Siga o OTD
teste

3.000m com obstáculos masculino

3.000m com obstáculos masculino – Atletismo – Jogos Olímpicos Tóquio 2020 

Recordes dos 3.000m com obstáculos masculino

Recorde Mundial: 7:53.63 – Saif Saaeed Shaheen (QAT) – Bruxelas (BEL) – 03/09/2004

Recorde Olímpico: 8:03.28 – Conseslus Kipruto (KEN) – Rio de Janeiro (BRA) – 17/08/2016

Chances do Brasil nos 3.000m com obstáculos masculino

Altobeli da Silva
Altobeli Santos da Silva ainda busca o índice para a Olimpíada de Tóquio nos 3.000m com obstáculos (Wagner Carmo/CBAt)

O principal nome do Brasil na prova é Altobeli Santos da Silva. Medalha de ouro nos 3.000m com obstáculos no Pan-Americano de Lima-2019 e 9º colocado na Olimpíada Rio-2016, ele ainda não tem índice para a prova em Tóquio, que é de 8:22:00. No Mundial de Doha-2019, Altobeli fez 8:25:34, terminando em 21º lugar.

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para os Jogos

Favoritos nos 3.000m com obstáculos masculino nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

O queniano Conselus Kipruto vem sendo o grande nome nos 3.000m com obstáculos desde 2013 (World Athletics)

Não há dúvidas que o Quênia é o favorito para a prova. Um atleta nascido no país não perde a prova em Olimpíadas ou Mundiais desde Seul-1988.

Conseslus Kipruto é o nome da prova desde 2013. Ainda júnior, ficou de fora de Londres-2012, após ficar em 6º na seletiva queniana, mas desde então venceu mais de uma dezena de etapas da Liga Diamante, além de dois títulos mundiais e o ouro olímpico no Rio. A sua vitória em Doha-2019 foi no photo finish com 8:01.35, apenas 1 centésimo mais rápido que o etíope Lamecha Girma.

Em 2016 ele teve um ano praticamente perfeito, vencendo todas as sete provas internacionais que disputou, ficando em 2º apenas na seletiva olímpica de seu país. Há uma grande rotatividade nos outros representantes do Quênia e, não importa quem se classificar, chegará brigando por medalha.

Apesar da força nas provas de fundo, a Etiópia não tem um bom histórico nesta prova. Em Olimpíadas tem apenas um bronze e em Mundiais apenas a prata de Girma em 2019. Ainda assim, vale ficar de olho nesta jovem esperança etíope, que terá 20 anos na disputa em Tóquio. Seu compatriota Getnet Wale foi 4º no Mundial de 2019 e presença constante entre os melhores no circuito da Diamond League.

Medalha nos dois últimos mundiais, o marroquino Soufiane El Bakkali foi 4º no Rio-2016 e venceu três etapas da Diamond League em 2019.

O polêmico francês tetracampeão europeu Mahiedine Mekhissi-Benabbad, que esteve nos últimos três pódios olímpicos, tem se dedicado a provas de rua e pode ser uma ausência importante em Tóquio. Prata no Rio, o americano Evan Jager não competiu em 2019 por conta de uma lesão, mas voltou aos treinos e deve ser uma das principais ameaças ao domínio queniano.

O Brasil nos 3.000m com obstáculos masculino dos Jogos Olímpicos

Altobeli 3000m com obstáculos masculino
Na Olimpíada Rio-2016, Altobeli Santos da Silva ficou em 9º lugar nos 3.000m com obstáculos (Divulgação)

A primeira participação brasileira na prova veio apenas em Seul-1988, com Adauto Domingues. Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis em 1987, Adauto fez 8:32.77 nas eliminatórias e 8:35.05 na semifinal, ficando de fora da decisão.

Em Barcelona-1992, foi a vez de Clodoaldo Lopes do Carmo fazer uma ótima campanha e colocar o Brasil pela primeira vez numa final olímpica da prova. Ele foi 2º na sua eliminatória com 8:26.31, 2º na sua semifinal com 8:20.46, mas acabou a final em 11º com 8:25.92. Ele voltaria aos Jogos em Atlanta-1996, mas com fracos 8:51.78 ficou em último na sua bateria e não passou para as semifinais.

Altobeli da Silva competiu no Rio-2016 fazendo uma ótima bateria eliminatória com 8:26.59, avançando para a grande final, onde terminou na 9ª colocação com 8:26.30.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Histórico dos 3.000m com obstáculos masculino nos Jogos Olímpicos

As provas com obstáculos são disputadas nos Jogos Olímpicos desde Paris-1900, mas só ganharam a distância atual dos 3.000m na Antuérpia-1920. Nos Jogos de Paris, tivemos a disputa dos 2.500m, vencida pelo canadense George Orton e dos 4.000m, com vitória do britânico John Rimmer. Em St. Louis-1904 a distância foi de 2.590m e em Londres-1908 de 3.200m.

Após a 1ª Guerra Mundial, já nos 3.000m atuais, o ouro ficou com britânico Percy Hodge, campeão com o tempo de 10:00.4. Em seguida, foi uma sequência de vitórias da Finlândia, que era a potência das provas de fundo entre as Guerras Mundiais. Em Paris-1924, o ouro ficou com Ville Ritola com 9:33.6. Ao lado de Paavo Nurmi, Ritola foi o grande nome dos Jogos e saiu da capital francesa com quatro ouros e duas pratas.

Já em Amsterdã-1928, os finlandeses fecharam o pódio com vitória de Toivo Loukola, com recorde mundial de 9:21.8. Paavo Nurmi foi prata nesta prova, na sua única medalha olímpica na prova de obstáculos. Volmari Iso-Hollo completou o domínio finlandês vencendo duas vezes seguidas em Los Angeles-1932 e Berlim-1936.

Após a Guerra, em Londres-1948, o pódio sueco foi liderado por Tore Sjöstrand, campeão com 9:04.6. Em casa, em Helsinque-1952, a Finlândia não conseguiu brilhar e ficou fora do pódio e o ouro ficou com o americano Horace Ashenfelter, até hoje o único campeão olímpico dos Estados Unidos nesta prova, vencendo com 8:45.4.

A prova seguiu evoluindo, com os atletas passando pelos obstáculos como barreiras, sem pisar e os tempos foram melhorando.

Foi apenas na Cidade do México-1968 que começou a aparecer a maior potência da modalidade: o Quênia. E começaram bem, com uma dobradinha de Amos Biwott e Benjamin Kogo. Biwott surpreendeu o mundo ao cruzar os obstáculos (inclusive o fosso) com as duas pernas na frente, numa técnica parecida com o salto em distância. Na final, ele cruzou o último obstáculo em 4º faltando pouco menos de 50m para a chegada e venceu com 8:51.02, contra 8:51.56 de Kogo.

Após mais uma dobradinha em Munique-1972, com vitória de Kip Keino com recorde olímpico de 8:23.6, o Quênia ficou fora dos Jogos de Montreal-1976 e de Moscou-1980 por conta de boicotes. De volta em Los Angeles-1984, os queniano voltaram ao topo e de lá nunca mais saíram.

Ezekiel Kemboi, do Quênia, foi o primeiro bicampeão africano, em Atenas-2004 e Londres-2012 (Wikipedia)

Julius Korir levou em 1984 com 8:11.80 e o domínio seguiu com cinco dobradinhas seguidas, incluindo um pódio completo em Barcelona-1992 e em Atenas-2004. Desde 1988, todos os títulos olímpicos e mundiais foram vencidos por quenianos de nascimento. Apenas nos mundiais de 2003 e 2005, o ouro não ficou com o Quênia, pois Saif Saaeed Shaheen, atual recordista mundial, venceu pelo Qatar, mas ele é nascido e criado no Quênia.

Da vitória de Korir em Los Angeles até em Pequim-2008, sete atletas diferentes foram campeões olímpicos. Foi apenas em Londres-2012 que um campeão africano se repetiu. Ezekiel Kemboi, talvez o maior nome da prova, repetiu sua vitória de Atenas-2004 e se sagrou bicampeão olímpico. Kemboi esteve em sete pódios seguidos em Mundiais, com três pratas e quatro ouros seguidos de 2009 a 2015.

No Rio-2016, foi a vez de Conseslus Kipruto ficar com a vitória com 8:03.28. Kemboi chegou como favorito mais uma vez, mas se desgastou muito na final e perdeu o segundo lugar na reta final para o americano Evan Jager. Kemboi depois foi desclassificado por pisar fora da pista após o primeiro salto no fosso.

Medalhistas dos 3.000m com obstáculos masculino nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Antuérpia-1920Percy Hodge (GBR)Patrick Flynn (USA)Ernesto Ambrosini (ITA)
Paris-1924Ville Ritola (FIN)Elias Katz (FIN)Paul Bontemps (FRA)
Amstrerdã-1928Toivo Loukola (FIN)Paavo Nurmi (FIN)Ove Andersen (FIN)
Los Angeles-1932Volmari Iso-Hollo (FIN)Thomas Evenson (GBR)Joe McCluskey (USA)
Berlim-1936Volmari Iso-Hollo (FIN)Kalle Tuominen (FIN)Alfred Dompert (GER)
Londres-1948Tore Sjöstrand (SWE)Erik Elmsäter (SWE)Göte Hagström (SWE)
Helsinque-1952Horace Ashenfelter (USA)Vladimir Kazantsev (URS)John Disley (GBR)
Melbourne-1956Chris Brasher (GBR)Sándor Rozsnyói (HUN)Ernst Larsen (NOR)
Roma-1960Zdzisław Krzyszkowiak (POL)Nikolay Sokolov (URS)Semyon Rzhishchin (URS)
Tóquio-1964Gaston Roelants (BEL)Maurice Herriott (GBR)Ivan Belyayev (URS)
Cidade do México-1968Amos Biwott (KEN)Benjamin Kogo (KEN)George Young (USA)
Munique-1972Kipchoge Keino (KEN)Ben Jipcho (KEN)Tapio Kantanen (FIN)
Montreal-1976Anders Gärderud (SWE)Bronisław Malinowski (POL)Frank Baumgartl (FRG)
Moscou-1980Bronisław Malinowski (POL)Filbert Bayi (TAN)Eshetu Tura (ETH)
Los Angeles-1984Julius Korir (KEN)Joseph Mahmoud (FRA)Brian Diemer (USA)
Seul-1988Julius Kariuki (KEN)Peter Koech (KEN)Mark Rowland (GBR)
Barcelona-1992Matthew Birir (KEN)Patrick Sang (KEN)William Mutwol (KEN)
Atlanta-1996Joseph Keter (KEN)Moses Kiptanui (KEN)Alessandro Lambruschini (ITA)
Sydney-2000Reuben Kosgei (KEN)Wilson Boit Kipketer (KEN)Ali Ezzine (MAR)
Atenas-2004Ezekiel Kemboi (KEN)Brimin Kipruto (KEN)Paul Kipsiele Koech (KEN)
Pequim-2008Brimin Kipruto (KEN)Mahiedine Mekhissi-Benabbad (FRA)Richard Kipkemboi Mateelong (KEN)
Londres-2012Ezekiel Kemboi (KEN)Mahiedine Mekhissi-Benabbad (FRA)Abel Mutai (KEN)
Rio-2016Conseslus Kipruto (KEN)Evan Jager (USA)Mahiedine Mekhissi-Benabbad (FRA)

Quadro de medalhas dos 3.000m com obstáculos masculino nos Jogos Olímpicos

PaísOuroPrataBronzeTotal
Quênia117422
Finlândia4329
Grã-Bretanha2226
Suécia2114
Polônia2103
Estados Unidos1236
Bélgica1001
França0325
União Soviética0224
Hungria0101
Tanzânia0101
Itália0022
Alemanha0011
Alemanha Ocidental0011
Etiópia0011
Marrocos0011
Noruega0011

A prova

Prova dos 3.000m com obstáculos durante a Olimpíada Rio-2016 (Tim Hipps/Wikipedia)

3000 metros com obstáculos é uma prova olímpica de meio-fundo disputada em uma pista de atletismo entre barreiras e fossos de água e deriva seu nome original, steeplechase, da antiga e tradicional corrida de cavalos disputada entre obstáculos em campo aberto.

A prova é originária das Ilhas Britânicas, onde corredores corriam de uma cidade para a outra se orientando pelos campanários de suas igrejas, usados como marcos por serem visualizados à grande distância. Durante o percurso, eles tinham inevitavelmente que pular sobre córregos e pequenos obstáculos e muros de pedra separando as propriedades no caminho.

A largada é dada com os atletas lado a lado ou em bloco ocupando toda a largura da pista, sem marcação de raia. O número de voltas na pista padrão de 400 metros depende da posição do fosso d’água obrigatório – fora ou dentro da segunda curva da pista – mas os atletas precisam saltar um número total de 28 barreiras e sete fossos d’água durante a duração da corrida.

As barreiras da prova masculina tem altura de 91,4 cm e as da feminina de 76,2 cm, com uma largura mínima de 3,94 m; o fosso d’água de superfície inclinada tem 3,66 m de comprimento com uma profundidade de 70 cm em sua parte mais funda, exatamente em baixo da barreira até chegar ao mesmo nível da pista ao final do comprimento, o que significa que quanto mais longe o atleta que a ultrapassa conseguir saltar, menos água e pressão contrária pela frente terá nos pés e tornozelos, o que dá vantagem aos melhores saltadores entre os corredores. Diferente das provas de velocidade com barreiras, que caem a qualquer toque, os obstáculos do steeplechase são mais sólidos e pesados e os atletas muitas vezes os usam para pegar impulso da passada na corrida ao invés de apenas saltá-los, especialmente o obstáculo do fosso.