Siga o OTD
teste

Salto com vara masculino

Salto com vara masculino – Atletismo – Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Recordes do salto com vara masculino

Recorde Mundial: 6,18 m (i) – Armand Duplantis (SWE) – Glasgow (GBR) – 15/02/2020

Recorde Olímpico: 6,03 m – Thiago Braz (BRA) – Rio de Janeiro (BRA) – 15/08/2016

Chances do Brasil no salto com vara masculino

Thiago Braz - Etapa de Estocolmo da Liga Diamante - Liga Diamante - Salto com Vara Atletismo Thiago Braz Tóquio Augusto Dutra Alison dos Santos Marcio Teles
Thiago Braz, apesar da irregularidade neste ciclo olímpico, está entre os candidatos a brigar por medalha no salto com vara masculino em Tóquio (Wagner do Carmo/CBAt)

Desde a medalha de ouro nos Jogos Rio-2016, Thiago Braz tem mais falhado que acertado os seus saltos. Ele não competiu no Mundial de Londres-2017 e em Doha-2019 terminou em 5º, apesar da baixa marca de 5,70m. Apesar da grande irregularidade, Braz tem salto para brigar novamente por uma medalha em Tóquio. Augusto Dutra também pegou final no Mundial de 2019 e já tem o índice olímpico, mas as chances de brigar por uma medalha são mais remotas.

O Brasil no salto com vara masculino dos Jogos Olímpicos

O primeiro brasileiro a competir no salto com vara em uma Olimpíada foi Eurico de Freitas, em Paris-1924. Ele obteve a marca de 3,40m na qualificação, ficando em 11º, não avançando para a final. Dois brasileiros competiram na prova em Los Angeles-1932. Com apenas oito atletas na prova, Lúcio de Castro foi 6º com 3,90m e Carlos Nelli ficou sem marca, queimando as três chances em 3,75m. Em Helsinque-1952, Hélcio da Silva ficou em 25º na qualificação com 3,60m não avançando à final.

Após um longo hiato, o Brasil voltou a competir na prova em Los Angeles-1984 com Tom Hintnaus, que fez 5,35m na qualificação, avançando para a final em 8º. Na decisão, queimou as três em 5,40m e ficou sem marca.

Fábio Gomes da Silva colocaria novamente o Brasil na prova em Pequim-2008, mas com apenas 5,45m, ele terminou em 25º no geral na qualificação, fora da decisão. Ele voltaria a competir em Londres-2012, mas queimou as três tentativas em 5,50m e ficou sem marca na quali.

No Rio-2016, dois brasileiros competiram: Augusto Dutra, 22º na quali com 5,45m e fora da final, e Thiago Braz. Braz tinha sido campeão mundial júnior em 2012 e prata nos Jogos Olímpicos da Juventude de Cingapura-2010. Mas como adulto, seus resultados não eram os esperados. Após o 4º lugar no Mundial Indoor de 2014, ele obteve uma sequência de falhas, como quando ficou sem marca no Pan de 2015, não pegou final no Mundial de Pequim-2015 e foi apenas 12º no Mundial indoor de 2016. E ele não ficava mais entre os cotados a uma medalha.

Thiago Braz salto com vara
Thiago Braz em ação na histórica final do salto com vara masculino na Rio-2016, quando ficou com a medalha de ouro (Crédito: Wander Roberto/Exemplus/COB)

Braz quase queimou as três tentativas na quali em 5,45m, mas eventualmente passou no 5,70m para ir à final. Na decisão, o francês Renaud Lavillenie brilhava passando em todas as alturas de primeira, enquanto o brasileiro queimava alguns saltos. Em 5,93m, Lavillenie novamente passou de primeira enquanto Braz precisou de duas tentativas. No 5,98m, o francês foi mais uma vez de primeira, forçando o brasileiro a não saltar e ir direto para um até então inimaginável 6,03m. Com a prata já garantida, ele foi para o tudo ou nada e passou na altura na segunda tentativa. Lavillenie queimou duas e foi obrigado a subir o sarrafo para 6,08m. Irritado com a torcida brasileira que fazia muito barulho e soltava algumas vaias, o francês queimou e o ouro foi para o brasileiro.

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para os Jogos

Favoritos no salto com vara masculino nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

O sueco Armand Duplantis, maior favorito ao ouro em Tóquio, comemora a quebra do recorde mundial do salto com vara (Crédito: World Athletic)

O favoritismo da prova hoje é todo do sueco Armand Duplantis. Nascido e criado nos Estados Unidos, mas filho de mãe sueca, Duplantis teve uma ascensão rápida na modalidade, se tornando campeão europeu adulto em 2018 aos 18 anos com uma marca espetacular de 6,05m, recorde mundial sub20. No mesmo ano foi campeão mundial sub 20, mas acabou ficando com a prata no Mundial de Doha-2019, perdendo nos critérios de desempate para o americano Sam Kendricks. Em compensação, o sueco faz uma temporada de 2020 invejável, mesmo sendo interrompida pela pandemia. No início do ano, bateu duas vezes o recorde mundial da prova com 6,17m e 6,18m, ambos em provas indoor e voltou para a temporada outdoor em grande forma vencendo 11 provas, incluindo um histórico 6,15m em setembro em Roma, onde bateu a melhor marca outdoor da história.

Único a também passar dos 6m em 2020, Kendricks é o grande rival de Duplantis. Chegou no Rio-2016 sem ser muito conhecido e foi bronze. Tornou-se campeão mundial em 2017, ano que venceu todas as 17 provas que disputou, e em 2019 repetiu o feito batendo Duplantis. Extremamente regular e presença constante em pódios, deve ser o grande rival do sueco.

O francês Renaud Lavillenie, prata na Rio-2016, deverá fazer sua despedida em Olimpíadas nos Jogos de Tóquio (Reprodução/Twitter)

O francês Renaud Lavillenie não foi bem no Mundial de 2019, sequer passando à final. Fará sua despedida olímpica em Tóquio e pode sim brigar por medalha. Dois poloneses também entram na briga: Piotr Lisek, que foi bronze no Mundial de 2019, e Pawel Wojciechowski, campeão mundial em 2011.

Apesar da irregularidade, o brasileiro Thiago Braz é uma incógnita. Pelo histórico dos últimos Mundiais, ele poderia desde ficar sem marca na qualificação como brigar por medalha na final.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Histórico do salto com vara masculino nos Jogos Olímpicos

Baseado nas práticas de atravessar obstáculos naturais, como rios, o salto com vara como nós conhecemos começou a ser praticado por volta de 1850, mas há registros de competições desde 1826.

Prova muito tradicional, está presente nos Jogos desde a sua primeira edição em Atenas-1896, quando americano William Hoyt venceu com 3,30m. No início, as varas eram rígidas, feitas principalmente de bambu ou alumínio e não se usavam colchões para amortecer as quedas.

Neste início de competições, o salto com vara foi completamente dominado pelos Estados Unidos, que venceram de Atenas-1896 a Cidade do México-1968, 16 edições seguidas. Nos Jogos de Londres-1908 tivemos o único empate pro ouro registrado até hoje, quando os americanos Edward Cook e Alfred Carlton Gilbert empataram com 3,71m. Nos Jogos seguintes, em Estocolmo-1912, tivemos a realização de uma qualificação pela primeira vez e Harry Babcock venceu com 3,95m. Marc Wright, o primeiro a passar dos 4m (4,02m em um mês antes dos Jogos) ficou com a prata com 3,95m.

Após a 1ª Guerra Mundial, o americano Frank Foss se tornou o primeiro a ultrapassar a marca de 4m em uma Olimpíada, vencendo em Antuérpia-1920 com 4,09m, recorde mundial para a época. O domínio americano seguiu com dois pódios completos, em Paris-1924 e Amsterdã-1928.

As vitórias americanas seguiram após a 2ª Guerra Mundial e Bob Richards se tornou o primeiro e até hoje único bicampeão olímpico da prova. Ele venceu em Helsinque-1952 com 4,55m e em Melbourne-1956 com 4,56m, ambas marcas recordes olímpicos.

Nesta época, os atletas começaram a usar varas de compostos de fibra de vidro e fibra de carbono, que davam elasticidades às varas e as alturas começaram a subir rapidamente. Entre 1960 e 1964, o recorde mundial foi batido 11 vezes por oito atletas diferentes. Don Bragg venceu em Roma-1960 com 4,70m. Na edição seguinte, esta altura daria apenas o 10º lugar enquanto Fred Hansen venceria com 5,10m.

Na Cidade do México-1968, uma final emocionante com o americano Bob Seagren, o alemão oriental Claus Schiprowski e o alemão ocidental Wolfgang Nordwig empatando em 5,40m, mas Seagren foi ouro pelo critérios de desempate.

O ucraniano Serguei Bubka bateu o recorde mundial do salto com vara masculino 17 vezes e foi medalha de ouro na Olimpíada de Seul-1988 (Reprodução)

Quatro anos depois, em Munique-1972, Nordwig entraria pra história por ser o primeiro a quebrar a sequência de vitórias dos Estados Unidos, levando o ouro com 5,50m, seguido de Seagren. Dois poloneses venceram em seguida: Tadeusz Slusarski, que tinha ficado sem marca na final de 1972, levou em Montreal-1976, e Wladyslaw Kozakiewicz venceu em Moscou-1980 com 5,78m, recorde mundial, o primeiro em uma Olimpíada desde 1920.

Em 1984, um jovem soviético de 20 anos chamado Sergei Bubka quebrava o recorde mundial com 5,85m, mas, por conta do boicote soviético, ele ficaria de fora dos Jogos de Los Angeles-1984, vencidos pelo francês Pierre Quinon. Bubka quebraria o recorde mais três vezes naquele ano e em outras cinco oportunidades antes de finalmente fazer sua estreia olímpica em Seul-1988.

Com dois ouros em Mundiais, Bubka levou o ouro com 5,90m, liderando um pódio todo soviético. Quatro anos depois, com o terceiro título mundial no currículo, parecia que viria mais um ouro. Ele só precisou de um salto na qualificação em 5,60m, mas na final queimou duas em 5,70m e foi para o desespero em 5,75m, queimando e ficando sem marca na final. Maksim Tarasov, que também competia pela Comunidade dos Estados Independentes, ficou com o ouro com 5,80m.

Bubka bateu pela 17ª vez o recorde mundial em 2014 com 6,14m e ainda era o favorito para Atlanta-1996, mas uma lesão no tornozelo tirou o então pentacampeão mundial dos Jogos e ele nem competiu na quali. Sem o favorito, a prova estava aberta e três atletas conseguiram 5,92m, mas o francês Jean Galfione se deu melhor pelos critérios de desempate e ficou com o ouro.

Um americano voltaria ao topo da prova em Sydney-2000 com Nick Hysong, numa final onde quatro fizeram 5,90m, mas Hysong foi o único a passar de primeira. Timothy Mack daria mais um ouro pros Estados Unidos vencendo em Atenas-2004 com 5,95m.

A prova seguiu sem um grande nome e os títulos a cada ano ficavam com um atleta diferente. Em Pequim-2008, o australiano Steven Hooker sagrou-se campeão numa prova muito “suja”, onde precisou de três saltos nas quatro últimas alturas. Ainda assim, ele foi o único a passar em 5,96m para vencer.

O francês Renaud Lavillenie surgia como o novo nome da prova, apesar de nunca ter vencido um título mundial em pista aberta. Ele vencera quase todas as provas que disputara no ciclo olímpico e a coroação da grande fase veio em Londres-2012, onde levou com 5,97m.

Thiago Braz, ouro no salto com vara na Rio-2016
Com direito a recorde olímpico, Thiago Braz ganhou a medalha de ouro no salto com vara na Rio-2016 (Crédito: Alexandre Loureiro/Exemplus/COB)

O francês ainda era o nome a ser batido no Rio-2016, mas ele não esperava por um duelo inesquecível com o brasileiro Thiago Braz, que fazia a prova da vida em casa. Numa prova emocionante, que acabaria bem tarde numa segunda-feira já num estádio relativamente vazio, Braz fez um salto espetacular em 6,03m para bater o recorde olímpico e faturar um ouro inédito e inesperado pro Brasil.

Medalhistas do salto com vara masculino nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Atenas 1896Bill HoytEUAAlbert TylerEUAEvangelos Damaskos
Ioannis Theodoropoulos
GRE
GRE
Paris 1900Irv BaxterEUAMeredith ColketEUACarl Albert AndersenNOR
St. Louis 1904Charles DvorakEUALeRoy SamseEUALou WilkinsEUA
Atenas 1906Fernand GonderFRABruno SöderströmSWEEd GloverEUA
Londres 1908AC Gilbert
Ed Cook
USA
USA
Clare Jacobs
Bruno Söderström
Ed Archibald
USA
SWE
CAN
Estocolmo 1912Harry BabcockEUAFrank Nelson
Marc Wright
USA
USA
William Halpenny
Bertil Uggla
Frank Murphy
CAN
SUA
EUA
Antuérpia 1920Frank FossEUAHenry PetersenDENEd MyersEUA
Paris 1924Lee BarnesEUAGlenn GrahamEUAJim BrookerEUA
Amsterdã 1928Sabin CarrEUABill DroegemuellerEUACharles McGinnisEUA
Los Angeles 1932Bill MillerEUAShuhei NishidaJPNGeorge JeffersonEUA
Berlim 1936Earle MeadowsEUAShuhei NishidaJPNSueo OeJPN
Londres 1948Guinn SmithEUAErkki KatajaFINBob RichardsEUA
Helsinque 1952Bob RichardsEUADon LazEUARagnar LundbergSWE
Melbourne 1956Bob RichardsEUABob GutowskiEUAGeorgios RoubanisGRE
Roma 1960Don BraggEUARon MorrisEUAEeles LandströmFIN
Tóquio 1964Fred HansenEUAWolfgang ReinhardtGERKlaus LehnertzGER
Cidade do México 1968Bob SeagrenEUAClaus SchiprowskiFRGWolfgang NordwigGDR
Munique 1972Wolfgang NordwigGDRBob SeagrenEUAJan JohnsonEUA
Montreal 1976Tadeusz ŚlusarskiPOLAntti KalliomäkiFINDave RobertsEUA
Moscou 1980Władysław KozakiewiczPOLTadeusz Ślusarski
Konstantin Volkov
POL
URS
Los Angeles 1984Pierre QuinonFRAMike TullyEUAThierry Vigneron
Earl Bell
FRA
USA
Seul 1988Sergey BubkaURSRodion GataullinURSGrigory YegorovURS
Barcelona 1992Maksim TarasovEUNIgor TrandenkovEUNJavier GarcíaESP
Atlanta 1996Jean GalfioneFRAIgor TrandenkovRUSAndrej TiwontschikGER
Sydney 2000Nick HysongEUALawrence JohnsonEUAMaksim TarasovRUS
Atenas 2004Tim MackEUAToby StevensonEUAGiuseppe GibiliscoITA
Pequim 2008Steve HookerAUSYevgeny LukyanenkoRUSDerek MilesEUA
Londres 2012Renaud LavillenieFRABjörn OttoGERRaphael HolzdeppeGER
Rio 2016Thiago BrazBRARenaud LavillenieFRASam KendricksEUA

Quadro de medalhas do salto com vara masculino nos Jogos Olímpicos

PaísOuroPrataBronzeTotal
Estados Unidos19141447
França4116
Polônia2103
União Soviética1214
Equipe Unificada1102
Alemanha Oriental1012
Austrália1001
Brasil1001
Alemanha0235
Finlândia0213
Japão0213
Rússia0213
Suécia0134
Dinamarca0101
Alemanha Ocidental0101
Grécia0033
Canadá0022
Itália0011
Noruega0011
Espanha0011

A prova

(Divulgação)

Salto com vara é um evento do atletismo onde os competidores usam uma vara longa e flexível para alcançar maior altura e passar por cima de uma barra ou sarrafo. Competições com varas já eram conhecidas na Grécia Antiga, entre os cretenses e os celtas. Foi introduzido como modalidade olímpica desde os primeiros Jogos em Atenas 1896 para os homens e desde Sydney 2000 para as mulheres.

É uma modalidade classificada como um das quatro principais provas de salto no atletismo, junto com o salto em altura, salto em distância e o salto triplo. Sua originalidade está no fato de ser um esporte que requer uma significativa quantidade de equipamento especializado para ser praticado, tornando-o mais caro que os demais, mesmo em nível básico. Vários saltadores de sucesso na prova tem uma base na ginástica, caso da russa Yelena Isinbayeva e da brasileira Fabiana Murer, o que reflete os atributos físicos similares necessários para os dois esportes.

A pista de corrida para o salto deve medir no mínimo 45 metros e ao fim dela se encontra o obstáculo, uma barra horizontal de 4,5 m de comprimento, 2,260 kg de peso máximo, sustentada por duas traves laterais que a elevam e apoiam à determinada altura. Exatamente ao fim da pista, ao nível do solo e à frente do obstáculo, existe centrada uma caixa de metal ou madeira, com 1 m de comprimento, 60 cm de largura no início e 15 cm junto ao obstáculo. É nela que o saltador apoia a vara para conseguir a impulsão, realizar o salto e ultrapassar o sarrafo.

O atleta tem três tentativas para saltar a marca, mas pode se recusar saltar determinada altura preferindo esperar por outra maior. Não conseguindo passar a altura depois de três tentativas na mesma altura ou alturas combinadas, é eliminado. Caso empatem na mesma altura final, o desempate é feito pelo número menor de tentativas para superar a altura imediatamente anterior. Caso continue empatado, é analisado o menor número de tentativas em toda a disputa; ainda um empate, a prova então tem um ou mais saltos de desempate até surgir o vencedor