Siga o OTD

Skiff simples masculino

Jogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Remo – Skiff simples masculino

Chances do Brasil

Mescando jovens remadores com outros mais experientes, a Confederação Brasileira de Remo convocou 20 atletas para o período de treinamentos e avaliações às vésperas dos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro. No entanto, ainda não há a definição dos representantes para as disputas no Peru. O planejamento prevê cerca de dois meses de trabalhos entre maio e julho. A lista oficial para o evento em Lima será divulgada no dia 14 de junho. A expectativa da comissão técnica é superar o resultado abaixo da média em Toronto 2015, quando o Brasil trouxe para casa somente uma medalha de prata.

A estrela dos Jogos

A Argentina teve uma sequência extremamente vitoriosa entre 1967 e 1983: ao todo, foram cinco conquistas consecutivas no período. Destas, Ricardo Ibarra faturou três medalhas de ouro e obteve um retrospecto inédito na categoria considerando todas as edições dos Jogos Pan-Americanos. O tricampeonato veio na Cidade do México 1975, San Juan 1979 e Caracas 1983. Até aqui, o feito de Ibarra jamais foi alcançado. Além de ter participações nos Jogos Olímpicos como atleta, ele esteve no comando técnico da equipe argentina de remo no Pan de Winnipeg 1999 e conquistou sete ouros.

Nossos pódios

Marcelus Marcili conquistou o bronze no Rio 2007

No skiff simples masculino, o Brasil já marcou presença no pódio por duas oportunidades na história dos Jogos Pan-Americanos. Atuando justamente em terras brasileiras, Ivan Pital foi o primeiro atleta do país a participar da lista dos três melhores classificados com o desempenho em São Paulo 1963 e colocou a medalha de prata na conta. Mais de quatro décadas depois, também disputando o Pan em casa e contando com a presença da torcida, Marcelus Marcili teve bom avanço ao longo da competição e assegurou o bronze no Rio de Janeiro 2007.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1951 Roberto Alfieri
 Argentina
 Não concedido  Não concedido
1955 John Kelly
 Estados Unidos
Juan Rodríguez
 Uruguai
Norberto Battaglia
 Argentina
1959 Harry Parker
 Estados Unidos
Anthony Biernacki
 Canadá
Paulo Carvalho
 Uruguai
1963 Seymour Cromwell
 Estados Unidos
Ivan Pital
 Brasil
 Não concedido
1967 Alberto Demiddi
 Argentina
John Nunn
 Estados Unidos
Otto Pletner
 México
1971 Alberto Demiddi
 Argentina
William Titus
 Estados Unidos
Ramón Luperón
 Cuba
1975 Ricardo Ibarra
 Argentina
James Dietz
 Estados Unidos
Federico Scheffler
 México
1979 Ricardo Ibarra
 Argentina
Phil Monckton
 Canadá
James Dietz
 Estados Unidos
1983 Ricardo Ibarra
 Argentina
Mel Laforme
 Canadá
Sean Colgan
 Estados Unidos
1987 Jesús Posse
 Uruguai
Joaquín Gómez
 México
Elexey Marrero
 Cuba
1991 Joaquín Gómez
 México
Sergio Fernández
 Argentina
Todd Hallett
 Canadá
1995 Sergio Fernández
 Argentina
Cyris Beasley
 Estados Unidos
Leonides Samé Sánchez
 Cuba
1999 Derek Porter
 Canadá
Aquil Abdullah
 Estados Unidos
Yoennis Hernández
 Cuba
2003 Yoennis Hernández
 Cuba
Santiago Fernández
 Cuba
Andrew Liverman
 Estados Unidos
2007 Santiago Fernández
 Argentina
Yoennis Hernández
 Cuba
Marcelus dos Santos
 Brasil
2011 Ángel Fournier
 Cuba
Patrick Loliger
 México
Emilio Torres
 Venezuela
2015 Ángel Fournier
 Cuba
Robert Gibson
 Canadá
Brian Rosso
 Argentina

Quadro de medalhas

Posição País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  Argentina 8 1 2 11
2  EUA 3 5 3 11
3  Cuba 3 2 4 9
4  Canadá 1 4 1 6
5  México 1 2 2 5
6  Uruguai 1 1 1 3
7  Brasil 0 1 1 2
8  Venezuela 0 0 1 1

O esporte

As provas de remo são disputadas no sistema de eliminatória, contando com repescagem, semifinal e final. As distâncias percorridas nas provas são de dois mil metros. As raias, com largura padrão recomendada pela FISA, têm 13,50 metros de largura e profundidade entre 3 e 3,50 metros.

Os barcos utilizados para as competições são constituídos por um, dois, quatro ou oito remadores. Quando são oito remadores, é obrigatório ter um timoneiro. Ele é um integrante que não rema, mas é o responsável por orientar e incentivar a sua equipe durante as provas. Cada remador pode conduzir o barco utilizando um ou dois remos dependendo do tipo de barco. O formato do remo varia conforme a modalidade. Em algumas provas são utilizadas remos de até 4 metros. (Reprodução/Casal Travinha)