nos Jogos Olímpicos de 1968 e 1972
Sawao Kato foi campeão do individual geral masculino em 1968 e 1972

Sawao Kato foi bicampeão nas duas edições seguintes, Cidade do México-1968 e Munique-1972, se tornando o terceiro ginasta a atingir tal feito. A edição de Munique-1972 inclusive teve o pódio completamente formada por japoneses. Eizo Kenmotsu foi medalhista de prata e Akinori Nakayama ficou com o bronze. Desde a primeira disputa em 1900 um país não dominava um pódio completamente.

As competições do Individual Geral masculino nesse período e nas edições seguintes foram marcadas pela disputa intensa entre japoneses e soviéticos pelo domínio da ginástica, com os dois países se revezando nos pódios. Em Montreal-1976, a União Soviética voltava a desbancar os japoneses do topo com Nikolai Andrianov, que venceu o bicampeão da prova Sawao Kato e o seu compatriota Mitsuo Tsukahara.

Em 1980, aproveitando-se do boicote japonês aos jogos realizados em sua capital Moscou, os soviéticos voltaram ao topo do pódio com uma dobradinha. Ouro para Alexander Dityatin e prata para Nikolai Andrianov. O bronze foi conquistado pelo búlgaro Stoyan Deltchev.

Em Los Angeles-1984 foi a vez do bloco dos países socialistas boicotarem os Jogos e assim o Japão se aproveitou da ausência dos ginastas da URSS e voltou a conquistar o ouro com Koji Gushiken. Dois países que também se aproveitaram da ausência dos soviéticos foram os Estados Unidos, com Peter Vidmar, e a China, com Li Ning. Ambos os países apareceram no pódio pela primeira vez, marcando o início de duas novas potências da prova.

Os Jogos Olímpicos de Seul-1988 foram históricos em todos os sentidos para a União Soviética. Primeiramente por terem conquistado o pódio completo, com Vladimir Artemov, Valeri Liukin e Dmitry Bilozerchev, se tornando o terceiro país a atingir tal feito depois de França e Japão. E posteriormente por ter sido a última vez que o país participava dos Jogos.

Na edição seguinte, Barcelona-1992, o país já havia sido dissolvido e os atletas competiram com o nome de Equipe Unificada. E foi justamente um trio de ginastas oriundos do time dos países unificados que conquistou o pódio completo. O ouro ficou com Vitaly Scherbo, de origem bielorrussa, a prata com Grigory Misyutin, de origem ucraniana, e o bronze com Valery Belenky, de origem azeri. Todos eles países outrora pertencentes à URSS.

Alexei Nemov desembarcou em solo norte-americano como principal candidato ao título olímpico da edição de 1996, mas o resultado não foi exatamente o esperado por ele e pelos russos. Após uma intensa disputa o chinês Li Xiaoshuang somou 58.423 pontos e desbancou Nemov da medalha de ouro por apenas 0.049. O campeão olímpico de 1992, Vitaly Scherbo, ficou com a medalha de bronze, agora já competindo com a bandeira da Belarus. Alexei Nemov viria a conquistar o seu sonhado ouro nos Jogos Olímpicos seguintes, em Sidney-2000. A China ficou com a prata conquistada pelas mãos de Yang Wei e a Ucrânia com o bronze conquistado por Oleksandr Beresch.

O título dos Jogos Olímpicos de 2004 é cercado de muita polêmica. O campeão é o norte-americano Paul Hamm, que conquistou a primeira e até hoje única medalha de ouro dos Estados Unidos nessa prova. Entretanto a Coréia do Sul, que conquistou os dois outros lugares do pódio, contesta o título de Hamm. Isso porque o painel de juízes considerou um elemento realizado por Yang Tae Young nas barras paralelas de forma equivocada e acabou por emitir uma nota menor do que deveria para o ginasta. Ao invés de contabilizar 10 pontos, os juízes consideraram 9.9 e esse décimo perdido acabou por deixar o sul-coreano com a medalha de bronze. Os sul-coreanos recorreram da decisão após o fim da competição, mas o recurso foi negado pela Corte Arbitral do Esporte que alegou que o protesto foi feito de forma tardia e que não havia provas que apontassem para má fé por parte dos juízes. Caso esse décimo fosse corretamente pontuado para Young ele teria sido o campeão olímpico no lugar de Hamm. 

Uchimura ginástica artística jogos olímpicos tóquio 2020
Depois da prata em 2008, Kohei Uchimura foi ouro em 2012 e em 2016 (Ricardo Bufolin/CBG)

As Olimpíadas de Pequim-2008 apresentavam para o mundo o nascimento de um novo mito do esporte, o japonês Kohei Uchimura. Apesar de não ter conquistado o ouro, ficado com a prata, o japonês mostrou para todos o que era capaz de fazer e nos anos seguintes iria dominar todas as competições do Individual Geral, tanto em mundiais quanto em Olimpíadas. Disputando os Jogos em casa o chinês Yang Wei ficou com a medalha de ouro, a segunda da China na prova. Quem também apareceu no pódio foi a França, com Benoit Caranobe. O país estava ausente dos pódios nessa prova desde Antuérpia-1920.

Kohei Uchimura conquistou o ouro nos dois Jogos Olímpicos seguintes se tornando o quarto ginasta a se tornar bicampeão do Individual Geral, sendo o segundo japonês. No primeiro título, em Londres-2012, ele não deixou muito espaço para a concorrência e conquistou o ouro com uma vantagem de mais de um ponto e meio para o segundo colocado, o alemão Marcel Nguyen. O bronze ficou com o cubano naturalizado estadunidense Danell Leyva. Quatro anos depois, no Rio de Janeiro, o ouro veio com uma vantagem de apenas um décimo sobre o ucraniano Oleg Verniaiev. Max Whitlock, da Grã-Bretanha, completou o pódio.

Todos os medalhistas do individual geral masculino nos Jogos Olímpicos

OlimpíadaOuroPrataBronze
1900Gustave Sandras (FRA)Noël Bas (FRA)Lucien Démanet (FRA)
1904Julius Lenhart (AUT)Wilhelm Weber (ALE)Adolf Spinnler (SUI)
1906Pierre Payssé (FRA)Alberto Braglia (ITA)Gustave Charmoille (FRA)
1908Alberto Braglia (ITA)Walter Tysall (GBR)Louis Ségura (FRA)
1912Alberto Braglia (ITA)Louis Ségura (FRA)Serafino Mazzarocchi (ITA)
1920Giorgio Zampori (ITA)Marco Torrès (FRA)Jean Gounot (FRA)
1924Leon Štukelj (IUG)Robert Pražák (TCH)Bedřich Šupčík (TCH)
1928Georges Miez (SUI)Hermann Hänggi (SUI)Leon Štukelj (IUG)
1932Romeo Neri (ITA)István Pelle (HUN)Heikki Savolainen (FIN)
1936Alfred Schwarzmann (ALE)Eugen Mack (SUI)Konrad Frey (ALE)
1948Veikko Huhtanen (FIN)Walter Lehmann (SUI)Paavo Aaltonen (FIN)
1952Viktor Chukarin (URS)Hrant Shahinyan (URS)Sepp Stalder (SUI)
1956Viktor Chukarin (URS)Takashi Ono (JAP)Yury Titov (URS)
1960Borys Shakhlin (URS)Takashi Ono (JAP)Yury Titov (URS)
1964Yukio Endo (JAP)Shuji Tsurumi (JAP)
Viktor Lisitsky (URS)
Borys Shakhlin (URS)
1968Sawao Kato (JAP)Mikhail Voronin (URS)Akinori Nakayama (JAP)
1972Sawao Kato (JAP)Eizo Kenmotsu (JAP)Akinori Nakayama (JAP)
1976Nikolay Andrianov (URS)Sawao Kato (JAP)Mitsuo Tsukahara (JAP)
1980Aleksandr Dityatin (URS)Nikolay Andrianov (URS)Stoyan Delchev (BUL)
1984Koji Gushiken (JAP)Peter Vidmar (EUA)Resina (CHN)
1988Vladimir Artyomov (RUS)Valery Lyukin (URS)Dmitry Bilozerchev (URS)
1992Vitali Shcherba (EUN)Hryhoriy Misiutin (EUN)Valery Belenky (EUN)
1996Li Xiaoshuang (CHN)Aleksey Nemov (RUS)Vitali Shcherba (BLR)
2000Aleksey Nemov (RUS)Yang Wei (CHN)Oleksandr Beresh (UCR)
2004Paul Hamm (EUA)Kim Dae-Eun (COR)Yang Tae-Yeong (COR)
2008Yang Wei (CHN)Kohei Uchimura (JAP)Benoît Caranobe (FRA)
2012Kohei Uchimura (JAP)Marcel Nguyen (ALE)Danell Leyva (EUA)
2016Kohei Uchimura (JAP)Oleh Verniaiev (UCR)Max Whitlock (GBR)

Quadro de medalhas do individual geral masculino nos Jogos Olímpicos:

PosiçãoPaísOuroPrataBronzeTotal
1Japão66315
1União Soviética66315
3Itália4116
4França23510
5China2114
6Suíça1326
7Alemanha1214
8Equipe Unificada1113
8Estados Unidos1113
10Rússia1102
11Finlândia1023
12Iugoslávia1012
13Áustria1001
14Checoslováquia0112
14Grã Bretanha0112
14Coreia do Sul0112
14Ucrânia0112
18Hungria0101
19Bielorrússia0011
19Bulgária0011
X