Siga o OTD

Basquete feminino

Tabela do basquete feminino – Jogos Olímpicos Tóquio 2020

GRUPO A

PosTimePtsJVDPróContra
16330234205
25321207214
34312208201
43303183212

GRUPO B

PosTimePtsJVDPróContra
15321245239
24220167141
33211157136
43303217270

GRUPO C

PosTimePtsJVDPróContra
14220172122
24220173129
32202144161
42202107184

DISPUTA DO TERCEIRO LUGAR

+ LISTA DOS BRASILEIROS CLASSIFICADOS PARA OLIMPÍADA

O torneio de 2020

basquete feminino
Jogadoras da seleção feminina de basquete dos Estados Unidos comemoram mais uma medalha de ouro nos Jogos Rio-2016 (Reprodução)

O basquete feminino foi uma das poucas modalidades que conseguiu realizar os torneios pré-olímpicos antes da pandemia do coronavírus atingir o planeta. Os 12 países que já estão classificados são:  Japão (país sede), Estados Unidos (campeão Mundial em 2018),  Espanha, Bélgica, Canadá, França, Austrália, Porto Rico, Nigéria, Sérvia, China e  Coreia do Sul  (todos classificados através dos torneios pré-olímpicos mundiais). O Brasil, infelizmente, ficou de fora dos Jogos após perder a vaga para Porto-Rico em fevereiro.

De todas as modalidades coletivas, nenhuma é tão fácil de prever quanto o basquete feminino. A medalha de ouro só não irá para os Estados Unidos se um verdadeiro desastre acontecer. A equipe americana não perde uma partida em Olimpíadas desde Barcelona-1992 e tem tudo para seguir invicta. Desde os Jogos da Atlanta-1996, são seis títulos consecutivos. A seleção dos EUA tem um aproveitamento espetacular de 66 vitórias e apenas três derrotas. Em Copas do Mundo, a última derrota ocorreu na semifinal de 2006, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, para a Rússia. Desde então, são três títulos consecutivos, sem perder nenhum jogo. 

Como se não bastasse isso tudo, os Estados Unidos têm a liga de basquete mais poderosa do mundo e a melhor jogadora do planeta. Aos 25 anos, a campeã olímpica e bicampeã mundial Breanna Stewart deve comandar novamente as americanas no Japão. Na Copa do Mundo de 2019, a atleta foi eleita a melhor do torneio (MVP). Tina Charles e Brittney Griner devem ser figuras garantidas em Tóquio, se saudáveis.  Não se sabe se veteranas como Diana Taurasi e Sue Bird estarão com a equipe no Japão após o adiamento dos Jogos, mas, mesmo sem as experientes campeãs olímpicas, a seleção americana possui inúmeras peças de reposição. 

Basquete feminino

Breanna Stewart
Campeã olímpica e bicampeã mundial, Breanna Stewart será o grande nome da seleção dos Estados Unidos em Tóquio (Divulgação)

A briga pela prata e pelo bronze deve ser eletrizante, entretanto. A Espanha vive um bom momento na modalidade nos últimos anos. Das últimas quatro edições do EuroBasket (Campeonato Europeu de basquete feminino), as espanholas venceram três títulos, incluindo o último, realizado em 2019. Com jogadoras dominantes no garrafão como Astou Nodur e Laura Nicholls, incomodam qualquer rival nas quadras. Alba Torrens é outra que costuma ter grandes partidas com a camisa de sua seleção. O país da península Ibérica tem tudo para repetir a ótima segunda colocação que obteve na Rio 2016. Na ocasião, as espanholas jogaram de igual para igual com as americanas, mas acabaram derrotadas nas semifinais.

Espanha
Basquete feminino
A forte seleção da Espanha deverá brigar pelo pódio no basquete feminino (Fiba)

A tradicional Austrália também deve brigar por medalhas no Japão. Vice-campeãs mundiais em 2018, as australianas foram superiores às equipes europeias nos últimos anos e querem superar o “trauma” da Rio 2016, quando foram surpreendidas pela equipe da Sérvia nas quartas de final, após vencerem os cinco jogos da fase de classificação. Foi a primeira vez que a Austrália ficou fora de um pódio olímpico desde Sydney-2000. A grande estrela é a pivô Liz Cambage, cestinha e segunda melhor reboteira do Mundial em 2018 e uma das maiores atletas do mundo.

A França segue com um time muito forte, mas um pouco abaixo das outras citadas anteriormente. Segue sendo uma grande força do continente europeu, tendo alcançado todas as finais do EuroBasket desde 2013, ficando com quatro vice-campeonatos (três derrotas para a Espanha e uma para a Sérvia). Lideradas pela pivô Sandrine Guda, buscam repetir a boa campanha de Londres-2012, quando foram vice-campeãs olímpicas.

Não é só no futebol profissional que existe uma “ótima geração belga”. O basquete feminino viu, nos últimos anos, o surgimento de grandes jogadores da Bélgica no continente Europeu. A equipe, que não esteve presente nos Jogos Olímpicos do Rio há quatro anos, começou a despontar no Campeonato Europeu de 2017, quando ficou na terceira colocação geral. Um ano depois, no Campeonato Mundial, caíram na semi para os Estados Unidos, perdendo o bronze para a Espanha na sequência. Com jogadoras de muita habilidade como Emma Meesseman, Kim Mestdagh, Julie Allemand e Kyara Linskens, tem tudo para incomodar as grandes potências.

A Australia quer se recuperar do trauma da eliminação nas quartas de final na RIo 2016 para a Sérvia (Fiba)

Canadá, Japão, China e Nigéria possuem equipes fortes e devem fazer bons jogos com as principais forças. O país da América do Norte tem a ala Kia Nurse como sua principal arma. Destaque da WNBA, a jovem de 24 anos foi fundamental na boa campanha no Mundial de 2018. Na ocasião, o Canadá parou nas quartas de final contra a Espanha, porém venceu todos os seus adversários na fase de grupos, incluindo a França e a Coréia do Sul. Nurse foi a terceira maior cestinha com média de 18 pontos por partida. Até a pausa dos torneios por conta do coronavírus, o Canadá ocupava a quarta colocação do ranking mundial, atrás somente de EUA, Austrália e Espanha.

A Nigéria possui bastante poderio defensivo. A equipe incomoda muito nos rebotes e nas bolas roubadas. No Mundial de 2018, por exemplo, as nigerianas tiveram quase 10 bolas recuperadas por partida, melhor marca da competição. Em rebotes, só ficaram atrás de Estados Unidos e Austrália. A pivô Evelyn Akhator é um dos principais destaques, pontuando e recuperando arremessos errados das adversárias. Ezinne Kalu é especialista em “bater carteiras”. A oitava colocação no Mundial foi bastante honrosa para o país africano.

Japão e China fazem uma boa rivalidade na Ásia, com os anfitriões da próxima Olimpíada levando vantagem nos últimos quatro campeonatos continentais. No Mundial de 2018, entretanto, a China deu o troco e eliminou as japonesas nas oitavas de final. O Japão possui dois talentos individuais cruciais para o bom desempenho da equipe: Yuki Miyazawa e Maki Takada. A primeira lidera a equipe em pontos, enquanto a outra auxilia muito o setor defensivo. A China, por sua vez, conta com Ting Shao e Sijing Huang, duas das principais responsáveis pela vitória no Mundial de 2018.

Basquete feminino
China
A seleção da China garantiu a vaga pelo Pré-Olímpico mundial (Fiba)

Medalhista de bronze no último campeonato europeu, disputado em seu próprio território, a Sérvia vivia uma boa fase antes da pandemia atingir o planeta. A equipe evoluiu muito em comparação a 2017 e 2018, a ponto de ocupar a oitava colocação do ranking mundial. Jelena Brooks é um dos principais destaques da equipe.Porto Rico e Coreia do Sul estão um nível abaixo das outras dez equipes. Mesmo tendo eliminado o Brasil, as caribenhas não devem ir muito longe e uma classificação para as quartas-de-finais olímpica já seria uma grande vitória. O mesmo deve ocorrer com as coreanas.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

Formato de disputa do torneio de basquete feminino

Doze países, divididos em três chaves de quatro seleções, que se enfrentarão em turno único. Avançarão para a fase decisiva os dois melhores de cada grupo e mais as duas melhores que ficarem em terceiro lugar. Um sorteio definirá o chaveamento e os confrontos das quartas de final, sendo que as equipes que se enfrentaram na fase de grupos não poderão jogar novamente nas quartas. A partir daí, os vencedores avançarão para a semifinal, onde os perdedores decidirão a medalha de bronze e os vencedores, o ouro.

O basquete feminino do Brasil nos Jogos Olímpicos

Em Atlanta-1996, a seleção brasileira feminina fez uma campanha histórica e ficou com a medalha de prata (Divulgação/CBB)

A geração que encantou o Brasil nos anos 1990 de Paula, Hortência, Janeth, Alessandra e companhia elevou o patamar do basquete feminino. Foram duas incríveis medalhas olímpicas: a de prata em Atlanta-1996, em uma campanha histórica, e o bronze em Sydney-2000, sem a dupla Paula/Hortência, mas ainda com Janeth como estrela. Na Austrália, inclusive, o Brasil teve uma de suas vitórias mais dramáticas, quando derrotou a Rússia nas quartas de final com uma cesta no último lance. Em 2004, o Brasil novamente fez uma boa campanha, terminando na quarta colocação. Desde então, o nível do basquete feminino nacional caiu muito e o país fez campanhas bem abaixo do que costumava fazer. A esperança é que em Paris-2024 a nova geração consiga trazer de volta as glórias do basquete feminino.

O basquete feminino nos Jogos Olímpicos

A seleção da União Soviética campeã olímpica da primeira edição do torneio feminino de basquete, em Montreal-1976 (Fiba)

O torneio feminino de basquete chega a sua décima segunda edição em Tóquio. Ao longo de todas as edições, como dissemos, há dominância total dos Estados Unidos. Das onze edições até aqui, as americanas só não venceram três, sendo que em uma delas, o país boicotou a realização dos Jogos Olímpicos (Moscou-1980). A última derrota do país da América do Norte ocorreu em 1992. 

Os outros dois títulos ficaram com a União Soviética (Montreal-1976 e Moscou-1980) e com a Comunidade de Estados Independentes, composta por ex-países da União Soviética, extinta em 1989.

Desde Atlanta-1996, a Austrália se consolidou como a segunda força mundial. Foram quatro medalhas – duas de prata e duas de bronze – de 1996 até 2012. Herdeira da União Soviética. A Rússia foi bem de 1996 até 2012, mas acabou sendo ultrapassada por outros países europeus como a França e a Espanha.

Medalhistas do basquete feminino nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Montreal 1976União SoviéticaEstados UnidosBulgária
Moscou 1980União SoviéticaBulgáriaIugoslávia
Los Angeles 1984Estados UnidosCoreia do SulChina
Seul 1988Estados UnidosIugosláviaUnião Soviética
Barcelona 1992Equipe UnificadaChinaEstados Unidos
Atlanta 1996Estados UnidosBrasilAustrália
Sydney 2000Estados UnidosAustráliaBrasil
Atenas 2004Estados UnidosAustráliaRússia
Pequim 2008Estados UnidosAustráliaRússia
Londres 2012Estados UnidosFrançaAustrália
Rio 2016Estados UnidosEspanhaSérvia

Quadro de medalhas do basquete feminino

PaísOuroPrataBronzeTotal
Estados Unidos81110
União Soviética2013
Equipe Unificada1001
Austrália0325
Brasil0112
Bulgária0112
China0112
Iugoslávia0112
França0101
Coreia do Sul0101
Espanha0101
Rússia0022
Sérvia0011