Siga o OTD

Milena Titoneli - Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 - Gaspar Nóbrega COB

Tóquio 2020

Titoneli vai para a repescagem e Ícaro perde na estreia da Olimpíada

Milena Titoneli consegue vaga na repescagem e está viva na busca do bronze; Ícaro perde na primeira luta

Gaspar Nóbrega / COB

Titoneli vai para a repescagem e Ícaro perde na estreia da Olimpíada

Tóquio – Avisa que a chance é dela! Diferente do esperado, o taekwondo brasileiro vai em busca apenas de uma medalha de bronze. No domingo (25), Netinho foi o primeiro a competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e acabou eliminado na primeira luta, mesmo enredo se repetiu com Ícaro Miguel nessa segunda (26). Milena Titoneli, então, é a única brasileira na disputa. Ela venceu as oitavas e, nas quartas, sofreu um revés para a croata, que ao avançar na competição levou a brasileira para a repescagem e ainda viva na disputa do bronze.

+GUIA DOS JOGOS OLÍMPICOS DE TÓQUIO

Oitavas

Foi com muita emoção. Em sua estreia olímpica na carreira, Milena Titoneli abusou da adrenalina e do coração do torcedor. Enfrentando Julyana Al-Sadeq, da Jordânia, a brasileira começou bem e terminou os primeiros dois minutos com a vantagem de 4 a 2. No segundo round, Milena viu a adversária crescer e deixar o duelo igual, em 5 a 5, para o último round.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBETWITTERINSTAGRAMTIK TOK E FACEBOOK

Nele, as duas atletas se estudaram durante os primeiros minutos e Julyana conseguiu abrir vantagem no momento certo, fazendo 8 a 6 dentro do último minuto. Precisando reagir, Milena Titoneli foi para o tudo ou nada e conseguiu a igualdade faltando 11s, em 8 a 8, e forçou o round desempate. Nele, mais uma vez, Al-Sadeq esteve em vantagem a poucos segundos do fim. Arriscando tudo, Titoneli igualou o marcador e deixou a decisão da vitória para os árbitros. Após análise, os juízes declararam a brasileira como vencedora e ela seguiu para as quartas.

“Eu já tinha perdido duas vezes pra ela e eu sempre acabava pendendo pra ela na base fechada. E aí eu já saia em desvantagem pelo giratório dela. Era muito difícil buscar, porque ela tem uma defesa e o contra ataque muito bom. Estudei exatamente para não tomar esse golpe, que era o ponto mais forte dela e em momento nenhum dava chance dela pontuar. Treinei muito tempo, já sabia a chave que ia pegar e acabando dando certo; eliminei a maior arma dela, assim como a croata fez comigo e consegui pontuar da minha forma,” analisou Milena

Quartas

A disputa já começou com vantagem da croata Matea Jelic por 5 a 0. Milena tentou encostar com soco e acertou um golpe na cabeça aproximando no primeiro round por 7 a 6. Mas daí em diante o confronto foi quase todo dominado pela adversária. Titoneli buscava, mas a vantagem aumentou para onze pontos. Coube ao terceiro período sacramenta o resultado por 30 a 9. A croata venceu as quartas e, com o resultado, leva Milena assim para a repescagem e uma chance de estar na briga pelo bronze em Tóquio 2020.

“Ela foi totalmente superior a mim na luta. Porque a minha maior arma contra ela sempre foi a minha velocidade e o soco e ela conseguiu me pegar justamente nesse soco. Toda vez que eu entrava pra socar, ela me dava um contra ataque e acabava pontuando. E aqui a arbitragem está mais difícil e eu acabava não pontuando também. Mérito total da atleta e eu tenho que estudar mais ela para as próximas lutas, treinar mais em cima disso,” completa.

Ícaro Miguel perde na estreia

Ícaro em sua estreia nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, no taekwondo - Foto: Gaspar Nóbrega / COB
Ícaro em sua estreia nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, no taekwondo – Foto: Gaspar Nóbrega / COB

Outro brasileiro que subiu ao tatame neste domingo (25), Ícaro Miguel teve uma estreia muito difícil. No combate contra Simone Alessio, da Itália, o brasileiro foi dominado durante todo o tempo em que esteve no tatame. Já na terceira parte, quando o placar mostrava 22 a 3 para o italiano, o brasileiro sofreu um toque no nariz e se retirou do duelo. Como Alessio foi derrotado no combate seguinte, Ícaro acabou eliminado dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Única chance do Brasil agora é com Milena Titoneli.

*texto por Giovana Pinheiro e Paulo Chacon

Mais em Tóquio 2020