Siga o OTD

Florete masculino

 Florete masculinoJogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Esgrima – Florete masculino

Chances do Brasil

Florete masculino

Guilherme Toldo tem 26 anos

A esperança de medalha do Brasil no florete masculino é Guilherme Toldo. Aos 26 anos, ele terminou 2018 como líder do ranking nacional e segue no topo da lista neste ano. Em 2016, ele teve participação histórica na Olimpíada, terminando entre os oito melhores.

O gaúcho soma ainda três medalhas em Pan-Americanos e vai em busca da quarta: um bronze no florete individual em 2011, e um bronze e uma prata no florete por equipes em 2011 e 2015, respectivamente. E Guilherme vai embalado para Lima, depois de ser prata no Pan-Americano da modalidade, disputado em junho deste ano, no Canadá.

Além dele, o Brasil vai apostar na experiência de Heitor Shimbo. Aos 36 anos, o paulista coleciona medalhas no Florete masculino por equipes e vai em busca de se consagrar também no individual.

Local da competição

Centro de Convenções de Lima

A estrela dos Jogos

Florete masculino

Alexandro Massialas soma dois ouros em Jogos Pan-Americanos

O quadro de medalhas do florete masculino é recheado de bicampeonatos. O primeiro foi o do estadunidense Harold Goldsmith, ainda em 1955 e 1959. Logo na sequência, Guillermo Saucedo, da Argentina, repetiu o feito, assim como fez o cubano Guillermo Betancourt, em 1987 e 1991.

Recentemente, o estadunidense se juntou ao grupo, faturando o ouro em 2011 e 2015. E agora, em 2019, ele tem a chance de se isolar como maior vencedor da prova. Vale destacar também Albert Axelrod, dos EUA, que apesar de nunca ter conquistado um ouro, foi prata quatro vezes consecutivas (1955, 1959, 1963 e 1967).

Nossos pódiosFlorete masculino

O Brasil demorou 15 edições para conseguir subir ao pódio Pan-Americano no florete masculino. Mas uma vez que o fez, não saiu mais. A primeira medalha foi o bronze de João Souza em 2007. Na sequência, mais dois terceiros lugares: Guilherme Toldo, em 2011, e Ghislain Perrier, em 2015.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1951 Félix Galimi
Argentina
José Rodríguez
Argentina
Nathaniel Lubell
EUA
1955 Harold Goldsmith
EUA
Albert Axelrod
EUA
Fulvio Galimi
Argentina
1959 Harold Goldsmith
EUA
Albert Axelrod
EUA
Joseph Paletta Jr.
EUA
1963 Guillermo Saucedo
Argentina
Albert Axelrod
EUA
Herbert Cohen
EUA
1967 Guillermo Saucedo
Argentina
Albert Axelrod
EUA
Orlando Nannini
Argentina
1971 Eduardo Jhons
Cuba
Jesús Gil
Cuba
Uriah Jones
EUA
1975 Martin Lang
EUA
Eduardo Jhons
Cuba
Enrique Salvat
Cuba
1979 Heriberto González
Cuba
Fernando Lupiz
Argentina
John Nonna
EUA
1983 Efigenio Favier
Cuba
José Rafael Magallanes
Venezuela
Greg Massialas
EUA
1987 Guillermo Betancourt
Cuba
Tulio Díaz
Cuba
Michael Marx
EUA
1991 Guillermo Betancourt
Cuba
Elvis Gregory
Cuba
Nick Bravin
EUA
1995 Elvis Gregory
Cuba
Rolando Tucker
Cuba
Eric Bravin
EUA
1999 Rolando Tucker
Cuba
Elvis Gregory
Cuba
Zaddick Longenbach
EUA
Carlos Rodríguez
Venezuela
2003 Dan Kellner
EUA
Jonathan Tiomkin
EUA
Raúl Perojo
Cuba
Reinier Suárez
Cuba
2007 Andras Horanyi
EUA
Felipe Alvear
Chile
Carlos Rodríguez
Venezuela
João Souza
Brasil
2011 Alexander Massialas
EUA
Felipe Alvear
Chile
Antonio Leal
Venezuela
Guilherme Toldo
Brasil
2015 Alexander Massialas
EUA
Gerek Meinhardt
EUA
Ghislain Perrier
Brasil
Daniel Gómez
 México

Quadro de medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  EUA 7 6 10 23
2  Cuba 7 6 3 16
3  Argentina 3 3 2 8
4  Chile 0 2 0 2
5  Venezuela 0 1 3 4
6  Brasil 0 0 3 3
7  México 0 0 1 1

A provaFlorete masculino

A esgrima consiste no combate entre atletas, que se utilizam de uma “arma-branca” para atacar e defender. É, porém, a o único esporte de combate em que não é permitido contato corporal.

Os combates são realizados em uma pista de 14 metros de comprimento e 1,5 a 2 metros de largura, sendo que os esgrimistas são posicionados a uma distância de dois metros um do outro.

O objetivo é tocar o adversário com a ponta da arma sem ser tocado e os pontos são definidos por meio de um sensor, que identifica quando um esgrimista foi tocado em sua superfície válida.

O florete é um pouco menor e mais leve do que a espada, medindo 90 centímetros e pesando 500 gramas. E os pontos são marcados quando a ponta acerta a virilha ou o tronco do adversário.

As disputas individuais têm três rounds de três minutos cada ou até um esgrimista tocar 15 vezes o adversário.