Siga o OTD

Tóquio 2020

Nory quer fortalecer ombro e admite preocupação com a lesão

Medalhista de bronze nos Jogos Rio-2016 e campeão mundial na barra fixa em 2019, o ginasta participou da estreia do programa Debate Olímpico nesta quinta-feira (14)

Nory Tóquio Ombro
Arthur Nory quer trabalhar para deixar seu ombro mais forte, mas sem atrapalhar a flexibilidade (Ricardo Bufolin/CBG)

O ginasta Arthur Nory participou nesta quinta-feira (14) da estreia do programa Debate Olímpico, no canal Vamo Junto no Youtube, atração feita em parceria com o Olimpíada Todo Dia. O atleta, medalhista olímpico na Rio-2016, bronze no solo, e campeão Mundial em 2019, na barra fixa, conversou sobre diversos temas, entre eles, o problema com as dores no ombro direito, a preparação para Tóquio e a nova geração da ginástica.  

+ Mayra supera pesadelo e ruma para penúltimo ato olímpico

“Sobre meu ombr,o vou falar a verdade. Tem dia que acordo pensando que é só uma fase e que tenho que ocupar a cabeça e me reinventar. Porém, já teve dia que acordei e me lembrei de quando falei com o médico e ele me deu garantia até setembro de 2020. Em alguns momentos estou mais pensativo, mas é preciso usar esse tempo para traçar estratégias e planejamento”, afirmou Nory.

“Não estou sozinho nisso, pois tenho uma equipe que vai me ajudar. Vamos analisar em quais competições vou poder participar no ano que vem e trabalhar para deixar esse ombro mais forte, sem atrapalhar muito a flexibilidade. É controlar a minha cabeça nesse momento para estar bem ano que vem. Tenho que me ocupar e treinar minha mente”, acrescentou o ginasta em declaração veiculada no programa Debate Olímpico.

+ Brasil vai disputar Pré-Olímpico no fim de junho de 2021

A atração apresentada pela influencer Jojoca contou também com a presença de Jorge Bichara, diretor de esportes do Comitê Olímpico do Brasil (COB). O dirigente fez observações sobre a lesão de Nory no ombro direito. “A cirurgia na articulação é difícil pela amplitude do movimento do ombro. Ainda temos um tempo pela frente para avaliar como será a evolução e para fortalecer esse ombro e, depois, tomar decisões importantes. O melhor será feito e o Nory certamente vai chegar lá muito bem”, disse Bichara.

Superação na conquista do Mundial

Nory Tóquio Ombro
Arthur Nory correu o risco de não participar do Mundial de 2019 (Ricardo Bufolin/CBG)

Em novembro de 2017, Nory sofreu uma ruptura no tendão do ombro direito e teve que passar por sua terceira cirurgia no local. Essa lesão comprometeu a temporada seguinte, mas o ginasta voltou a competir e, em 2019, ganhou a medalha de ouro na barra fixa no Campeonato Mundial de Stuttgart, na Alemanha. O título de melhor do mundo quase não virou realidade por causa do ombro que tem atrapalhado a carreira do atleta.

+ COI evita condicionar Jogos à vacina e cria fundo de ajuda

“Depois que fiz a ressonância perguntei ao médico: meu ombro vai aguentar? E a resposta foi positiva. Sou muito entregue a esses profissionais. Foi muita confiança nos médicos. Respeito muito o que meu médico, técnico e fisioterapeuta falam. Acredito na minha equipe. Depois que ele disse que aguentaria eu desencanei do problema porque os médicos estavam acompanhando meus treinos junto com meu treinador. Eles estavam sempre me supervisionando”, contou o ginasta.

“No Mundial não senti dor. Quando o atleta está na competição ele se foca e deixa de lado a dor. Eu me prepararei para aquele momento, então era eu e o aparelho quando entrei no ginásio. O médico vinha me perguntar todo dia e eu dizia que estava bem. Não fiz individual geral pensando no meu ombro. Peguei final na barra e foquei nela. Em um campeonato como o Mundial o atleta tem que estar preparado e confiante para chegar lá e fazer no dia o que fez durante todos os treinos”, destacou Nory.

+ Casos caem e Japão retira estado de emergência de 39 prefeituras

Bichara participou mais uma vez e fez uma revelação dos bastidores que antecederam o Mundial. “Um mês antes do Mundial estávamos fazendo uma ressonância no ombro dele para saber se seria cortado ou não. Nós estávamos avaliando isso com os médicos porque ele vinha de um processo de recuperação e havia uma dúvida se conseguiria participar. Depois da avaliação e, mesmo com um quadro de lesão, ele disse que suportaria aquele um mês de treinos que tinha pela frente e, um mês depois, estava no lugar mais alto do pódio”, contou o dirigente.   

Preparação para Tóquio e destaque da nova geração

Nory Tóquio Ombro
Arthur Nory treina de forma virtual durante a quarentena (Ricardo Bufolin/CBG)

Em quarentena por causa da pandemia de coronavírus, Nory segue treinando da maneira que é possível pensando na preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, que mudou de 2020 para 2021 e será realizado de 23 de julho a 8 de agosto. O ginasta medalhista de bronze no solo na Rio-2016 contou sobre as atividades que tem feito juntamente com outros atletas.

+ Campeãs brasileiras, Ana Patrícia e Rebecca destacam regularidade

“A única competição que sabemos que vai ter é a Olimpíada em 2021. Estamos nos reinventando nessa quarentena. O grupo de treinos que criamos para expandir a ginástica começou no Pinheiros e realizamos encontros virtuais todos os dias pela manhã. Em seguida, abriu para a seleção e hoje tem mais de 70 pessoas que estão envolvidas com a ginástica masculina. Essa proximidade é importante para unir e fortalecer a ginástica”, comentou Nory.

Nory também falou sobre o ginasta Diogo Soares, uma das promessas da modalidade para os Jogos de Tóquio. Mesmo na transição para o adulto, o jovem de 17 anos, nascido em Piracicaba, já tem um currículo com conquistas: duas medalhas em Jogos Olímpicos da Juventude, uma em Mundial Júnior, vice-campeão Pan-Americano, campeão Sul-Americano e dez vezes campeão brasileiro.

+SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

“O Diogo é um ginasta especial, principalmente por sua história. É um atleta legal de treinar junto porque é bastante competitivo. Ele é confiante e bate no peito de que vai fazer e vai lá e faz. É também bom competidor, por ser bem frio. Ele ganhou esse ano para amadurecer e vai crescer cada vez mais. Acredito bastante nele e estou torcendo para estarmos juntos em Tóquio, Paris e Los Angeles. Ele vai ter que treinar muito porque estarei ali incomodando”, analisou Nory.

Mais em Tóquio 2020