Siga o OTD
teste

400m feminino

400m feminino – Atletismo – Jogos Olímpicos Tóquio 2020  

Recordes dos 400m feminino

Recorde Mundial: 47.60 – Marita Koch (GDR) – Canberra (AUS) – 08/10/1985

Recorde Olímpico: 48.25 – Marie-José Perec (FRA) – Atlanta (USA) – 29/07/1996

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para os Jogos

Favoritos nos 400m feminino em Tóquio

Shaunae Miller-Uibo, das Bahamas, se joga para vencer os 400m feminino na Olimpíada Rio-2016 (Olympic Channel)

A barenita Salwa Eid Naser terá apenas 23 anos em Tóquio, mas um currículo invejável. Campeã mundial sub-18 em 2015, Naser foi prata no Mundial de Londres-2017 atrás da americana Phyllis Francis, levou o ouro nos Jogos Asiáticos em 2018 e, no Mundial de Doha-2019, ela não apenas venceu como fez a espetacular marca de 48.14, a 3ª melhor da história e o melhor tempo desde 2006. Entretanto, ela não avisou o controle antidopagem da Wada por onde estaria em três vezes em 2019 e pode ser suspensa por dois anos.

Sua principal adversária é a atual campeã olímpica, Shaunae Miller-Uibo, das Bahamas. Curiosamente ela foi campeã mundial sub-20 (em 2010) antes de ser campeã mundial sub-18, em 2011. Miller-Uibo foi prata no Mundial de 2015 em Pequim e, nos Jogos do Rio, foi ouro de maneira surpreendente, vencendo a americana Allyson Felix no finalzinho se jogando na linha de chegada. No Mundial de 2017, Miller-Uibo foi bronze, aí ficou com o ouro nos Jogos da Comunidade Britânica de 2018 e no Mundial de Doha-2019 acabou com a prata. Puxada pela grande performance de Naser, a campeã olímpica marcou 48.37, se tornando a 6ª melhor atleta da história e dona do 10º melhor tempo. Fez quatro dos oito melhores tempos de 2019.

A jamaicana Shericka Jackson tem sido presença constante em pódios das principais competições. No Mundial de 2015, foi bronze na prova e ajudou a equipe jamaicana a vencer o 4×400 m. Nos Jogos do Rio, mais um bronze na prova e a prata no revezamento. Em 2019, foi ouro nos Jogos Pan-Americanos, bronze nos 400 m mais uma vez, além de ter feito parte das equipes de revezamento, ouro no 4×100 m e bronze nos 4×400 m.

Os Estados Unidos são uma força na prova e favoritos pro revezamento 4×400 m. Na prova individual, a jovem Wadeline Jonathas tem tido os melhores resultados recentes do país, incluindo o 4º lugar no Mundial de 2019 e fez cinco dos 10 melhores tempos de 2019 entre as americanas. A campeã mundial de 2017 Phyllis Francis vem logo atrás de Jonathas e ficou em 5º lugar no último Mundial, apenas 0.01 atrás de sua compatriota.

A principal chance europeia na prova vem da Polônia. Justyna Swiety-Ersetic foi campeã continental em 2018 e tem várias medalhas importantes pelo revezamento 4×400 m, incluindo uma prata e um bronze nos últimos Mundiais 2 duas pratas em mundiais indoor.

Da África, de olho no trio de Botsuana com Amantle Montsho, campeã mundial em 2011, Christine Botlogetswe e Galefele Moroko. Do Níger vem a atleta Aminatou Seyni, dona do 3º melhor tempo de 2019 com 49.19. Mas por conta das novas regras de testosterona, ela não pode mais competir nesta distância.

O Brasil nos 400m feminino

Geisa Coutinho ficou em 25º lugar nos 400m feminino na Rio-2016 (Flávio Florido/Exemplus/COB)

A primeira participação brasileira na prova foi apenas em Seul-1988 com Maria Magnólia Figueiredo, que é a recordista brasileira até hoje. Ela venceu a sua eliminatória com 51.74, mas nas quartas fez o 5º tempo na sua bateria com 51.32 e não avançou. Depois de ficar de fora de Barcelona, ela voltou para Atlanta-1996. Na primeira rodada foi 4ª na sua bateria com 52.41, avançando para as quartas, onde novamente foi 5ª com 51.98, ficando de fora da semifinal.

Duas brasileiras competiram na prova em Atenas-2004, mas nenhuma avançou de fase. As duas ficaram em 5º lugar nas suas baterias eliminatórias: Maria Laura Almirão com 52.10 na 2ª bateria e Geisa Coutinho com 52.18 na 5ª. Almirão competiu novamente em Pequim-2008, terminando mais uma vez em 5º na sua bateria eliminatória com 53.26, não avançando.

Nos Jogos de Londres-2012, Joelma Sousa ficou em 4º lugar na sua eliminatória com 52.69 e Geisa Coutinho foi 5ª na sua com 53.43 e nenhuma avançou de fase.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Histórico dos 400m feminino

Marita Koch, defendendo a então Alemanha Oriental, alcançou o recorde mundial dos 400m feminino em 1985, que dura até hoje (World Athletics)

A prova de uma volta na pista só fez sua estreia nos Jogos em Tóquio-1964, onde a australiana Betty Cuthbert se tornou campeã com 52.0. A australiana havia brilhado oito anos antes em casa, em Melbourne-1956, com três ouros, mas problemas físicos a fizeram desistir durante a disputa dos 100 m em Roma-1960 e se aposentar das pistas. Ela voltou em 1962 para os Jogos da Comunidade Britânica que foram em casa e ajudou a vencer o revezamento 4×110 jardas. Após isso, se concentrou nos 400 m e venceu na estreia olímpica.

A alemã oriental Monika Zehrt igualou o recorde mundial da jamaicana Marilyn Neufville em julho de 1972, com 15.0. Zehrt chegou em Munique-1972 como favorita, já que Neufville não competiu, contundida. As outras alemãs (tanto orientais quanto ocidentais) vinham em ótima forma. Na semi, a ocidental Helga Seidler bateu o recorde olímpico com 51.68, mas Zehrt melhorou a marca na segunda semi com 51.47. Na final, Zehr venceu com 51.08, enquanto Seidler nem pegou medalha, acabando em 4º.

A polonesa Irena Szewinska havia conquistado três medalhas em Tóquio-1964 aos 18 anos, depois venceu os 200m na Cidade do México-1968 e foi bronze nos 200 m em Munique. Já em Montreal-1976, ela competiu nos 400 m, prova que nunca tinha disputado em uma competição importante. Szewinska já tinha batido na carreira o recorde mundial dos 100 m e dos 200 m e fez o mesmo nos 400 m no Canadá. Depois de quase parar nas quartas, pegando a última vaga, a polonesa venceu a sua semi com recorde olímpico de 50.48 e na decisão sobrou com recorde mundial de 49.28, a única da história a ter recorde mundiais nas três provas.

No ciclo seguinte, surge a figura da alemã oriental Marita Koch, que quebrou o recorde mundial cinco vezes antes dos Jogos de Moscou-1980. Os grandes tempos vieram apenas na decisão, onde Koch venceu com recorde olímpico de 48.88. A tchecoslovaca Jarmila Kratochvilova ficou com a prata com 49.46. As duas ficaram de fora dos Jogos seguintes, em Los Angeles-1984, por conta do boicote, quando tivemos o primeiro ouro dos Estados Unidos na prova, com dobradinha de Valerie Brisco-Hooks, ouro com 48.83, recorde olímpico, e Chandra Cheeseborough, prata com 49.05.

Em 1983, Kratochvilova bateu o recorde mundial dos 400 m com 47.99 e também o dos 800 m com 1:53.28. Koch melhorou a marca dos 400 m em 1985 com 47.60. Esses são os dois recordes mundiais individuais mais antigos em provas olímpicas.

O recorde olímpico caiu novamente em Seul-1988 com o ouro da soviética Olga Bryzgina, que havia vencido o Mundial no ano anterior. No Mundial de 1991, surge a francesa Marie-José Perec, que leva o ouro em Tóquio e repete o ouro nos Jogos de Barcelona-1992 com 48.83, deixando Bryzgina com a prata. Perec faturou o bi mundial em 1995 e repetiu o feito nos Jogos de Atlanta-1996 com 48.25.

A australiana Cathy Freeman, prata em Atlanta, levou os Mundiais de 1997 e 1999 e competiu em casa, em Sydney-2000. Um dos grandes nomes desta edição, Freeman acendeu a pira olímpica na Cerimônia de Abertura e competiu na prova com um macacão que deixava apenas o seu rosto visível. Num dos momentos mais marcantes dos Jogos, Freeman venceu a final com 49.11.

O ouro em Atenas-2004 ficou com Tonique Williams-Darling, das Bahamas, com 49.42. Em Pequim-2008, a vitória foi da britânica Christine Ohuruogu com 49.62. Ela também havia vencido o Mundial no ano anterior. Correndo em casa, Ohuruogu era uma das estrelas da equipe britânica em Londres-2012, mas perdeu na final, acabando com a prata com 49.70. O ouro foi da americana Sanya Richards, campeã com 49.55.

Medalhistas dos 400m feminino nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Tóquio 1964Betty CuthbertAUSAnn PackerGBRJudy AmooreAUS
Cidade do México 1968Colette BessonFRALillian BoardGBRNataliya PechenkinaURS
Munique 1972Monika ZehrtGDRRita WildenFRGKathy HammondEUA
Mintreal 1976Irena SzewińskaPOLChristina BrehmerGDREllen StreidtGDR
Moscou 1980Marita KochGDRJarmila KratochvílováTCHChristina LathanGDR
Los Angeles 1984Valerie Brisco-HooksEUAChandra CheeseboroughEUAKathy CookGBR
Seul 1988Olha BryzhinaURSPetra MüllerGDROlga NazarovaURS
Barcelona 1992Marie-José PérecFRAOlha BryzhinaEU NXimena RestrepoCOL
Atlanta 1996Marie-José PérecFRACathy FreemanAUSFalilat OgunkoyaNGR
Sydney 2000Cathy FreemanAUSLorraine GrahamJAMKatharine MerryGBR
Atenas 2004Tonique Williams-DarlingBAHAna guevaraMEXNataliya AntyukhRUS
Pequim 2008Christine OhuruoguGBRShericka WilliamsJAMSanya Richards-RossEUA
Londres 2012Sanya Richards-RossEUAChristine OhuruoguGBRDeeDee TrotterEUA
Rio 2016Shaunae MillerBAHAllyson FelixEUAShericka JacksonJAM

Quadro de medalhas dos 400m feminino nos Jogos Olímpicos

PaísOuroPrataBronzeTotal
França3003
Estados Unidos2237
Alemanha Oriental2226
Austrália2114
Bahamas2002
Grã Bretanha1326
União Soviética1023
Polônia1001
Jamaica0213
Tchecoslováquia0101
México0101
Equipe Unificada0101
Alemanha Ocidental0101
Colômbia0011
Nigéria0011
Federação Russa0011

A prova – 400m feminino

400m feminino Cathy Freeman
A australiana Cathy Freeman venceu os 400m feminino em Sydney-2000 (COI)

400 metros rasos é uma modalidade olímpica de atletismo onde os atletas correm uma volta inteira em volta da pista circular padrão do estádio. É a mais longa das provas de velocidade pura.

Os corredores partem de blocos colocados no chão da pista, em uma linha de partida escalonada, de dentro para fora da pista, que compensa o efeito que a curva provoca e garante a mesma distância para todos. Um tempo de reação ao sinal de largada de menos de 0.1s é considerado como largada falsa e o corredor é desclassificado. Um competidor também pode ser desclassificado caso pise fora de sua raia. A chegada é feita na meta oficial de acordo com as medições do atletismo