Siga o OTD

Mesmo experiente, Cristiane não se sente garantida em Tóquio Covid-19

Tóquio 2020

Cristiane lamenta ausência na Olimpíada: “Seria minha última”

Principal goleadora de todos os tempos nos Jogos Olímpicos, Cristiane destaca bom momento e demonstra surpresa com não convocação

(Divulgação/CBF)

Cristiane lamenta ausência na Olimpíada: “Seria minha última”

Principal ausência da convocação da seleção brasileira feminina para os Jogos Olímpicos de Tóquio, anunciada nesta sexta-feira (18) pela técnica Pia Sundhage, a atacante Cristiane se pronunciou pela primeira vez após a divulgação da lista. Em postagem feita pelas redes sociais, a atleta lamentou o fato de ter ficado de fora do que seria a sua última Olímpiada.

“Seria minha última Olimpíada, pra fechar um ciclo como a maior artilheira de todos os tempos na modalidade- no feminino e masculino. São 14 gols, é bastante coisa, e mais do que isso, é lembrar que desde a minha 1ª participação na Seleção, em 2003, faço parte de uma geração que abriu portas para o desenvolvimento da modalidade, crescimento e profissionalização do Futebol Feminino no Brasil”, escreveu a atacante.

+ André Jardine convoca seleção olímpica com Pedro e Daniel Alves

Ainda em seu texto, a atleta que atualmente defende as cores do Santos destaca estar vivendo um momento fisicamente e não sofrer nenhum tipo de lesão recente, além de relembrar a sua contribuição importante no grupo na última grande competição da seleção, na Copa do Mundo de 2019, quando marcou quatro gols pela camisa verde amarela.

“Desde 2019, voltei da China pensando em me manter bem física e mentalmente, para poder fazer o que mais amo que é jogar futebol. Fiquei 6 meses lesionada e acabei conseguindo a convocação para a Copa do Mundo com a confiança do treinador de que eu faria a diferença – ainda que com 70 minutos em campo. Fiz 4 gols, contribui com todo meu eu, como sempre faço e sempre farei. Minha dedicação é integral, minha entrega é 100%.”, publicou.

Dona de duas medalhas olímpicas de prata com a seleção brasileira (Atenas 2004 e Pequim 2008), Cristiane é a maior goleadora de todos os tempos dos Jogos Olímpicos considerando os dois gêneros com 14 gols marcados em quatro edições disputadas.

Apesar de ter sido chamada na maior parte da era de Pia Sundhage, a atacante já havia sido ausência sentida na penúltima convocação da treinadora sueca, visando os amistosos contra a Rússia e Canadá. Nesta sexta, em coletiva após o anúncio das convocadas para a Olímpiada de Tóquio, a técnica comentou sobre a não convocação da histórica camisa 9 da seleção brasileira.

Olímpiada seleção feminina Pia Sundhage
Pia Sundhage convocou 18 atletas para representar o Brasil em Tóquio nesta sexta (Richard Callis/SPP/CBF)

“Normalmente, não respondo sobre jogadoras não chamadas, acho um insulto às que foram convocadas, mas vou falar em respeito à Cristiane. Ela tem uma linda história pela seleção e respeitamos muito isso. Porém, temos observado de perto as jogadoras em seus clubes, e acredito que temos jogadoras em condição de representar bem a seleção”, avaliou Pia Sundhage.

Confira a publicação completa de Cristiane:

“Hoje deveria ter sido um dia de muita comemoração, celebração. Um dia tão importante para o futebol feminino e um dia que a expectativa era estar ali, dentro das 18 convocadas para representar o Brasil em Tóquio. Passa muita coisa na cabeça. Meu foco, claro, sempre foi estar lá. Toda atleta profissional busca a Seleção.

E esse seria minha última Olimpíada, pra fechar um ciclo como a maior artilheira de todos os tempos na modalidade- no feminino e masculino. São 14 gols, é bastante coisa, e mais do que isso, é lembrar que desde a minha 1ª participação na Seleção, em 2003, faço parte de uma geração que abriu portas para o desenvolvimento da modalidade, crescimento e profissionalização do Futebol Feminino no Brasil.

Desde 2019, voltei da China pensando em me manter bem física e mentalmente, para poder fazer o que mais amo que é jogar futebol. Fiquei 6 meses lesionada e acabei conseguindo a convocação para a Copa do Mundo com a confiança do treinador de que eu faria a diferença – ainda que com 70 minutos em campo.

Fiz 4 gols, contribui com todo meu eu, como sempre faço e sempre farei. Minha dedicação é integral, minha entrega é 100%. E sempre será.

Neste ano, são mais de 8 meses sem lesão, com parâmetros físicos superiores ao que tive em 2019 e dentro de todos os parâmetros da Seleção Brasileira. Sem isso, não seria possível dizer que estou pronta. Voando, literalmente, em todo jogo e mantendo a intensidade física. Acha que é mole dar mais de 40 sprints no jogo?

Meu momento fisico hoje é resultado do investimento que fiz em uma preparação fisica individual com o pessoal da @move2healthbr, do apoio e gestão da @sowsports e do meu empenho em estar bem e feliz fazendo o que eu amo: jogar futebol.

Sigo à disposição da Seleção Brasileira e fico na torcida pelas companheiras de grupo e pelo Brasil. Sigo feliz com a minha família, e trabalhando forte pra continuar bem e ajudando o Santos no Campeonato Brasileiro – Amanhã já tem jogão. Agradeço a todos que me seguem e torcem por mim e aos que me enviaram mensagens. Muito obrigada pelo carinho de vcs!”

Mais em Tóquio 2020