Siga o OTD

Paralímpicos

A um ano dos Jogos, Jane Karla mira em medalha paralímpica

Após bater três recordes mundiais no ano passado, goiana busca primeira medalha paralímpica em sua quarta participação no evento por duas modalidade diferentes

Com quatro eventos paralímpicos no currículo, será a segunda participação de Jane Karla no tiro com arco (Daniel Zappe/CPB/MPIX)

A um ano dos Jogos, Jane Karla mira em medalha paralímpica

Daqui exatos 365 dias, Jane Karla estará no Japão iniciando a sua disputa por uma medalha no tiro com arco na disputa dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, adiados para 2021. Aos 44 anos, a atleta trabalha diariamente para conquistar a sua tão sonhada medalha paralímpica em sua quarta participação no evento.

Os resultados recentes geram uma boa expectativa para o evento da capital japonesa. Além do sexto lugar na disputa do Mundial de tiro com arco paralímpico, que garantiu a vaga brasileiro nos Jogos Paralímpicos, a arqueira bateu três vezes o recorde mundial paralímpico da modalidade. Mesmo sabendo que é uma das favoritas, Jane prefere tirar essa responsabilidade de seus ombros e lembra como a modalidade é decidida nos detalhes.

+ Brasileiros classificados para a Paralimpíada do ano que vem

“Favoritos temos muitos e tiro com arco é um esporte que favorece atletas com bons momentos. Então, o que conta é a preparação e o momento dentro da competição. Estou fazendo tudo o que é possível para aumentar as possibilidades de ter um bom momento em Tóquio”, declarou a atleta em contato com o OTD.

Diagnosticada com poliomielite na infância, Jane Karla iniciou no paradesporto apenas com 28 de idade. O começo foi com o tênis de mesa, modalidade que se sagrou bicampeã dos Jogos Parapan-Americanos e disputou duas Paralimpíadas.

+ CPB mantém Hamamatsu como sede para aclimatação em Tóquio

Vantagem pela experiência

No entanto, a atleta se viu obrigada a trocar de esporte. Após ter tentado a esgrima, Jane Karla se encontrou com o arco nas mãos. Com a troca feita em 2015, não demorou muito para que os resultados aparecessem. Logo em seu primeiro ano no tiro com arco se colocou entre as dez melhores do mundo e conquistou o ouro no Parapan-Americano de Toronto e se classificou para a disputa dos Jogos do Rio.

Destaques femininos Paralimpíadas Tóquio
Jane Karla é um destaque femininos para a Paralimpíada de Tóquio (Divulgação/Nissan)

Passados os quatro anos do ciclo paralímpico, Jane Karla agora chega a disputa com uma experiência maior na modalidade. Mesmo com ótimos resultados obtidos durante o período, tendo inclusive liderado o ranking mundial, a atleta goiana prefere não criar grandes expectativas.

“Minha expectativa sempre é sempre colocar em pratica o que treinei e com isso chegar em um grande resultado. Vou em qualquer competição com foco em fazer o meu melhor e as Paralimpiadas não é diferente. Estou fazendo tudo que posso para chegar bem preparada em Tóquio”, avaliou a atleta que ressalta ainda as fortes concorrentes que precisará superar na briga por uma medalha.

+ Jane Karla e Lethícia comemoram disputa em Tóquio em família

Treinos adaptados

“Temos muitos países com ótimos atletas. Singapura tem a atual campeã mundial, China a campeã do Rio, Rússia a número 1 do mundo, Itália, Canadá, França e Coréia são tradicionalmente fortes no tiro com arco e Japão com certeza está preparando muito forte para os Jogos em casa. No fim, a adversária mais difícil é a próxima”, avaliou.

Jane Karla tem treinado tiro com arco de maneira improvisada em casa
Jane Karla tem treinado de maneira improvisada em casa (Instagram/janetiroarco)

Além das fortes rivais, a atleta precisará superar outra dificuldade pelo seu sonho. Morando em Portugal, onde representa o tradicional clube do Sporting, Jane Karla tem encontrado problemas para conseguir treinar por conta da pandemia do coronavírus. Com o clube fechado, a atleta tem treinado de maneira improvisada dentro de casa a uma distância de apenas 5 metros, algo bem diferente dos 50 m das competições oficiais.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

“Aqui o esporte ainda não funciona normalmente. Meu treino ainda está sendo improvisado dentro de casa. Estou preparando um campo próprio aqui para treinar e assim voltar à minha rotina de treino normal”, completou.

Mais em Paralímpicos