Siga o OTD

Sprint individual masculino

Sprint individual masculino nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Calendário do sprint individual masculino em Tóquio-2020

O Brasil no sprint individual masculino nos Jogos Olímpicos

Sprint individual masculino Anésio Argenton
O brasileiro Anésio Argenton participou de duas Olimpíadas e teve como melhor resultado um 6º lugar em Roma-1960 (Reprodução)

O primeiro brasileiro a competir na prova foi Anésio Argenton, em Melbourne-1956. Na primeira rodada, ele ficou em 3º, mas venceu a primeira rodada da repescagem, mas acabou eliminado na final da repescagem pelo sul-africano Thomas Shardelow, terminando em 9º, mesma colocação que ele ficou na prova de 1 km contrarrelógio.

Quatro anos depois, em Roma-1960, Argenton fez sua melhor Olimpíada. Na primeira rodada do sprint, ele ficou em 2º na sua bateria atrás do belga Leo Sterckx. Na repescagem, venceu o britânico Karl Barton na primeira rodada e ficou em segundo na segunda rodada, atrás de soviético, mas avançando. Nas oitavas, venceu sua bateria, mas foi derrotado nas oitavas por 2-0 para o italiano Sante Gaiardoni, que ficaria com o ouro. Argenton também foi bem no 1 km contrarrelógio terminando em 6º.

Em Los Angeles-1984, Paulo Jamur ficou em 3º na sua bateria da 1ª rodada, mas acabou conseguindo passar pela repescagem. Voltou na 2ª rodada, perdendo para o eventual campeão, o americano Mark Gorski, e parou na 2ª repescagem.

Os favoritos do sprint individual masculino em Tóquio-2020

Bicampeão olímpico, o britânico Jason Kenny busca um inédito tricampeonato da prova aos 33 anos. Ele esteva nas três últimas finais olímpicas, mas não tem repetido os bons resultados nesta prova recentemente. Campeão mundial em 2011 e 2016, Kenny ainda segue como um forte nome do sprint e os britânicos crescem muito nos Jogos.

Mas o favoritismo está mesmo com uma dupla da Holanda. Harrie Lavreysen chegará em Tóquio com apenas 24 anos e um bicampeonato mundial da prova nas costas. O seu país tem dominado as provas de velocidade nos últimos Mundiais e Lavreysen tenta repetir o feito dos britânicos Chris Hoy e Jason Kenny de vencer as três provas de velocidade em uma mesma Olimpíada. Ele já fez isso no Mundial de 2020 após os ouros no sprint individual, por equipes e na Keirin.

Seu compatriota Jeffrey Hoogland também dará trabalho. Ele foi prata nos dois últimos Mundiais perdendo na decisão para Lavreysen, mas tem três títulos europeus na prova, inclusive derrotando Lavreysen na final de 2019, ano que também foi ouro nos Jogos Europeus.

sprint individual masculino
A dupla holandesa Harrie Lavreysen e Jeffrey Hoogland chega bem cotada na prova do sprint em Tóquio (Reprodução)

O russo Denis Dmitriev foi bronze nesta prova no Rio-2016 e campeão mundial em 2017. Tem mais quatro medalhas em Mundiais e três títulos europeus no currículo.

Vale ficar de olho no malaio Azizulhasni Awang. Bronze no Mundial de 2020, Awang tem como especialidade a prova de Keirin, onde foi bronze no Rio-2016 e ainda acumula muitas outras medalhas em mundiais, Jogos Asiáticos e campeonatos continentais.

Outros que brigam por um pódio são o francês Quentin Caleyron, que em 2018 migrou do BMX para o ciclismo de pista, o alemã Stefan Bötticher, campeão mundial em 2013, o polonês Mateusz Rudyk, bronze no Mundial de 2019, o trinitino Nicholas Paul, ouro no Pan de Lima-2019, e o japonês Yudai Nitta.

Histórico do sprint individual masculino nos Jogos Olímpicos

A prova do sprint individual é disputada desde os primórdios dos Jogos, fazendo sua estreia na primeira edição, em Atenas-1896. Forma cinco provas na pista nesta edição, mas o sprint é a única que sobrevive no programa olímpico até hoje. O primeiro campeão foi o francês Paul Masson, que venceu também o contrarrelógio e a prova de 10 km.

Se em 1896 eram apenas quatro competidores, em Paris-1900 foram 69 atletas. O vencedor foi o francês Albert Taillandier.

Após ficar de fora de 1904, a prova voltou em Londres-1908, quando um fato muito inusitado ocorreu. Eram três britânicos e um francês na final. Um dos britânicos teve um pneu furado e abandonou logo no início. Os outros três foram se alternando na liderança e antes da última volta, outro pneu furado tirou outro britânico.

Sobraram Benjamin Jones e o francês Maurice Schilles, que foram pra disputa vencida por Schiller por poucos centímetros. Só que a prova toda durou mais de 1min45s, o tempo limite pelo regulamento e foi cancelada. Para surpresa de todos, os árbitros não liberaram outra largada e a prova ficou sem resultado.

Após a Guerra, a Itália foi a potência da prova nos Jogos. Mario Ghella levou em Londres-1948, Enzo Sacchi em Helsinque-1952, Sante Gaiardoni em Roma-1960 e Giovanni Pettenella venceu em Tóquio-1964. O francês Daniel Morelon se tornou o primeiro bicampeão olímpico da prova vencendo na Cidade do México-1968 e em Munique-1972.

Em Montreal-1976, Morelon vinha novamente como favorito pro tricampeonato e fazia uma Olimpíada excelente, mas na final foi surpreendido pelo checoslovaco Anton Tkac, que venceu a decisão por 2-1. Morelon venceu sete vezes o Mundial competindo na prova de amadores.

O ouro em Moscou-1980 foi para o alemão oriental Lutz Hesslich, campeão mundial amador no ano anterior. Por conta do boicote, ele ficou de fora da edição seguinte, em Los Angeles-1984, quando pela primeira vez o ouro ficou com os Estados Unidos. Numa final americana, Mark Gorski venceu Nelson Vails por 2-0 para ficar com o ouro inédito.

Hesslich tinha vencido mais três vezes o mundial amador quando foi competir em Seul-1988. Ele foi o melhor na qualificação com recorde olímpico de 10.395 e venceu todas as largadas que fez durante a prova para conquistar o bicampeonato olímpico.

Na sequência, foi a vez do alemão Jens Fiedler vencer em Barcelona-1992. Foi apenas no ano seguinte que acabou a divisão entre profissionais e amadores nos Mundiais. Fiedler voltou em Atlanta-1996 para faturar o bicampeonato olímpico.

Em Sydney-2000, a vitória foi do americano Marty Nothstein, que havia ficado com a prata quatro anos antes. Ele dominou a prova desde a quaificação e venceu na decisão o francês Florian Rousseau, tricampeão mundial da prova. O australiano Ryan Bayley foi o campeão em Atenas-2004, onde também venceu a Keirin.

Nos Jogos de Pequim-2008 começou o domínio dos britânicos. Chris Hoy foi o melhor na quali e se tornou o primeiro a baixar dos 10 s em uma Olimpíada, marcando o tempo de 9.815, seguido de seu compatriota Jason Kenny com 9.857. Hoy, que havia vencido o Mundial no mesmo ano cinco meses antes dos Jogos, foi brilhante em Pequim para faturar o ouro, o seu 3º em solo chinês.

Sprint individual masculino Jason Kenny
O britânico Jason Kenny conquistou as duas últimas medalhas de ouro no sprint individual olímpico (Reprodução)

Para Londres-2012, a regra mudou e apenas um de cada país poderia competir no sprint e o escolhido foi Kenny, que baixou mais ainda o recorde olímpico na qualificação com 9.713. Na final, Kenny enfrentou o francês Grégory Baugé, na reedição das finais dos Mundiais de 2011 e 2012, ambos vencidos na pista pelo francês (ele foi depois desclassificado do de 2011 por doping). Mas competindo em casa, Kenny dominou e venceu por 2-0 na decisão.

Na Rio-2016, Kenny novamente baixou o recorde olímpico com 9.551 e conquistou o bicampeonato olímpico com 2-0 na decisão sobre seu compatriota Callum Skinner.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

Medalhistas do sprint individual masculino nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Atenas 1896Paul MassonFRAStamatios NikolopoulosGRELéon FlamengFRA
Paris 1900Albert TaillandierFRAFernand SanzFRAJohn LakeUSA
Atenas 1906Francesco VerriITABert BoufflerGBREugène DebongnieBEL
Londres 1908Victor JohnsonGBRÉmile DemangelFRAKarl NeumerGER
Antuérpia 1920Maurice PeetersNEDThomas JohnsonGBRHarry RyanGBR
Paris 1924Lucien MichardFRAJaap MeijerNEDJean CugnotFRA
Amsterdã 1928Roger BeaufrandFRAAntoine MazairacNEDWilly Falck HansenDEN
Los Angeles 1932Jacques van EgmondNEDLouis ChaillotFRABruno PellizzariITA
Berlim1936Toni MerkensGERArie van VlietNEDLouis ChaillotFRA
Londres1948Mario GhellaITAReg HarrisGBRAxel SchandorffDEN
Helsinque 1952Enzo SacchiITALionel CoxAUSWerner PotzernheimGER
Melbourne1956Michel RousseauFRAGuglielmo PesentiITADick PloogAUS
Roma 1960Sante GaiardoniITALeo SterckxBELValentino GasparellaITA
Tóquio 1964Giovanni PettenellaITASergio BianchettoITADaniel MorelonFRA
Cidade do México 1968Daniel MorelonFRAGiordano TurriniITAPierre TrentinFRA
Munique 1972Daniel MorelonFRAJohn NicholsonAUSOmar Pkhak’adzeURS
Montreal 1976Anton TkáčTCHDaniel MorelonFRAHans-Jürgen GeschkeGDR
Moscou 1980Lutz HeßlichGDRYavé CahardFRASergey KopylovURS
Los Angeles 1984Mark GorskiUSANelson VailsUSATsutomu SakamotoJPN
Seul 1988Lutz HeßlichGDRNikolay KovshURSGary NeiwandAUS
Barcelona 1992Jens FiedlerGERGary NeiwandAUSCurt HarnettCAN
Atlanta 1996Jens FiedlerGERMarty NothsteinUSACurt HarnettCAN
Sydney 2000Marty NothsteinUSAFlorian RousseauFRAJens FiedlerGER
Atenas 2004Ryan BayleyAUSTheo BosNEDRené WolffGER
Pequim 2008Chris HoyGBRJason KennyGBRMickaël BourgainFRA
Londres 2012Jason KennyGBRGrégory BaugéFRAShane PerkinsAUS
Rio 2016Jason KennyGBRCallum SkinnerGBRDenis DmitriyevRUS

Quadro de medalhas do sprint individual masculino nos Jogos Olímpicos

PaísOuroPrataBronzeTotal
França77620
Itália53210
Grã-Bretanha45110
Alemanha3047
Holanda2406
Estados Unidos2215
Alemanha Oriental2013
Austrália1337
Tchecoslováquia1001
União Soviética0123
Bélgica0112
Grécia0101
Canadá0022
Dinamarca0022
Japão0011
Rússia0011