Siga o OTD

Classificado para Tóquio 2020, Ícaro Miguel explica comemoração pirata

Tóquio 2020

Ícaro explica comemoração pirata: ‘apostei e cumpri’

Em entrevista ao Olimpíada Todo Dia, atual líder do ranking mundial e já garantido nos Jogos Olímpicos explicou a mão no olho após conquistar títulos, comentou sobre adiamento dos Jogos e mais

crédito: reprodução Instagram

Ícaro explica comemoração pirata: ‘apostei e cumpri’

Quem é fã do esporte sabe que celebrar uma conquista com a mão cobrindo um dos olhos no pódio é a marca registrada do número um no ranking mundial do taekwondo Ícaro Miguel. Mas se engana quem pensa que a comemoração tenha alguma relação com um gosto pessoal do mineiro por histórias de piratas ou corsários.

Em uma live feita no Instagram do Olimpíada Todo Dia, nesta quinta-feira (9), o atleta contou pela primeira vez a origem da comemoração, agradeceu à lenda do MMA Rodrigo Minotauro por pizza paga, falou sobre sua vaga olímpica e muito mais.

Gesto surgiu após aposta do próprio Ícaro Miguel

A explicação da comemoração foi dada pela primeira vez nessa quinta-feira. Ícaro contou que tudo começou em uma noite em São Caetano do Sul, cidade de São Paulo onde o atleta treina e reside, às vésperas da competição mais importante do Brasil de 2018 e que daria a vaga na seleção brasileira.

“Eu estava na república onde moro em São Caetano com alguns amigos. Estávamos conversando, e eu, só pra tirar uma onda, falei: ‘eu vou ganhar esse evento e vou comemorar tampando o olho’. O pessoal duvidou. Eu ganhei e fiz. Aí todo mundo achou legal, começou a brincar e viralizou,” explicou Ícaro Miguel.

Mão no olho em 2021

A comemoração mais lembrada pelo atleta e pelos fãs ocorreu em março deste ano, quando Ícaro se classificou para os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 depois de chegar à final do torneio Pré-Olímpico Pan-Americano realizado em Heredia, na Costa Rica.

Por ser fã de carteirinha do Japão e pela possibilidade de realizar o sonho que tem desde os 10 anos de idade de participar de uma edição de Jogos Olímpicos, Ícaro Miguel disse que estava muito ansioso para competir esse ano e fazer a comemoração no lugar mais alto do pódio, mas que entendeu o adiamento para 2021 em virtude da pandemia do novo coronavírus.

“Eu estava em cima do muro [em relação ao adiamento dos Jogos Olímpicos], mas quando fui vendo a situação do mundo, passei a concordar com o alteração das datas. Foi a melhor decisão, pensando na saúde pública e no rendimento dos atletas. Eu esto treinando em casa e não teria o mesmo rendimento nos Jogos, assim como os outros atletas,” explicou Ícaro.

Ícaro Miguel é o novo líder do ranking mundial e representará o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Pizzada e vaquinha com Minotauro ajudaram no início

Ícaro Miguel lembrou que nem tudo era como hoje no início da carreira. Como muitos outros atletas dos esportes olímpicos, o primeiro taekwondista brasileiro a chegar no topo do mundo sofreu bastante no começo, principalmente para pagar passagens de viagens internacionais.

“Teve uma vez que eu estava classificado para um evento com os melhores do mundo na China. Só que eu tinha acabado de voltar de lá e não tinha dinheiro para voltar. Sem patrocínio, fiz uma “tarde da pizza”, onde todos os meus amigos colaboraram, e uma ‘vaquinha’ online. Até o Minotauro participou,” relembrou Ícaro.

Vagas do taekwondo em Tóquio

Após terminar os Jogos Pan-Americanos de Lima com sua melhor campanha, o taekwondo brasileiro que fazer história em Tóquio. Além de Ícaro Miguel, Edival Pontes, o Netinho, e Milena Titoneli, vão representar o Brasil na modalidade.

+ VEJA TODOS OS BRASILEIROS GARANTIDOS EM TÓQUIO

Na história das Olimpíadas, o taekwondo já garantiu dois bronzes ao Brasil, com Natália Falavigna, em Pequim 2008, e Maicon Siqueira, na Rio 2016.

Mais em Tóquio 2020