Siga o OTD

‘Ideia é levar qualidade e atendimento a técnicos e atletas’

Esportes

‘Ideia é levar qualidade e atendimento a técnicos e atletas’

Novo diretor, Tiago Camilo quer reestruturar o Centro Olímpico e mostrou que não está preocupado com interferências políticas: ‘caso eu perceba que o objetivo é outro, não tenho nenhum problema em colocar meu cargo à disposição’

Tiago Camilo construiu uma carreira vitoriosa no judô, com duas medalhas olímpicas, três ouros em Jogos Pan-Americanos e um título Mundial. Fora dos tatames, o ex-atleta se tornou presidente da CACOB (Comissão de Atletas do COB – Comitê Olímpico do Brasil), cargo que deixará no final deste mês. Seu próximo desafio será como diretor do Centro Olímpico de São Paulo, equipamento da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SEME).

+ Flamengo marca no fim e derrota o Fluminense nos pênaltis

O ex-judoca teve seu nome publicado no “Diário Oficial do Município” para realizar a administração do Centro Olímpico, local voltado ao alto rendimento dos esportes olímpicos, situado no Ibirapuera. Tiago Camilo assumiu a direção em meados de dezembro de 2020. Em entrevista exclusiva ao Olimpíada Todo Dia (OTD), ele discorreu sobre essa nova fase de sua vida.

+ Atletico de Madrid, de Ludmila, se reforça com três jogadoras

“É uma grande responsabilidade dirigir um centro de formação que tem história na cidade e que teve no cargo três ex-atletas como Magic Paula, Henrique Guimarães e Rogério Sampaio. E hoje eu tenho o compromisso de dar continuidade ao legado deles. Fico extremamente feliz e honrado com esse desafio. Eu tive uma carreira e passei pela fase competitiva. Agora é a hora de dar a contribuição ao esporte brasileiro”, afirmou Tiago Camilo.

Objetivo no Centro Olímpico

Tiago Camilo é o novo diretor do Centro Olímpico de São Paulo (Guilherme Guidetti/SEME)
Tiago Camilo é o novo diretor do Centro Olímpico de São Paulo (Guilherme Guidetti/SEME)

Neste começo no cargo, Tiago Camilo está se ambientando e já fez reuniões com todos os supervisores das modalidades do Centro Olímpico para entender o papel dele. O ex-judoca quis saber quais são as demandas estruturais e materiais e tem bem definido o seu objetivo. “A ideia é reestruturar o Centro e levar qualidade e atendimento aos técnicos e, principalmente, aos atletas”, disse o medalhista de prata em Sydney-2000.

+ De olho em Tóquio, Bia Bulcão fará treinamentos na Europa

“Eu quero entender o que está ocorrendo em cada modalidade, qual o número de atletas, a faixa etária, o programa de treinos, a agenda de competições. Para que possa auxiliá-los de alguma forma, eu preciso primeiramente saber o que está acontecendo. Quero ter uma gestão técnica e fazer uma integração. Acho que o grande desafio é crescermos como grupo, como Centro Olímpico”, completou Tiago Camilo.

+ Thiago Monteiro começa por Delray Beach busca pelo top 50

Com esse pensamento, Tiago Camilo quer deixar de lado os objetivos individuais de cada esporte. O intuito é fazer com que todos tenham destaque. “Desejo, nesse novo processo, que tenhamos mais atletas brilhando e sendo formados. A meta principal do Centro Olímpico, ou seja, o propósito dele, é o rendimento. Eu sei disso, mas para ter o rendimento é preciso ter a base”, apontou o medalhista de bronze em Pequim-2008.

Mudança importante

“É fundamental termos muitas crianças fazendo esporte, pois o talento sai da quantidade, não tem como. Temos que entender como um processo de excelência. Antes, o Centro Olímpico atendia até certa idade e aí, quando o atleta ia estourar, que é exatamente o período de transição da base ao rendimento, ele ia embora. Isso já foi mudado para que possamos trabalhar com atletas até os 21 anos. Foi uma conquista”, acrescentou Tiago Camilo.

+ A 200 dias dos Jogos, Brasil tem 180 classificados e contando

Tiago Camilo fez questão de reforçar que a modificação ocorreu antes dele assumir o cargo. “Eu cheguei e essa mudança já havia sido feita. Acho que foi importante porque, com isso, você dá continuidade ao trabalho. Desta forma, acabamos com aquela janela que é a transição da base para o rendimento”, ressaltou o ex-judoca. Anteriormente, o Centro Olímpico abrigava crianças, adolescentes e jovens entre 5 e 19 anos. 

Esporte e política

Antes de assumir o Centro Olímpico, Tiago Camilo foi presidente da Comissão de Atletas do COB (COB/Divulgação)
Antes de assumir o Centro Olímpico, Tiago Camilo foi presidente da Comissão de Atletas do COB (COB/Divulgação)

No Centro Olímpico, Tiago Camilo será o responsável pelo programa de formação de atletas de São Paulo. Apesar de o cargo já ter sido ocupado por ex-atletas renomados, nos últimos anos o posto foi preenchido por pessoas sem relação próxima com o esporte. Reinaldo Barreiros, ex-jogador amador de handebol, foi o diretor mais recente, mas, foi dispensado após ser denunciado por suposta irregularidade na ALESP (Assembleia Legislativa).

+ Seletiva Nacional será em março e definirá três seleções

Por ser um cargo público, o posto de diretor do Centro Olímpico já foi usado como moeda de troca política. Em relação a isso, Tiago Camilo destacou como fundamental o alinhamento de expectativas dele com o prefeito Bruno Covas e com Thiago Milhim, novo Secretário de Esportes. “Fico bem tranquilo e confortável quanto a isso. Acredito que fui convidado para dirigir o centro e fazer realmente um trabalho”, declarou.

Alinhar expectativas

“Caso eu perceba que o objetivo é outro, não tenho nenhum problema em colocar meu cargo à disposição. Acho que temos que alinhar expectativas. Se nós estivermos caminhando para a mesma direção temos tudo para fazer um bom trabalho. Farei um documento de reestruturação e sentarei com o secretário de esportes. A partir daí verei quais as possibilidades de execução e entenderei o real sentido de estar ali”, completou Tiago Camilo.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Campeão mundial em 2007, no Rio de Janeiro, vencendo todas as lutas por ippon, Tiago Camilo enfatizou que não ficará se não puder fazer seu trabalho. “Eu não estou aqui para ser peça figurativa. Estou para executar um trabalho e exercer o meu papel como ex-atleta, de 20 anos de seleção, uma carreira construída no esporte. Então, se não for assim, pode chamar outra pessoa que esteja de acordo com a expectativa deles”, concluiu.

Mais em Esportes