Siga o OTD

O atletismo brasileiro garantiu mais uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2021, neste sábado (12). Felipe Vinicius dos Santos (AABLU) terminou em primeiro no decatlo no Troféu Brasil, com 8.364 pontos, e se garantiu na Olimpíada. O decatleta alcançou o índice, que era de 8.350. Com esse resultado, o competidor paulista se tornou o segundo melhor brasileiro da história na prova, atrás apenas de Carlos Chinin, que tem 8.393 e 8.388.

Os Olímpicos

Quem brilhou no fim de semana pelo mundo

Veja quem se destacou no mundo olímpico neste sábado e domingo, com direito a mais uma vaga do Brasil em Tóquio-2020

Felipe dos Santos conquistou um excepcional resultado no decatlo e e confirmou seu índice olímpico (Wagner Carmo/CBAt)

Quem brilhou no fim de semana pelo mundo

Felipe dos Santos

O decatleta brasileiro foi o grande destaque do Troféu Brasil de Atletismo que terminou no último domingo (13), em São Paulo. O paulista de 26 anos foi brilhante na sexta-feira e no sábado e somou 8.364 pontos, 14 acima do índice olímpico para a prova combinada, melhorando sua marca pessoal em 345 pontos, para se tornar o segundo melhor brasileiro da história, atrás apenas dos 8.393 pontos de Carlos Chinin de 2013.

Para chegar à ótima pontuação, Felipe bateu quatro marcas pessoais: 7,64 m no salto em distância, 2,07 m no salto em altura, 4,90 m no salto com vara (ele tem 5,10 m indoor) e 59,82 m no lançamento de dardo. Os 8.364 pontos são a melhor marca do mundo em 2020.

Karl Geiger

O alemão se tornou no sábado campeão mundial da modalidade de Ski Flying em Planica, na Eslovênia. O Mundial estava marcado para março, mas foi adiado pela pandemia. Nesta modalidade dos salto em esqui, os atletas percorrem distâncias muito maiores, chegando próximos dos 250 m de puro voo.

Após quatro rodadas de saltos, Geiger somou 877,2 pontos contra 876,7 do norueguês Halvor Egner Granerud e 859,3 do alemão Markus Eisebichler, que completaram o pódio. Na prova por equipes no domingo, a Noruega venceu com 1.727,7 pontos contra 1.708,5 da Alemanha. Geiger tem uma prata olímpica e dois títulos mundiais, todos em provas por equipe, e foi prata no Large Hill no Mundial de 2019.

Hifume Abe

A equipe japonesa de judô já estava praticamente definida desde o início do ano e só restava uma vaga, nos 66kg masculino. A disputa estava apertada entre Hifume Abe e Joshiro Maruyama. Abe foi campeão mundial em 2017 e 2018, enquanto Maruyama venceu o Mundial de 2019, em Tóquio. No circuito Mundial, eles já tinham se enfrentado quatro vezes, com duas vitórias para cada lado.

Neste domingo rolou a luta que definiria a vaga olímpica. E seria apenas um confronto. A luta terminou empatada e foi pro golden score. E foram necessários intermináveis VINTE minutos de GS para que Abe vencesse e garantisse presença nos Jogos de Tóquio. Com isso, deveremos ter um histórico dia em 25 de julho, quando Abe, nos 66kg, e sua irmã Uta Abe, nos 53kg, competirão com grandes chances de ficarem com o ouro no mesmo dia, como aconteceu no Mundial de 2018.

Perrine Laffont

A francesa venceu no sábado em Idre, na Suécia, mais uma etapa da Copa do Mundo de Moguls, modalidade do Esqui Estilo Livre, com 82,53 pontos na decisão.

Não satisfeita, a campeã olímpica de 2018 também foi campeã no domingo na prova não olímpica de Dual Moguls e, com essas vitórias, chegou a 20 conquistas na Copa do Mundo. Ela venceu as três etapas disputadas nesta temporada.

Mais em Os Olímpicos