Siga o OTD
teste

Salto em altura masculino

Salto em altura masculino – Atletismo – Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Recordes do salto em altura masculino

Recorde Mundial: 2,45 m – Javier Sotomayor (CUB) – Salamanca (ESP) – 27/07/1993

Recorde Olímpico: 2,39 m – Charles Austin (USA) – Atlanta (USA) – 28/07/1996

Chances do Brasil no salto em altura masculino

O índice para Tóquio no salto em altura masculino é de 2,33m e o brasileiro que está mais perto de superar esta marca é Thiago Julio Alfano Moura, cuja melhor marca em 2020 foi de 2,27m, quando ficou com o outo no Troféu Brasil, disputado em dezembro, em São Paulo.

O Brasil no salto em altura masculino dos Jogos Olímpicos

A estreia brasileira na prova foi em Berlim-1936, com Alfredo Mendes e Ícaro Mello. Ambos fizeram 1,80m e não passaram da qualificação.

O carioca José Telles da Conceição fez sua estreia olímpica em Helsinque-1952. Na qualificação, ele foi um dos 28 que conseguiram passar em 1,87m avançando para a lotada final. Na decisão, ele foi passando nas alturas iniciais sempre na primeira tentativa. Com o sarrafo em 1,98m, José Telles e os americanos Walt Davis e Ken Wiesner foram os únicos que passaram de primeira, mas ele parou em 2,01m, terminando com um inédito bronze para o Brasil na prova, até hoje a única medalha do país no salto em altura. José Telles voltaria a competir na prova em Melbourne-1956, marcando 1,92m na qualificação, mas na final terminaria apenas em 21º com 1,86m.

Em Helsinque-1952, José Telles ficou com a medalha de bronze no salto em altura masculino, a única do Brasil na história das Olimpíadas (Reprodução)

O próximo brasileiro a competir no salto em altura foi o Irajá Cecy, em Montreal-1976, mas ele queimou as suas três tentativas em 2,00m e ficou sem marca na qualificação. Em Moscou-1980, Cláudio Freire não foi bem na qualificação e terminou na 29ª e última colocação com 2,05m.

O Brasil só voltou a competir na prova em Atenas-2004, com Jessé de Lima, que ficou em 17º na qualificação com 2,25m, fora da final. Já em Pequim-2008, Jessé foi perfeito na qualificação, passando em todas as alturas na primeira tentativa, mas decepcionou na final, terminando em 10º com 2,20m.

Guilherme Cobbo competiu em Londres-2012, parando na quali com 2,21m, em 16º no geral. Talles Frederico Silva foi o único brasileiro a competir na prova na Rio-2016, mas acabou apenas em 35º na qualificação com 2,17m.

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para os Jogos

Favoritos no salto em altura masculino nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Mutaz Essa Barshim, do Qatar, é o atual bicampeão mundial e principal favorito a buscar o ouro em Tóquio no salto em altura (World Athletics)

Prata no Rio, o qatari Mutaz Essa Barshim é o atual bicampeão mundial da prova. Em 2017, em Londres, foi campeão mundial com 2,35m obtidos logo na primeira tentativa. Na ocasião, ele vinha em grande fase e venceu todas as 11 provas que disputou no ano, sendo duas delas com a marca de 2,40m. Seguiu em ótima fase em 2018 com 6 vitórias em 6 provas outdoor, novamente marcando 2,40m em duas delas. Uma lesão quase o tirou do Mundial de 2019, que disputaria em casa. Chegou para a prova não muito acreditado, quase parou em 2,33m, o que o deixaria sem medalha, mas voou em 2,35m e 2,37m para faturar o bicampeonato. Segundo maior da história com 2,43m, o qatari será o favorito, apesar de não ter competido em 2020.

Os principais rivais de Barshim serão os russos Mikhail Akimenko e Ilya Ivanyuk, respectivamente prata e bronze no último Mundial. Os dois foram consistentes saltadores acima de 2,30m e serão fortes nomes para o pódio em Tóquio. Seu compatriota Danil Lysenko é outro que poderia estar nesta lista. Prata no Mundial de 2017, ele perdeu o status de atleta neutro e não pôde mais competir desde 2018, quando não avisou onde estaria para realização de testes surpresas e está suspenso.

O bielorrusso Maksim Nedasekau cravou a segunda melhor marca do ano em 2019 e chegará entre os favoritos em Tóquio no salto em altura (European Athletics)

O bielorrusso Maksim Nedasekau fez a 2ª melhor marca de 2019 com 2,35m, igual os dois russos. É dono da melhor marca de 2020 com 2,33m e, mesmo jovem, é um forte nome pro pódio olímpico. Terá 23 anos na disputa olímpica.

Outros que entram na lista de favoritos ao pódio são os ucranianos Andriy Protsenko e Bohdan Bondarenko. Este último foi bronze no Rio-2016 e campeão mundial em 2013, em Moscou. Correm por fora o canadense Michael Mason, o alemão Mateusz Przybylko, campeão europeu em 2018, o sírio Majd Eddin Ghazal, bronze no Mundial de 2017 e o italiano Stefano Sottile.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Histórico do salto em altura masculino nos Jogos Olímpicos

O salto em altura fez sua estreia olímpica na primeira Olimpíada, em Atenas-1896. Apenas cinco atletas competiram e o pódio foi todo de competidores dos Estados Unidos, com vitória de Ellery Clark com 1,81m. Neste início de disputas, os atletas saltavam de frente, usando principalmente a técnica da tesoura.

Um ano antes dos Jogos inaugurais, o irlandês-americano Michael Sweeney criou a técnica conhecida como eastern cut-off, com a qual bateu o recorde mundial em 1895 com 1,97m. Mas Sweeney nunca disputou uma Olimpíada. Outro americano, George Horine, criou uma outra técnica, o western roll, mas não foi suficiente para levar o ouro olímpico em Estocolmo-1912, acabando com o bronze com 1,89m. Quem venceu na ocasião foi seu compatriota Alma Richards, com 1,93m.

Esta técnica seguiu fazendo sucesso, sendo usada pelos campeões olímpicos seguintes. Mas foi apenas em Los Angeles-1932 que a vitória não ficou com um atleta dos Estados Unidos, ficando com o canadense Duncan McNaughton, com 1,97m. Na edição seguinte, em Berlim-1936, o americano Cornelius Johnson se tornou o primeiro atleta a passar de 2m em uma Olimpíada, vencendo com 2,03m.

Após a 2ª Guerra Mundial, o australiano John Winter foi o primeiro campeão olímpico com 1,98m. Em Helsinque-1952, o título ficou com o americano Walt Davis, campeão com 2,04m, novo recorde olímpico. A única medalha brasileira da prova veio nesta edição com José Telles da Conceição, bronze com 1,98m.

O salto em altura seguiu evoluindo e os atletas começaram a adotar a técnica do straddle, onde o atleta cruzava o sarrafo de barriga para baixo. As marcas aumentaram e o americano Charles Dumas foi ouro em Melbourne-1956 com 2,12m. Em Roma-1960, Robert Shavlakadze e Valery Brumel fizeram uma dobradinha soviética, ambos marcando 2,16m, enquanto o americano John Thomas, recordista mundial na época com 2,22m, ficou com o bronze com 2,14m. Brumel levaria o ouro em Tóquio-1964 com 2,18m, mesma marca de Thomas, prata. No ano seguinte, Brumel dominava a prova e fazia um ano perfeito, mas acabou sofrendo um acidente de moto e precisou amputar o pé direito. Ele chegou a competir com uma prótese até 1970.

Ao revolucionar o salto em altura, com uma técnica de salto de costas, Dick Fosbury levou o ouro nos Jogos de 1968, na Cidade do México (World Athletics)

Com a utilização de colchões para amortecer a queda dos atletas, o americano Dick Fosbury criou uma nova técnica de salto, onde ele cruzava o sarrafo de costas. Conhecida depois como Fosbury flop, a técnica deu o ouro para seu criador na Cidade do México-1968 com 2,24m e acabou sendo adotada pela grande maioria dos atletas e é a mais utilizada até hoje. O soviético Jüri Tarmak, ouro em Munique-1972 com 2,23m, seria o último campeão olímpico a utilizar a técnica do straddle.

A prova chegou a um novo nível nos anos 1980, com vitória alemãs. Gerd Wessig, alemão oriental, foi campeão em Moscou-1980 com 2,36m e Dietmar Mögenburg, alemão ocidental, levou em Los Angeles-1984 com 2,35m.

O cubano Javier Sotomayor surgiu no final da década como o grande nome do salto em altura, batendo o recorde mundial com 2,43m aos 20 anos alguns dias antes dos Jogos de Seul-1988, mas o boicote cubano ao lado da Coreia do Norte tirou o principal nome da prova da competição, que foi vencida pelo soviético Hennadiy Avdyeyenko com 2,38m. Já em Barcelona-1992, Sotomayor ficou com o ouro numa final disputadíssima, onde os 5 medalhistas (foram 3 bronzes) passaram em 2,34m e queimaram 2,37m. Como o cubano foi o único a passar 2,34m na 1ª tentativa, ficou com o ouro.

Maior nome da prova na história, o cubano bateu novamente o recorde mundial em 1993 com 2,45m, marca que permanece até hoje. Mas sofreu em Atlanta-1996 com uma lesão no tornozelo e foi 12º na final com 2,25m, onde o ouro ficou com o americano Charles Austin com 2,39m, recorde olímpico até hoje. Sotomayor voltaria em Sydney-2000 encerrando sua carreira olímpica com uma prata, atrás do russo Sergey Kliugin com 2,35m.

Em uma prova perfeita, o canadense Derek Drouin levou o ouro no salto em altura masculino na Rio-2016 (CTV News)

O esguio sueco Stefan Holm levaria o ouro em Atenas-2004 com 2,36m enquanto o russo Andrey Silnov venceria em Pequim-2008 com 2,36m. Seu compatriota Ivan Ukhov fez 2,38m em Londres-2012 para ficar com o ouro, mas a medalha foi retirada em 2019 por doping. O americano Erik Kynard foi prata, mas até hoje seu resultado não foi alterado pro ouro.

Na decisão da Rio-2016, o canadense Derek Drouin fez uma final incrível, passando em todas as alturas de primeira, até vencer com 2,38m e jogando toda a pressão pro qatari Mutaz Essa Barshim, favorito na ocasião e prata com 2,36m.

Medalhistas do salto em altura masculino nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Atenas 1896Ellery ClarkEUABob Garrett
James B. Connolly
USA
USA
Paris 1900Irv BaxterEUAPat LeahyGBRLajos GönczyHUN
St. Louis 1904Sam JonesEUAGarrett ServissEUAPaul WeinsteinGER
Atenas 1906Con LeahyGBRLajos GönczyHUNBert Kerrigan
Themistoklis Diakidis
USA
GRE
Londres 1908Harry PorterEUACon Leahy
István Somodi
Géo André
GBR
HUN
FRA
Estocolmo 1912Alma RichardsEUAHans LiescheGERGeorge HorineEUA
Antuérpia 1920Dick LandonEUAHarold MullerEUABo EkelundSWE
Paris 1924Harold OsbornEUALeroy BrownEUAPierre LewdenFRA
Amsterdã 1928Bob KingEUABen HedgesEUAClaude MénardFRA
Los Angeles 1932Duncan McNaughtonCANBob Van OsdelEUASimeon ToribioPHI
Berlim 1936Corny JohnsonEUADave AlbrittonEUADelos ThurberEUA
Londres 1948Jack WinterAUSBjørn PaulsonNORGeorge StanichEUA
Helsinque 1952Buddy DavisEUAKen WiesnerEUAJosé da ConceiçãoBRA
Melbourne 1956Charlie DumasEUACharles PorterAUSIgor KashkarovURS
Roma 1960Robert ShavlaqadzeURSValery BrumelURSJohn ThomasEUA
Tóquio 1964Valery BrumelURSJohn ThomasEUAJohn ramboEUA
Cidade do México 1968Dick FosburyEUAEd CaruthersEUAValentin GavrilovURS
Munique 1972Jüri TarmakURSStefan JungeGDRDwight StonesEUA
Montreal 1976Jacek WszołaPOLGreg JoyCANDwight StonesEUA
Moscou 1980Gerd WessigGDRJacek WszołaPOLJörg FreimuthGDR
Los Angeles 1984Dietmar MögenburgFRGPatrik SjöbergSWEZhu JianhuaCHN
Seul 1988Gennady AvdeyenkoURSHollis ConwayEUAPatrik Sjöberg
Rudolf Povarnitsyn
SWE
URS
Barcelona 1992Javier SotomayorCUBPatrik SjöbergSWETim Forsyth
Artur Partyka
Hollis Conway
AUS
POL
USA
Atlanta 1996Charles AustinEUAArtur PartykaPOLSteve SmithGBR
Sydney 2000Sergey KlyuginRUSJavier SotomayorCUBAbderrahmane HammadALG
Atenas 2004Stefan HolmSWEMatt HemingwayEUAJaroslav BábaCZE
Pequim 2008Andrey SilnovRUSGermaine MasonGBRYaroslav RybakovRUS
Londres 2012Ivan UkhovRUSErik KynardEUAMutaz Essa Barshim
Derek Drouin
Robbie Grabarz
QAT
CAN
GBR
Rio 2016Derek DrouinCANMutaz Essa BarshimQATBohdan BondarenkoUKR

Quadro de medalhas do salto em altura masculino nos Jogos Olímpicos

PaísOuroPrataBronzeTotal
Estados Unidos1314936
União Soviética4138
Rússia3014
Canadá2114
Grã-Bretanha1326
Suécia1225
Polônia1214
Austrália1113
Alemanha Oriental1113
Cuba1102
Alemanha Ocidental1001
Hungria0213
França0123
Alemanha0112
Catar0112
Noruega0101
Argélia0011
Brasil0011
República Tcheca0011
Grécia0011
China0011
Filipinas0011
Ucrânia0011

A prova

O cubano Javier Sotomayor, ouro em Barcelona-1992, ainda é o recordista mundial do salto em altura masculino (World Athletics)

Salto em altura é uma prova na qual os atletas saltam sem auxílio e com a impulsão de pé de apoio em direção a uma barra horizontal de quatro metros de comprimento apoiada entre duas traves. O objetivo é saltar a maior altura sem derrubar a barra. Todos os competidores tem direito a três tentativas a cada altura colocada, mas tem o direito de ‘passar’ aquela determinada altura e avançar para outra maior sem ultrapassar a menor. Caso não consiga ultrapassar a altura ou combinação de alturas estipuladas em três tentativas, o atleta está eliminado.

Se os competidores acabarem empatados numa determinada altura, vence aquele que levou menos tentativas para chegar até lá. Se mesmo assim continuarem empatados, é feito um salto de desempate, primeiro na última altura não ultrapassada e a partir daí, em alturas subsequentes menores até que alguém ultrapasse; este último método de desempate é muito raro de acontecer, mas ocorreu, por exemplo, na final do Campeonato Mundial de Atletismo de 2015, em Pequim, já que nesta modalidade não é possível haver duas medalhas de ouro