Siga o OTD

100m livre masculino

100m livre masculino – Natação – Jogos Olímpicos Tóquio 2020 

 

Recordes dos 100m livre masculino

Recorde mundial: 46s91 – César Cielo (BRA) – Roma (ITA) – 30/07/2009
Recorde olímpico: 47s05 – Eamon Sullivan (AUS) – Pequim (CHN) – 13/08/2008
Recorde Brasileiro: – 46s91 – César Cielo – Roma (ITA) – 30/07/2009

Chances do Brasil nos 100m livre masculino nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Pedro Spajari será um dos representantes do Brasil nos 100m livre em Tóquio (Divulgação COB)

Na Olimpíada de Tóquio, o Brasil será representado por Pedro Spajari e Gabriel Santos, que venceram a seletiva nacional na frente de Marcelo Chierighini e Breno Souza, que completam o fortíssimo revezamento brasileiro 4 x 100m.

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para os Jogos

O Brasil nos 100m livre masculino dos Jogos Olímpicos

Os 100m livre masculino é a prova da natação que mais trouxe medalhas ao Brasil, quatro no total. A primeira delas veio com Manoel dos Santos, bronze em Roma-1960, atrás apenas do australiano John Devitt (ouro) e do americano Lance Larson (prata). Manoel fez história para o Brasil, se tornando um ano depois o primeiro brasileiro recordista mundial da natação, com a marca de 53s60, feitas em setembro de 1961 no Rio de Janeiro.

Gustavo Borges conquistou dois pódios olímpicos na prova, sendo o brasileiro com o maior sucesso na distância em Jogos Olímpicos. A primeira medalha veio com bastante polêmica, em Barcelona-1992. O placar eletrônico da raia onde o brasileiro estava não funcionou e não registrou o toque do atleta na chegada. Foi necessária intervenção da delegação brasileira para corrigir o erro, afinal era notório que o brasileiro havia finalizado a disputa em segundo. No final, prata para o atleta do Brasil, atrás apenas de Alexander Popov com 49s02.

Gustavo Borges conquistou duas medalhas olímpicas nos 100m livre (Reprodução)

Quatro anos depois, em Atlanta-1996, uma nova medalha para Borges, de bronze, atrás apenas de Popov, que foi ouro novamente, e o americano Garry Hall Jr, que levou a prata. Nesta mesma final estava Fernando Scherer, o Xuxa, que ficou em quinto lugar.

A outra medalha brasileira veio com César Cielo, em Pequim-2008. O surpreendente bronze de Cielo, nadando na raia 8 e quebrando o recorde sul-americano da prova na ocasião (47s67) foi o impulso para os outros grandes feitos da carreira, como o ouro dos 50m livre dias depois e os recordes e títulos mundiais de ambas as provas no ano seguinte.

Os primeiros brasileiros que disputaram a prova em Jogos Olímpicos foram Orlando Amêndola e Angêlo Gamarro, na Antuérpia-1920, quando não passaram das eliminatórias. Na ocasião, ambos fizeram parte também da equipe nacional de polo aquático.

Não houve participação olímpica brasileira na prova até Los Angeles-1932, quando Manoel Villar e João Pereira parando nas eliminatórias. Aram Boghossian, em Londres-1948, foi o primeiro brasileiro a avançar de fase, chegando às semifinais e terminando em 15º.

Nos Jogos de Pequim-2008, Cesar Cielo levou o bronze nos 100m livre (Crédito: Satiro Sodré/SSPress/CBDA)

Após Boghossian, o Brasil voltou a avançar de fase com José Aranha em Munique-1972, que terminou o evento em nono lugar. Além deles, Jorge Fernandes também foi semifinalista da prova, terminando em 16º em Moscou-1980 Outro brasileiro a chegar à final da prova foi Marcelo Chierighini, nos Jogos Rio-2016, onde terminou em oitavo lugar.

Favoritos do 100m livre masculino nos Jogos de Tóquio-2020

Campeão mundial em Gwangju-2019, o americano Caeleb Dressel desponta como grande favorito ao ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. Dressel venceu o torneio com 46s96, quebrando a barreira dos 47 segundos, o primeiro homem desde 2009 a realizar tal feito. É fortíssimo candidato não só ao ouro, bem como a quebrar o recorde mundial do brasileiro César Cielo (46s91).

O australiano Kyle Chalmers, atual campeão olímpico, é o principal adversário do americano. Chalmers foi medalhista de prata no Mundial de 2019. O ciclo entre os Jogos do Rio e os de Tóquio foi difícil para o campeão olímpico, que sofre de taquicardia supraventricular, um problema que acelera o ritmo dos batimentos cardíacos, levando-o a fazer uma cirurgia em 2017.

Atrás dos dois, vem Ryan Held, dos Estados Unidos, o terceiro colocado do ranking mundial de 2019. Outros fortes nomes que podem representar os Estados Unidos nesta prova são Blake Pieroni e Zach Apple

caeleb dressel isl
O americano Caeleb Dressel é o principal favorito para ficar com o ouro nos 100m livre (Mike Lewis/ISL)

Vladislav Grinev, da Rússia, foi o medalhista de bronze no Mundial de 2019 e lidera a equipe de velocistas do país. É bom ficar de olho também em Vladmir Morovoz, Kliment Kolesnikov e Andrey Minakov.

O bolo de atletas que podem brigar pelas medalhas inclui Pedro Spajari do Brasil,e, Alessandro Miressi, da Itália, Nándor Németh, da Hungria, Clément Mignon e Mehdy Metella, que lideram a esquadra francesa e Gabriel Santos, outro fortíssimo atleta brasileiro.

É sempre bom também mencionar outros australianos, com destaque para Clyde Lewis, Alexander Graham e Cameron McEvoy, que se voltar a sua melhor forma briga pelo título olímpico.

Histórico dos 100m livre masculino nos Jogos Olímpicos

Prova mais nobre da natação, como é conhecida pelos atletas, os 100m livre são disputados nos Jogos Olímpicos desde a primeira edição, em Atenas-1896. O primeiro campeão olímpico da prova foi Alfred Hajós da Hungria, que venceu também a extinta disputa dos 1200 m livre. Naquela época, onde ninguém sonhava com as modernas piscinas atuais, as disputas das competições da natação olímpica aconteceram em pleno mar com uma média de temperatura da água de 13 °C. Naquela oportunidade todas as provas de natação foram disputadas no mesmo dia.

Os Estados Unidos, com 13 ouros, são os maiores campeões da prova ao longo da história olímpica. Desses, dois vieram com Duke Kahanamoku, o primeiro bicampeão olímpico da história da natação, em Estocolmo-1912 e na Antuérpia-1920. Kohanamoku, havaiano, é considerado o “pai do surfe moderno”, por ter se aproveitado de sua fama graças a natação e a usado para a divulgação da modalidade, que estará nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

Johnny Weissmuller (no centro) foi bicampeão olímpico nos 100m livre e depois tornou-se astro do cinema (Reprodução)

Outro americano bicampeão olímpico foi Johnny Weissmuller, vencendo o ouro em Paris-1924 e Amsterdã-1928. Apesar de bicampeão olímpico, Weissmuller ficou internacionalmente conhecido por sua carreira no cinema, onde interpretou o personagem “Tarzan” em doze filmes entre 1932 e 1948.

Outros americanos que estão entre os grandes nomes históricos da prova são Mark Spitz, Jim Montgomery, Rowdy Gaines e Matt Biondi. Spitz foi, até o surgimento de Michael Phelps, o maior vencedor de medalhas de ouro em uma mesma edição na história olímpica, ao ter conquistado sete medalhas douradas em Munique-1972, uma delas nos 100 m livre.

Jim Montgomey  venceu o evento em Montreal-1976, com 49s99, o primeiro de todos os tempos a nadar a distância em menos de 50 segundos. Rowdy Gaines  foi campeão olímpico em Los Angeles-1984, se aproveitando da ausência do então campeão olímpico e mundial Jörg Woithe ,da Alemanha Oriental, que boicotou a edição olímpica disputada em solo americano.

Matt Biondi, que se tornou o primeiro atleta da história a quebrar a barreira dos 49 segundos duas vezes, foi o campeão olímpico em Seul-1988, com a impressionante marca de 48s42, marca que até os dias de hoje é bastante competitiva.

A lenda russa Alexander Popov levou o ouro em Barcelona-1992, deixando o brasileiro Gustavo Borges com a medalha de prata e Matt Biondi fora do pódio. Em Atlanta-1996, o russo tornou-se o terceiro bicampeão olímpico, com Gustavo Borges novamente subindo ao pódio, desta vez com o bronze.

Popov buscava em Sydney-2000 o tricampeonato olímpico, mas acabou superado pela estrela holandesa Pieter van den Hoogenband, que levou o ouro e de quebra tornou-se novo recordista mundial, com 47s84. Ele foi o primeiro atleta da história a nadar a distância pra menos de 48 segundos, marca que ainda hoje o faria brigar por medalhas em quaisquer competições do mundo.

Peter foi novamente campeão olímpico em Atenas-2004, se tornando o quarto bicampeão da prova, deixando o sul-africano Roland Schoemann com a prata e a estrela australiana Ian Thorpe com o bronze.

O título olímpico em Pequim-2008 ficou para a França, com Alain Bernard levando a melhor no duelo acirrado com o americano Eamon Sullivan, que ficou a prata. O bronze acabou dividido entre o brasileiro Cesar Cielo e o americano Jason Lesak.

Em 2012, o australiano James Magnussen pintava como favorito, mas ficou com a medalha de prata, sendo superado por apenas um centésimo (47s52 contra 47s53 de Magnussen) pelo americano Nathan Adrian. Brentt Heyden do Canadá ficou com o bronze. Na Rio-2016, a Austrália confirmou o favoritismo e levou o ouro nos 100m livre, com o jovem Kyle Chalmers, de 18 anos. A prata foi para Pieter Timmers da Bélgica, e o bronze com o americano Nathan Adrian, campeão em Londres-2012.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

Os medalhistas dos 100m livre masculino nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Atenas 1896Alfréd Hajós (HUN)Otto Herschmann (AUT)
Londres 1908Charlie Daniels (USA)Zoltán Halmay (HUN)Harald Julin (SWE)
Estocolmo 1912Duke Kahanamoku (USA)Cecil Healy (ANZ)Ken Huszagh (USA)
Antuérpia 1920Duke Kahanamoku (USA)Pua Kele Kealoha (USA)Bill Harris (USA)
Paris 1924Johnny Weissmuller (USA)Duke Kahanamoku (USA)Sam Kahanamoku (USA)
Amsterdã 1928Johnny Weissmuller (USA)István Bárány (HUN)Katsuo Takaishi (JPN)
Los Angeles 1932Yasuji Miyazaki (JPN)Tatsugo Kawaishi (JPN)Albert Schwartz (USA)
Berlim 1936Ferenc Csík (HUN)Masanori Yusa (JPN)Shigeo Arai (JPN)
Londres 1948Wally Ris (USA)Alan Ford (USA)Géza Kádas (HUN)
Helsinque 1952Clarke Scholes (USA)Hiroshi Suzuki (JPN)Göran Larsson (SWE)
Melbourne 1956Jon Henricks (AUS)John Devitt (AUS)Gary Chapman (AUS)
Roma 1960John Devitt (AUS)Lance Larson (USA)Manuel dos Santos (BRA)
Tóquio 1964Don Schollander (USA)Bobby McGregor (GBR)Hans-Joachim Klein (GER)
Cidade do México 1968Mike Wenden (AUS)Ken Walsh (USA)Mark Spitz (USA)
Munique 1972Mark Spitz (USA)Jerry Heidenreich (USA)Vladimir Bure (URS)
Montreal 1976Jim Montgomery (USA)Jack Babashoff (USA)Peter Nocke (FRG)
Moscou 1980Jörg Woithe (GDR)Per Holmertz (SWE)Per Johansson (SWE)
Los Angeles 1984Rowdy Gaines (USA)Mark Stockwell (AUS)Per Johansson (SWE)
Seul 1988Matt Biondi (USA)Chris Jacobs (USA)Stéphan Caron (FRA)
Barcelona 1992Aleksandr Popov (EUN)Gustavo Borges (BRA)Stéphan Caron (FRA)
Atlanta 1996Aleksandr Popov (RUS)Gary Hall Jr. (USA)Gustavo Borges (BRA)
Sydney 2000Pieter van den Hoogenband (NED)Aleksandr Popov (RUS)Gary Hall Jr. (USA)
Atenas 2004Pieter van den Hoogenband (NED)Roland Schoeman (RSA)Ian Thorpe (AUS)
Pequim 2008Alain Bernard (FRA)Eamon Sullivan (AUS)Jason Lezak (USA)
César Cielo Filho (BRA)
Londres 2012Nathan Adrian (USA)James Magnussen (AUS)Brent Hayden (CAN)
Rio 2016Kyle Chalmers (AUS)Pieter Timmers (BEL)Nathan Adrian (USA)

Quadro de medalhas dos 100m livre masculino nos Jogos Olímpicos

PaísOuroPrataBronzeTotal
Estados Unidos139830
Austrália44210
Hungria2215
Holanda2002
Japão1326
Rússia1102
França1023
Alemanha Oriental1001
Equipe Unificada1001
Suécia0145
Brasil0134
Australasia0101
Áustria0101
Bélgica0101
Grã-Bretanha0101
África do Sul0101
Canadá0011
Alemanha0011
União Soviética0011
Alemanha Ocidental0011