Siga o OTD

Cavalo com alças

Cavalo com alçasJogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Ginástica Artística – Cavalo com alças

Chances do Brasil

Cavalo com alças

Francisco Barreto é um dos nomes mais forte do Brasil no Cavalo com alças

Para a prova de Cavalo com alças, o Brasil pode apostas em dois nomes: Francisco Barreto e Caio Souza. Apesar de ter pouca tradição do país no aparelho, os dois atletas vêm evoluindo bastante nos últimos anos e podem surpreender em Lima.

Chico, como é chamado, vem embalado pelo ouro justamente nesta prova nos Jogos Sul-Americanos da modalidade em 2018, e Caio pela medalha de prata no Pan de Ginástica artística em 2017.

Local da competição

Polideportivo Villa El Salvador

A estrela dos Jogos

Cuba é o país com mais medalhas de ouro Cavalo com alças, somando nove contra seis dos Estados Unidos. E um atleta merece destaque: o craque Eric López, único a ter sido tricampeão da prova: 1995, 1999 e 2003.  Vale destacar ainda as duas sequências de reinado absoluto dos cubanos: de 1971 a 1983 e 1991 a 2003.

Nossos pódiosCavalo com alças

Ao longo das 17 edições dos Jogos Pan-Americanos me que a ginástica esteve presente, o Brasil subiu ao pódio do Cavalo com alças apenas em uma oportunidade: em 2003, com Mosiah Rodrigues, que ficou com a medalha de bronze.

Medalhistas

<

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1951 Rafael Lecuona
Cuba
William Roetzheim
EUA
O. Ferrari
Argentina
1955 John Beckner
EUA
Rafael Lecuona
Cuba
Joseph Kotys
EUA
1959 Gregor Weiss
EUA
Richard Montpetit
Canadá
Não premiado John Beckner
EUA
Garland O’Quinn
EUA
1963 Garland O’Quinn
EUA
Wilhelm Weiler
Canadá
Richard Montpetit
Canadá
1967 Mark Cohn
EUA
Richard Loyd
EUA
David Thor
EUA
1971 Jorge Rodríguez
Cuba
John Crosby
EUA
John Ellas
EUA
1975 Roberto Richard
Cuba
Kurt Thomas
EUA
Gene Whelan
EUA
1979 Roberto Richard
Cuba
Enrique Bravo
Cuba
Jean Choquette
Canadá
1983 Luis Amador
Cuba
Brian Babcock
EUA
Israel Sánchez
Cuba
1987 Tim Daggett
EUA
Scott Johnson
EUA
Félix Aguilera
Cuba
Mario Gonzales
 Porto Rico
Tony Piñeda
 México
1991 José Tejada
Cuba
Félix Aguilera
Cuba
Dominick Minicucci
EUA
1995 Eric López
Cuba
Mihai Bagiu
EUA
Richard Ikeda
Canadá
1999 Eric López
Cuba
Carycel Briceno
Venezuela
Jorge Giraldo
Colômbia Colômbia
2003 Eric López
Cuba
Luis Vargas
 Porto Rico
Mosiah Rodrigues
Brasil
Clayton Strother
EUA
2007 Luis Rivera
 Porto Rico
José Luis Fuentes
Venezuela
Alexander Rodriguez Colon
 Porto Rico
2011 Daniel Corral
 México
Jorge Hugo Giraldo
Colômbia Colômbia
Jorge Pena
Colômbia Colômbia
2015 Marvin Kimble
EUA
Jossimar Calvo
Colômbia Colômbia
Não premiado Daniel Corral
 México

Quadro de Medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  Cuba 9 3 2 14
2  EUA 6 7 8 21
3  Canadá 1 1 3 5
4  Porto Rico 1 1 2 4
5  Colômbia 1 1 1 3
6  México 1 0 2 3
7  Venezuela 0 2 0 2
8 Argentina 0 0 1 1
Brasil 0 0 1 1

A provaCavalo com alças

Nesta prova, é usado um “cavalo” com formato semelhante a um prisma, sendo mais estreito na parte inferior e montado horizontalmente sobre uma base. O cavalo em si tem 1,60 metros de comprimento e 35 centímetros de altura, ficando a 1,15 metros de altura do chão. Sobre ele, há duas alças de metal, possuem 12 cm de altura e estão a uma distância ajustável entre 40 e 45 cm.

Os movimentos são essencialmente de rotações, com apoios usando a força dos braços e trabalho de pernas. O ginasta percorre toda a extensão do aparelho ao mesmo tempo em que balanças as duas pernas ou apenas uma – a chamada tesoura. Durante toda a apresentação, somente as mãos podem tocar o aparelho.

A conclusão da série é geralmente feita com uma parada de mãos, seguida por um salto simples: carpado, grupado ou esticado.

Para não haver descontos graves, o ginasta deve manter a postura das pernas, não se desgarrar do aparelho, fazer parada de mãos pelo impulso e não pela força, e realizar exercícios com as pernas afastadas e juntas (os volteios), giros, parada de mãos, percorrer toda extensão do aparelho e executar elementos mistos e cravar a saída.

Primeiramente, é disputada uma fase classificatória e os oito atletas que obtiverem as maiores notas vão para a final

AGENDA DO DIA

set 18 00:30 Copa do Mundo de vôlei feminino Rússia Coreia do Sul set 18 02:00 Mundial de Wrestling Feminino – 57kg – Eliminatórias Giulia Penalber (BRA) set 18 02:00 Mundial de Wrestling Feminino – 76kg – Eliminatórias Aline Silva (BRA) set 18 02:00 Copa do Mundo de vôlei feminino Estados Unidos Holanda set 18 03:00 Copa do Mundo de vôlei feminino China República Dominicana set 18 05:16 Mundial de Ginástica Rítmica Qualificação – Fita Bárbara Domingos set 18 05:22 Mundial de Ginástica Rítmica Qualificação – Fita Natália Gaudio set 18 06:00 Copa do Mundo de vôlei feminino Quênia Brasil set 18 07:00 Mundial de Boxe Hebert Sousa (BRA) A definir set 18 07:00 Mundial de Boxe A definir Wanderson Oliveira (BRA) set 18 07:20 Copa do Mundo de vôlei feminino Camarões Japão set 18 07:45 Mundial de Wrestling Feminino – 76kg – Semifinais set 18 07:45 Mundial de Wrestling Feminino – 57kg – Semifinais set 18 09:00 Mundial de Wrestling Feminino – 50kg – Finais set 18 15:00 Brasileiro Sub-20 de futebol Cruzeiro Internacional set 18 15:00 Brasileiro Sub-20 de futebol Coritiba Vasco set 18 15:00 Brasileiro Sub-20 de futebol Santos Grêmio set 18 15:00 Brasileiro Sub-20 de futebol Botafogo Chapecoense set 18 15:00 Brasileiro Sub-20 de futebol Corinthians Athletico set 18 15:00 Copa do Brasil Sub-17 - Semifinal Fluminense Palmeiras set 18 16:00 Copa do Brasil Sub-17 - Semifinal Vasco São Paulo set 18 19:00 Paulista de Futebol Feminino - Semifinal Ferroviária Corinthians set 18 19:30 Campeonato Paulista de basquete masculino - Oitavas de final Paulistano Liga Sorocabana set 18 20:00 Campeonato Paulista de basquete masculino - Oitavas de final Pinheiros Rio Claro set 18 23:00 Copa do Mundo de vôlei feminino Holanda Sérvia