Siga o OTD

Tóquio 2020

Tóquio 2020

Para além das medalhas, Olimpíada de Tóquio é histórica para o Brasil

Se olharmos a participação brasileira sem as 21 medalhas conquistas, encontramos feitos inéditos em diversas modalidades

Gaspar Nobrega/COB

Para além das medalhas, Olimpíada de Tóquio é histórica para o Brasil

Conquistas inéditas no skate, no surfe, na ginástica artística feminina, no tênis feminino, na maratona aquática e o bicampeonato olímpico de Martine Grael e Kahena Kunze são alguns dos símbolos da participação do Brasil em Tóquio 2020. Contudo, outros atletas do país também colocaram seu nome na história olímpica de suas modalidades mesmo sem conseguir subir no pódio na capital japonesa. 

Quando decidiu pela criação dos Jogos Olímpicos, Pierre de Coubertin adotou como lema olímpico a frase “Citius, Altius, Fortius”, do latim mais rápido, mais alto, mais forte, a ideia era reconhecer os atletas mais rápidos, que conseguissem ir mais alto e que tivessem mais força.Mais de 120 anos depois, apesar de muitas mudanças, a ideia não mudou e reconhecer os feitos vai para além da medalha. 

-Em 12.º, Brasil faz em Tóquio a melhor Olimpíada da história

Se olharmos a participação brasileira nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, modalidade por modalidade, alguns resultados saltam aos olhos e são de se comemorar.

Darlan Romani sobe mais um degrau

O ciclo olímpico de Darlan Romani foi muito bom. Depois de ter terminado os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro com o quinto lugar, melhor posição do Brasil na prova na história olímpica, o atleta se colocou entre as melhores do mundo. É atualmente Recordista brasileiro e sul-americano no arremesso de peso masculino, com 22,61 m, ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019, quarto colocado no Mundial de Doha-2019 – em uma prova de nível técnico alto que lhe daria medalha em outras edições olímpicas – e eleito duas vezes o melhor representante do atletismo nacional pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB). 

Darlan Romani Jogos Olímpicos de Tóquio
Wagner Carmo/CBAt

Nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Darlan Romani seguiu entre os melhores do mundo. Apesar de ter ficado longe de sua melhor marca, o brasileiro conseguiu a marca de 21.88m e foi o quarto colocado na prova do arremesso de peso, estabelecendo o novo melhor resultado do país na história dos Jogos Olímpicos. 

Além de Darlan, o atletismo ainda teve Izabela da Silva, no arremesso de disco, alcançando feito histórico para o país. Em sua prova, a atleta se tornou a primeira do Brasil a chegar em uma final olímpica e terminou a competição em Tóquio com a 11ª colocação geral, com a marca de 60.39m.

Hugo Calderano histórico e tênis de mesa no top 8

Melhor brasileiro no ranking mundial, ocupando a sétima colocação, Calderano é o responsável pelo melhor resultado do Brasil em Jogos Olímpicos. Depois de igualar o feito tendo disputado as oitavas de final em 2016, o mesatenista melhorou ainda mais seu desempenho e se tornou o primeiro do país na história a jogar uma partida de quartas de final olímpica, em Tóquio. 

COB

Além do resultado no torneio de simples, o atleta fez parte de outra campanha marcante. Na disputa por equipes, que acontece desde 2008, o time masculino brasileiro de Tóquio 2020, com Calderano, Gustavo Tsuboi e Vitor Ishiy, conseguiu colocar o país pela primeira vez nas quartas de final. 

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

Saltando para a história

Kawan Pereira escreveu seu nome na história olímpica dos saltos ornamentais do Brasil. Nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, o atleta se tornou o primeiro do país a disputar uma final da plataforma de 10m masculina. Não contente em ficar entre os 12 e ir para final olímpica, Kawan terminou sua participação com o décimo lugar, com 393.85 pontos

Lucas Verthein e o remo

Estudante, funcionário de suporte técnico, entregador de quentinha, atleta olímpico e semifinalista em Tóquio 2020. Essa é a descrição de Lucas Verthein. Aos 23 anos, o atleta igualou o melhor resultado da história do remo brasileiro em uma edição de Jogos Olímpicos. 

Lucas Verthein remo Jogos Olímpicos
(Miriam Jeske/COB)

Na competição no Japão, Lucas Verthein voltou a colocar o Brasil em uma semifinal olímpica do remo e terminou na 12ª colocação geral na disputa do single skiff. Desta forma, o brasileiro igualou o resultado conquistado por Paulo César Dworakowski nos Jogos Olímpicos de Moscou, em 1980. 

Modalidades que fizeram suas melhores campanhas em Jogos:

Badminton – 1ª vitória em nossa história (Ygor Coelho) 

Boxe – 3 medalhas, sendo 1 ouro  

Canoagem Velocidade – 1ª medalha de ouro na história 

Ciclismo BMX – melhor colocação: 14° lugar de Renato Rezende 

Ciclismo MTB – melhor colocação: 13° lugar de Henrique Avancini 

Ginástica artística – 1ª edição com ouro e prata (Rebeca Andrade)  

Hipismo adestramento – melhor colocação: 26° lugar de João Victor Oliva

Maratona aquática – ouro de Ana Marcela Cunha 

Remo – igualou 12º lugar no 1x

Tênis – Bronze de Laura Pigossi/Luisa Stefani (primeira medalha na história) 

Tênis de mesa – quartas de final de Hugo Calderano (+ vitória inédita por equipes)

Tiro com Arco – igualou oitavas de final (Marcus D´Almeida)

Melhores marcas pessoais:

João Victor Oliva (hipismo adestramento) – 70.419% 

Fernando Scheffer (natação) – 200m livre – 1:44.46 (recorde sul-americano na final) 

Guilherme Basseto (natação) – 100m costas – 53.58 (igualou sua melhor marca)

Guilherme Costa (natação) – 800m livre – 7:46.09 (recorde sul-americano nas eliminatórias) 

Felipe Lima (natação) – 100m peito – 59:17 (eliminatórias) 

Leonardo de Deus (natação) – 200m borboleta – 1:54.83 (eliminatórias) 

Alison dos Santos (atletismo) – 400m com barreiras – 46.71 (recorde sul-americano na final) 

Tatiane Raquel da Silva (atletismo) – 3.000m com obstáculos – 9:36.43 (recorde brasileiro) 

Revezamento 4x400m misto (atletismo) – 3:15.89  

Mais em Tóquio 2020