Siga o OTD

Thales Hoss

Ficha TécnicaMedalhas
Nascimento:. São Leopoldo (RS)
Idade: 32 anos (27/04/1989)
Altura: 1,87m
Peso: 80kg
Clube: Taubaté (SP)
Olimpíada: 0
Pan: 0

MUNDIAL
– Itália/Bulgária 2018

Thales Hoss é um líbero medalhista mundial que fará sua estreia em Olimpíada com a seleção brasileira de vôlei masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

+ Tabela, favoritos, datas, chances do Brasil e mais; Confira TUDO sobre vôlei masculino em Tóquio 2020

Tendo a difícil de substituir Serginho, o maior de todos os líberos da história e que esteve presente nas últimas edições olímpicas, Thales será peça-chave no sistema defensivo brasileiro.

Começo após a formatura

Gaúcho de São Leopoldo, Thales começou a jogar cedo e se profissionalizou após se formar no Ensino Médio. Sua primeira equipe foi a tradicional Ulbra. Desde cedo, o jogador já chamou a atenção e passou a frequentar as seleções de base do Brasil.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

De cara, Thales conquistou a medalha de ouro no Sul-Americano de Rosário (Argentina) em 2006. Mais do que isso, recebeu o prêmio de melhor passador, melhor defensor e melhor líbero. As performances chamaram a atenção do Sada Cruzeiro, que o contratou. Thales, no entanto, ficou apenas uma temporada e se transferiu para o Florianópolis em 2009.

Aparecendo em Floripa

Na Ilha da Magia, como é conhecida a cidade de Florianópolis, Thales começou a aparecer em cenário nacional. Ao lado de craques ainda jovens como Bruninho e Lucão, foi fundamental na conquista do título do sul-americano de clubes e da Superliga 2009/10.

As boas performances e o histórico na base levaram-no ao Mundial Sub-21 de 2009 com a seleção. Thales fez grande campeonato e levou sua primeira grande medalha de ouro com o Brasil. O jogador permaneceu quatro temporadas com o Florianópolis.

+ Confira TUDO sobre TODAS as provas de TODAS as modalidades dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

À aquela altura, Thales já tinha vôlei suficiente para ser chamado com mais frequência para a seleção principal. Mas sendo contemporâneo de Sérgio Dutra Rodrigues, o Serginho, a tarefa era mais árdua.

Como somente um líbero é convocado para os Jogos Olímpicos, Não teve chances de ir aos Jogos Olímpicos de Londres ou do Rio de Janeiro. Thales e Serginho foram colegas de clube, inclusive. Os dois jogaram juntos no Sesi-SP na temporada 2014/15.

Assim que saiu de Florianópolis, Thales teve quatro rápidas passagens por quatro clubes diferentes em quatro anos até assinar, em 2017, um contrato que mudaria sua vida profissional.

Gaúcho de Taubaté

O gaúcho fechou com o Taubaté sem saber teria a consolidação de sua carreira. Com o time do interior de São Paulo, conquistou oito títulos: tricampeão Paulista (2017, 2018 e 2019), bicampeão da Superliga (2018/2019 e 2020/2021), bicampeão da Supercopa (2019 e 2020) e campeão do Torneio Super Vôlei (2020).

Thales - seleção brasileira de vôlei - Jogos Olímpicos de Tóquio 2020
Thales em Taubaté: a consolidação da carreira

As boas performances com o time de Taubaté e a aposentadoria de Serginho em 2017 levaram Thales a ganhar força como o provável líbero titular do Brasil. Quando Renan Dal Zotto assumiu a seleção brasileira de vôlei masculino, isso acabou se concretizando.

No ciclo olímpico, Thales participou da conquista da Copa do Mundo em 2019 e ainda foi eleito o melhor líbero da competição. O jogador ainda foi vice-campeão da Liga Mundial em 2017 e vice-campeão Mundial em 2018.

Em 2021

Thales teve outra boa temporada com o Taubaté. O jogador foi fundamental na conquista do título nacional, a segunda seguida. Foi o terceiro melhor em recepções com apenas 74% de acertos, número apenas 2% do que o líder Tiago Brendle.

+ Tabela, favoritos, datas, chances do Brasil e mais; Confira TUDO sobre vôlei FEMININO em Tóquio 2020

Na sequência, o líbero se juntou à seleção brasileira de vôlei masculino para a disputa da Liga das Nações e foi fundamental na conquista inédito título do torneio contra a Polônia. Thales ficou entre os melhores recebedores e defensores nas estatísticas. Sua atuação foi coroada com o prêmio de melhor líbero do torneio.

Havia uma certa dúvida se Thales ou Maique, do Mians, ficariam com a vaga olímpica. Mas a grande performance na Liga das Nações sacramentou sua ida a Tóquio.

Confira o perfil de TODOS os jogadores que representarão o Brasil em Tóquio

Levantadores:
Bruninho (Modena/Itália)
Cachopa (Sada Cruzeiro)

Opostos:
Wallace  (Sada Cruzeiro)
Allan (Kuzbass Kemerovo/Rússia)

Ponteiros:
Leal (Modena/Itália)
Lucarelli (Trentino/Itália)
Douglas Souza (Taubaté)
Maurício Borges (Vibo Valentia/Itália)

Centrais:
Maurício Souza (Minas)
Lucão (Campinas)
Isac (Sada Cruzeiro)

Líbero:
Thales (Taubaté)

viagra