Siga o OTD

Arremesso de disco feminino

Prata na Diamond League, Andressa de Morais compete em Zagreb

Andressa Morais vai chegar a Lima 2019 com grandes chances de medalha (Wagner Carmo/CBAt)

Jogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Atletismo – arremesso de disco feminino

Chances do Brasil

Fernanda Borges é uma das brasileiras que ficaram entre as oito melhores do mundo em 2018 (Fernando dos Reis/CBAt)

O Brasil vai chegar aos Jogos Pan-Americanos Lima 2019 com grandes chances de medaha no arremesso de peso 2019. No ano passado, duas brasileiras terminaram entre as oito melhores do mundo. Com 65m10, Andressa Morais quebrou o recorde brasileiro e sul-americano, ficando com a sétima melhor marca do planeta. Com 64,66m, Fernanda Borges ficou com a oitava colocação.

No ranking das Américas, apenas duas cubanas foram melhor do que as brasileiras em 2018. Yaimé Pérez ficou em terceiro com 67,82m e Denia Caballero ficom com a quinta melhor marca do mundo ao lançar o disco a 66,09m. As duas atletas serão as grandes adversárias de Andressa Morais e Fernanda Borges em Lima 2019.

Em Toronto 2015, as duas brasileiras estiveram na final do arremesso de peso feminino. Fernanda Borges, que tinha sido sétima em Guadalajara 2011, ficou em quarto, enquanto Andressa Morais foi a sexta colocada.

Local da competição

Estádio Atlético Pan-Americano

Local: Lima

Capacidade: 12.000 torcedores

A estrela dos Jogos

Duas cubanas são as maiores estrelas do arremesso de disco feminino na história dos Jogos Pan-Americanos. Carmen Romero e Maritza Martén conquistaram três medalhas de ouro cada. O país delas é disparado o primeiro colocado do quadro de medalhas da prova. Cuba ganhou 10 medalhas de ouro, nove de prata e cinco de bronze em toda a história.

Carmen Romero subiu ao lugar mais alto do pódio em Cali 1971, Cidade do México 1975 e San Juan 1979, sempre tendo a compatriota Maria Cristina Betancourt com a medalha de prata. Em Jogos Olímpicos, no entanto, Carmen não brilhou. Ficou em nono em Montreal 1976 e em décimo em Moscou 1980.

Já Maritza Martén tem como maior conquista a medalha de ouro na Olimpíada de Barcelona em 1992. A campeã olímpica fez história nos Jogos Pan-Americanos ao ser tricampeã com os títulos de Caracas 1983, Indianápolis 1987 e Mar Del Plata 1995.

Nossos pódios

A única medalha brasileira conquistada no arremesso de disco feminino dos Jogos Pan-Americanos foi com Elisângela Adriano no Rio de Janeiro em 2007 com a marca de 60,27m. Ela ficou atrás de duas cubanas: Yarelis Barrios, medalha de ouro, com 61,72m, e Yania Ferrales, prata com 61,71m.

A medalha, no entanto, não foi a primeira dos Jogos Pan-Americanos que ela colocou no peito. Em Winnipeg 1999, Elisângela Adriano venceu a prova e chegou a receber a medalha de ouro, mas acabou a perdendo por doping. A brasileira testou positivo para a substância nandrolona, um esteróide anabolizante, durante a Universíade, que foi disputada um pouco antes da competição do Canadá. Como o Pan aconteceu no período em que ela deveria estar suspenso, a medalha da atleta acabou cassada.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro TEMPO Medalha de prata TEMPO Medalha de bronze TEMPO
1951 Ingeborg Mello
Argentina
38.55m Ingeborg Pfuller
Argentina
37.19m Frances Kaszubski
EUA
35.84m
1955 Ingeborg Pfuller
Argentina
43.19m Isabel Avellán
Argentina
40.06m Alejandrina Herrera
Cuba Cuba
38.00m
1959 Earlene Brown
EUA
49.31m Pamela Kurrell
EUA
42.19m Marjorie Larney
EUA
42.18m
1963 Nancy McCredie
Canadá
50.18m Ingeborg Pfüller
Argentina
47.83m Sharon Sheppard
EUA
47.29m
1967 Carol Moseke
EUA
49.24m Carol Martin
Canadá
47.94m Caridad Aguero
Cuba Cuba
46.68m
1971 Carmen Romero
Cuba Cuba
57.20m María Cristina Betancourt
Cuba Cuba
51.76m Carol Martin
Canadá
50.04m
1975 Carmen Romero
Cuba Cuba
60.16m María Cristina Betancourt
Cuba Cuba
58.52m Jane Haist
Canadá
53.12m
1979 Carmen Romero
Cuba Cuba
60.58m María Cristina Betancourt
Cuba Cuba
60.44m Carmen Ionesco
Canadá
57.14m
1983 Maritza Martén
Cuba Cuba
59.62m Lorna Griffin
EUA
56.52m Penny Neer
EUA
53.32m
1987 Maritza Martén García
Cuba Cuba
65.58m Hilda Ramos
Cuba Cuba
61.34m Connie Price
EUA
59.52m
1991 Bárbara Hechevarría
Cuba Cuba
63.50m Hilda Ramos
Cuba Cuba
63.38m Lacy Barnes
EUA
60.32m
1995 Maritza Martén
Cuba Cuba
61,22m Bárbara Hechevarría
Cuba Cuba
60,20m Kris Kuehl
EUA
56,92m
1999 Aretha Hill
EUA
59,06m Kris Kuehl
EUA
57,21m Anaelys Fernández
Cuba Cuba
56,32m
2003 Aretha Hill
EUA
63,30m Anaelys Fernández
Cuba Cuba
61,26m Yania Ferrales
Cuba Cuba
60,03m
2007 Yarelis Barrios
Cuba Cuba
61,72m Yania Ferrales
Cuba Cuba
61,71m Elisângela Adriano
Brasil
60,27m
2011 Yarelys Barrios
Cuba Cuba
66,40m Aretha Thurmond
EUA
59,53m Denia Caballero
Cuba Cuba
58,63 m
2015 Denia Caballero
Cuba Cuba
65.39m Yaime Pérez
Cuba Cuba
64.99m Gia Lewis-Smallwood
EUA
61.26 m

Quadro de Medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  Cuba 10 9 5 24
2  EUA 4 4 8 16
3  Argentina 2 3 0 5
4  Canadá 1 0 3 4
5  Brasil 0 0 1 1

A prova

Lançamento de disco é uma modalidade esportiva olímpica do atletismo. O objetivo da prova consiste em lançar um disco de metal à maior distância possível, superando os demais competidores. Assim como o lançamento de martelo e o lançamento de dardo, esses esportes são chamados oficialmente de lançamento. Somente o arremesso de peso é chamado de arremesso, devido ao fato do peso ser empurrado e os demais serem projetados com características diferentes.

O disco usado é um prato de metal com a forma de um círculo com o diâmetro de 22 cm. Na prova masculina, o disco mede entre 219 e 221 mm de diâmetro e de 44 a 46 mm de espessura e pesa 2 kg. Na modalidade feminina, mede entre 180 e 182 mm de diâmetro e de 37 a 39 mm de espessura, pesando 1 kg. O lançamento é feito de dentro de um círculo de 2,5 m de diâmetro no chão, margeado por um anteparo de concreto de 2 cm de altura. O atleta segura o disco plano contra os dedos da mão e o antebraço do lado do lançamento, gira sobre si mesmo rapidamente e lança o disco ao ar estendendo o braço. Para melhorar a pegada é permitido o uso de uma substância adequada nas mãos e pode ser usado um cinturão para proteger a coluna.

Para a medição da distância lançada, o disco precisa aterrar dentro de uma área pré-marcada e o atleta não pode deixar o círculo antes do disco cair, e sempre pela metade traseira do círculo. Caso pise fora dele durante o lançamento ou antes do disco tocar o solo, o lançamento é impugnado. Normalmente os atletas dão uma volta e meia com o corpo como impulso e em cada competição são feitos entre quatro e seis lançamentos. No caso de empate, o desempate é feito pela segunda maior marca e assim sucessivamente.