Siga o OTD

Florete por equipes feminino

Florete por equipes femininoJogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Esgrima – Florete por equipes feminino

Chances do BrasilFlorete por equipes feminino

Na busca pela inédita medalha, o Brasil vai com um trio para o Pan de Lima mais maduro e preparado. A equipe será encabeçada por Ana Beatriz Bulcão, principal nome da esgrima brasileira atualmente e número um do ranking nacional. Ao lado de Gabriela Cecchini, elas repetirão a parceria que quase rendeu o bronze no Pan de 2015. E Mariana Pistoia, número três do ranking nacional, fechará o trio. Com a reedição da dupla já vencedora e experiente e mais Pistoia, o Brasil pode enfim conseguir um pódio em Lima. 

Local da competição

Centro de Convenções de Lima

Nossos pódios

Ao longo das 14 edições em que o florete feminino foi disputado nos Jogos Pan-Americanos, o Brasil jamais conseguiu subir ao pódio. Em Toronto 2015, as brasileiras bateram na trave, terminando na quarta colocação, após perder por apenas um ponto para o México na disputa pelo bronze.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1959  EUA  Panamá  Venezuela
1963  EUA  Venezuela  Argentina
1967  EUA  Cuba  Canadá
1971  EUA  Cuba  Colômbia
1975  Cuba  Canadá  EUA
1979  Cuba  Canadá  EUA
1983  Cuba  EUA  Argentina
1987  EUA  Cuba  México
1991  EUA  Cuba  Argentina
1995  Cuba  EUA  Argentina
1999  Cuba  Venezuela  EUA
2003 Não disputado
2007  Venezuela  Canadá  Cuba
2011  EUA  Canadá  Venezuela
2015  Canadá  EUA  Mexico

Quadro de medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  EUA 7 3 3 13
2  Cuba 5 4 1 10
3  Canadá 1 4 1 6
4  Venezuela 1 2 2 5
5  Panamá 0 1 0 1
6  Argentina 0 0 4 4
7  México 0 0 2 2
8  Colômbia 0 0 1 1

A provaFlorete por equipes feminino

A esgrima consiste no combate entre atletas, que se utilizam de uma “arma-branca” para atacar e defender. É, porém, a o único esporte de combate em que não é permitido contato corporal.

Os combates são realizados em uma pista de 14 metros de comprimento e 1,5 a 2 metros de largura, sendo que os esgrimistas são posicionados a uma distância de dois metros um do outro.

O objetivo é tocar o adversário com a ponta da arma sem ser tocado e os pontos são definidos por meio de um sensor, que identifica quando um esgrimista foi tocado em sua superfície válida.

O florete é um pouco menor e mais leve do que a espada, medindo 90 centímetros e pesando 500 gramas. E os pontos são marcados quando a ponta acerta a virilha ou o tronco do adversário.

Na disputa por equipes, times de três competidores se enfrentam em nove séries de três minutos. Vence aquele que acumular mais pontos, ou atingir o adversário 45 vezes – justamente o triplo em relação ao individual.