Siga o OTD

Tóquio 2020

Ane Marcelle fecha quali do tiro com arco na 33ª colocação

Impaciente, arqueira Ane Marcelle oscila demais e terá uma chave eliminatória complicada para avançar em Tóquio

Ane Marcelle fecha quali do tiro com arco na 33ª colocação

As melhores do mundo desfilaram categoria na abertura do tiro com arco feminino dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. No Yumenoshima Park, Ane Marcelle foi a representante brasileira na qualificatória de 72 flechas e terminou na 33ª colocação entre 64 competidoras.

Nesta posição, Ane Marcelle, que anotou 636, vai enfrentar a mexicana Ana Vazquez na 1ª fase elminatória. Vazquez fez um ponto a mais (637) do que a brasileira na qualificatória. No Pan-Americano 2018 de tiro com arco, a brasileira enfrentou Vazquez e foi superada pelo placar de 7 a 1

+ Confira TUDO sobre a disputa do Tiro com arco nos Jogos Olímpicos de Tóquio

A disputa em Tóquio promete ser emocionante, mas, se avançar, a atleta brasileira deve encarar a sul-coreana An San que bateu o recorde olímpico ao fazer 680! O recorde anterior era da ucraniana Lina Herasymenko. A marca foi feita em Atlanta-1996 e já durava 25 anos.

Constantemente inconstante

Ane Marcelle não falou com a imprensa logo após o término da qualificação e não há como saber o que se passou ao longo das 72 flechas. Mas foi possível acompanhar de perto o técnico da arqueira.

Jorge Luiz Carrasco pediu, por diversas vezes, calma para sua atleta, gesticulando para que a brasileira fizesse pequenas pausas entre cada disparo. A arqueira tem um estilo próprio e dispara uma flecha atrás da outra.

Ane Marcelle tiro com arco Tóquio
Ane Marcelle terá caminho complicado pela frente (Jonne Roriz/COB)

Até as 36 primeiras flechas, a arqueira manteve uma média constante, mas decaiu muito após o intervalo e despencou na classificação.

A pior pontuação no tiro com arco, além de errar o alvo e zerar, é acertar a flecha e somar um único ponto. Foi exatamente isso que Ane Marcelle fez.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBETWITTERINSTAGRAMTIK TOK E FACEBOOK

Surpreendentemente, ela voltou com tudo na parte final, recuperou algumas posições e mostrou muita competência. E é dessa qualidade que Ane Marcelle vai precisar para chegar perto do desempenho alcançado nos Jogos Olímpicos do Rio-2016, onde terminou no nono lugar.

Mais em Tóquio 2020