Siga o OTD

Andressa Oliveira de Morais

Ficha TécnicaMedalhas
Nascimento:. João Pessoa/PB
Idade: 28 anos (10/11/1992)
Altura: 1,68m
Peso: 58kg
Clube: Pinheiros (São Paulo)
Olimpíada: 2 (Londres-2012, Rio-2016)
Pan: 2 (Toronto-2015, Lima-2019)

Andressa Morais é a principal esperança do atletismo brasileiro na prova do lançamento de disco feminino nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

+ Saiba TUDO sobre o lançamento de disco feminino nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Filha de Djanete Oliveira de Morais, ex-atleta do lançamento de disco e arremesso de peso, Andressa Morais seguiu o mesmo o caminho da mãe e começou a disputar as principais competições do lançamento de disco em 2011, quando esteve no Mundial de Daegu, na Coreia do Sul. No ano seguinte, participou dos Jogos Olímpicos de Londres e bateu o recorde sul-americano da modalidade. Mas a ascensão da paraibana foi brecada por uma grave lesão.

Em 2013, Andressa Morais sofreu uma contusão na coluna e optou por tratar o problema sem intervenção cirúrgica, ficando fora dos treinos e das competições por mais de um ano. Com a carreira praticamente interrompida, ela pensou em desistir, mas mudou de ideia. Voltou aos treinos, mesmo que improvisados em um terreno baldio perto de casa.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

Andressa Morais retornou às competições de alto nível em 2015, quando bateu o recorde do Troféu Brasil do lançamento de disco ao lançar 64,15m. Após um 2016 sem resultados expressivos, inclusive nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, onde ficou na 21ª colocação e não foi à final, a paraibana retomou a confiança, bateu recordes e cresceu no cenário nacional.

Perda da medalha e liberação

Em agosto de 2019, Andressa Morais conquistou a medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Lima ao fazer um lançamento de 65,98m, quebrando o recorde sul-americano mais uma vez. Essa foi a sua melhor marca na carreira no lançamento de disco. Meses depois, porém, ela foi pega pelo controle antidoping após testar positivo para SARM, substância anabolizante proibida, e perdeu tanto a medalha quanto o recorde.

Suspensa provisoriamente pela Unidade de Integridade do Atletismo (AIU), Andressa Morais foi impossibilitada de participar do Mundial de Doha, ainda em 2019, e ficou aguardando a decisão final em relação à sua punição até o final de 2020. Com a opção do Comitê Olímpico Internacional (COI) e do governo japonês de adiar os Jogos Olímpicos para 2021 em decorrência da pandemia do coronavírus, a paraibana seguiu com chances de disputar sua terceira Olimpíada.

Andressa de Morais - atletismo  - lançamento de disco feminino - Jogos Olímpicos de Tóquio 2020
Andressa Morais levou a prata no lançamento de disco feminino do atletismo em Lima-2019, mas perdeu a medalha por doping (Wander Roberto/COB)

Em 2021

Em seu primeiro lançamento no Meeting de Montreuil, a atleta acabou queimando. No segundo, Andressa Morais conseguiu a marca de 60m72 e subiu para o quinto lugar na classificação geral. Na terceira, quarta e quinta tentativas, a representante do Brasil voltou a errar e manteve a quinta colocação. Em sua última, Andressa conseguiu 60.19m, não melhorando a sua marca e fechou o torneio na França em quinto.

Na reta final de sua preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, a paraibana Andressa Oliveira de Morais (Pinheiros), que está no Camping de Treinamento e Competições na cidade de Rio Maior, em Portugal, conquistou a medalha de ouro no lançamento do disco nesta quarta-feira (7) no 14º Meeting Internacional Triveneto, em Trieste, na Itália.