Siga o OTD

1m masculino

1m masculinoJogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Saltos Ornamentais – 1m masculino

Chances do Brasil1m masculino

O representante do Brasil na prova de 1m masculino trampolim será a jovem promessa Luis Felipe Moura. Com apenas 16 anos, ele vem se destacando nas competições juvenis e ganhou a oportunidade de disputar seu primeiro Pan-Americano.

Local da competição

Centro Aquático Pan-Americano

Local: Videna – Vila Deportiva Nacional (Lima)

Nossos pódios

A prova de 1m masculino só foi disputada em duas edições do Jogos Pan-Americanos: 1991 e 1995. E em nenhuma destas ocasiões, o Brasil conseguiu subir ao pódio. Será que em 2019, no retorno da prova, o país belisca uma medalha?

Medalhistas

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1991 Mark Lenzi
EUA
Abel Ramírez
Cuba
Jorge Mondragón
 México
1995 Dean Panaro
EUA
Fernando Platas
 México
Abel Ramírez
Cuba

Quadro de medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  EUA 2 0 0 2
2  Cuba 0 1 1 2
 México 0 1 1 2

A prova1m masculino

A competição de Saltos Ornamentais é composta por duas fases: uma preliminar e uma final, na qual participam os 12 atletas com maior pontuação. Antes da competição, os saltadores apresentam uma lista dos saltos que irão executar e, caso realizem elementos distintos, não irão pontuar.

A prova acontece em uma piscina de no mínimo 20 x 25m e com 5m de profundidade no seu ponto mais fundo. No local, há ainda uma torre, em que fica o trampolim, uma tábua flexível, fixada a 1m do nível da água. Ele deve ter 50cm de largura e 4,8m de comprimento e ser coberto por um material antiderrapante.

O local deve apresentar ainda uma banheira de hidromassagem, utilizada para a manutenção da temperatura corporal dos atletas durante o intervalo entre os saltos.

Nas competições masculinas, os saltadoras apresentam 6 saltos em cada fase da competição. Os saltos podem ser de frente, costas, pontapé, revirado, parafuso e equilíbrio, e são aliados ainda a mortais e piruetas.

Os árbitros avaliam os saltos dando uma nota de zero a dez, sendo descartadas a mais alta e a mais baixa. É levado em consideração pelos juízes: a posição inicial, a saída do trampolim, o voo do atleta e a entrada na água.