Siga o OTD

Lucarelli - Douglas Souza - Renan Dal Zotto - Seleção masculina de vôlei

Tóquio 2020

Lucarelli e Douglas celebram volta de Renan e destacam trunfos da seleção

Renan Dal Zotto relembra recuperação e apoio, e Lucarelli e Douglas Souza exaltam grupo completo e pronto para Tóquio

(Nadine Eyes/Divulgação)

Lucarelli e Douglas celebram volta de Renan e destacam trunfos da seleção

A seleção masculina de vôlei está finalmente completa. Depois de um grande susto no começo do ano, quando Renan Dal Zotto ficou mais de um mês internado por causa da Covid-19, o comandante está reunido com o time do Brasil e pronto para buscar o bicampeonato olímpico em Tóquio 2020. E quem não poderia estar mais feliz, além do próprio técnico, são os jogadores, como Lucarelli e Douglas Souza.

“Muito feliz de estar aqui, porque passei por um momento bastante delicado na minha vida. Saí do hospital no dia do primeiro amistoso do Brasil. Queria muito ter ido ver os garotos lá, mas não tinha condições. Depois consegui manter contato com eles, tive uma recuparação muito boa, mas muito dura, diária. Cheguei a lembrar os tempos de atleta lá atrás… E era contagem regressiva para chegar aqui. Mas deu tudo certo e estamos aqui em condições plenas para focar nas atividades”, destacou Renan, em coletiva de imprensa neste domingo (18), pontuando que segue em recuperação, com trabalhos de fisioterapia, especialmente respiratória.

+Brasil vence República Dominicana e fecha Mundial Sub-20 em sétimo

“Foi uma situação muito complicada, nosso comandante na situação que ele passou… Ficar recebendo noticias era angustiante, então a gente ficava muito feliz quando a esposa dele passava informaçõe da melhora dele E vê-lo recuperado foi muito bom, vendo que ele está bem para estar conosco… Ele tem uma energia muito legal e fez muita falta”, relembrou Lucarelli.

Corrente de fé

Um dos pontos destacados por Renan Dal Zotto como fundamentais para sua recuperação foi uma corrente de fé muito grande pela sua saúde. “Foi uma luta incrível e a vontade de estar aqui era muito grande. Eu devo a minha recuperação aos médicos, ao hospital, ao meu modelo de vida muito sadável. Mas eu gosto sempre de registrar uma coisa importante: uma corrente de fé que se criou muito grande, de familiares, amigos e torcedores. Isso foi uma coisa incrível e tenho certeza que fez toda a diferença”.

E essa corrente este mais do que presente dentro da própria seleção masculina de vôlei. “Foi uma situação muito delicada de acompanhar de longe, mas estávamos mandando a maior energia possível. A gente sabia que ele ia sair o mais rápido possível e estaria aqui com a gente. E conseguimos tirar uma motivação a mais, porque a gente tinha que deixar ele orgulhoso, sem deixar ele passar raiva… Então tentamos levar pelo lado positivo”, completou Douglas Souza.

Trunfos da seleção

Atual campeã olímpica, a seleção masculina de vôlei vem forte para defender o bicampeonato, embalada pela conquista da Liga das Nações, com uma atuação impecável. Lucarelli, Douglas Souza e Renan analisaram, então, os pontos fortes do grupo e as chances de medalha, mas pregando os pés no chão.

“Desde 2017, a gente vem construindo uma coisa bacana e temos esse sonho de conquistar a medalha de ouro. O Brasil é visto como um dos favoritos ao título, ao lado de outras seis seleções, e todos os jogos vão ser duríssimos. Mas a expectativa de fazer um ótimo resultado é muito grande. Fico feliz de ter conquistado a vitória pela vida, mas quando acordei, comecei uma contagem regressiva para chegar nesse momento. E meu segundo maior objetivo é, então, buscar uma medalha e, se possível, de ouro”, disse Renan Dal Zotto.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

“A gente teve um chaveamento complicado em 2016 e agora é bem complicado novamente. Mas acho que, com uma fase de grupos assim, você chega para fase final mais cascudo. Temos plena confiança na nossa equipe, um grupo bom tecnicamente e fora de quadra, e isso faz diferença. Acredito que o nosso ponto forte seja mesmo o grupo. Temos um time muito completo, que mantém o nível independente de quem jogue. Nós temos realmente 14, 15 jogadores com condição de serem titulares e isso é uma força que dificilmente outras seleções tem, com qualidade em todas as posições. Mas a gente tem que tentar sempre melhorar, ganhamos a Liga das Nações, mas isso não garante nada. Então temos de manter os pés nos chão. Sabemos nosso objetivo e que vamos conquistá-lo passo a passo”, concluiu Lucarelli.

Mais em Tóquio 2020