Siga o OTD

John Coates COI olimpíada de tóquio

Laguna Olímpico

As duras regras para os atletas competirem na Olimpíada de Tóquio

Entre os protocolos de saúde já divulgados, estão testes de Covid-19 a cada quatro dias e limitação de deslocamento na cidade

Em entrevista, o australiano John Coates deu algumas pistas sobre os protocolos sanitários de Tóquio-2020 (Christophe Moratal/COI)

As duras regras para os atletas competirem na Olimpíada de Tóquio

Aos poucos, vão sendo anunciados, de forma extraoficial, quais serão os protocolos de saúde dos atletas que disputarão a Olimpíada de Tóquio (caso seja confirmada), a partir do dia 23 de julho. E como já se desconfiava, as regras serão severas e bem restritivas. Afinal, até a abertura dos Jogos, é praticamente impossível assegurar que todos os participantes estejam vacinados contra a Covid-19. A menos que deixem o aspecto moral de lado e comecem a furar a fila das vacinas, ainda bem restritas em todo o mundo.

Uma entrevista do vice-presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), o australiano John Coates, à rede Sky News, desvendou um pouco mais o mistério sobre quais são os planos que o comitê organizador de Tóquio-2020 está fazendo para conter os riscos de surtos de Covid-19 durante a Olimpíada e Paralimpíada.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Siga

Alguns já tinham sido divulgados, como por exemplo que nenhum atleta fará quarentena ao chegar a Tóquio. Em compensação, terá que passar por testes 72 horas antes de viajar para o Japão, de seu país de origem. Também já se sabia que a recomendação para todos os participantes é chegar à capital japonesa cinco dias antes de sua competição. Já para deixar o país, o prazo estipulado será o de 48 horas após encerrada a participação do atleta.

Na entrevista, contudo, John Coates deixou escapar que as regras poderão ser ainda mais rígidas. “Eles serão testados assim que chegar a Tóquio, no aeroporto, e serão testados a cada quatro dias, se continuarem negativos. Ficarão limitados à Vila Olímpica e ao transporte apenas ao local de treino e de competição, sem poderem ir à cidade”, disse Coates à Sky News.

Esta espécie de “bolha olímpica” deverá ter suas regras anunciadas de forma oficial no final de março, quando tanto os organizadores quanto o COI irão definir se a Olimpíada contará ou não com a presença de público. “Será uma decisão que tomaremos até abril. Pode ser que não teremos espectadores estrangeiros. Devemos prolongar estas decisões o máximo que for possível”, afirmou o dirigente australiano.

Em menor proporção, este modelo bem restritivo para Tóquio-2020 foi utilizado em um evento de ginástica artística realizado em novembro do ano passado. Foi o primeiro evento olímpico internacional no Japão desde que a pandemia do coronavírus começou, também com restrição dos atletas ao hotel e local de competição.

Um público total de 2 mil pessoas (apenas japoneses) acompanhou a disputa, que não registrou nenhum caso positivo entre os atletas dos quatro países participantes, que foram o Japão, Estados Unidos, Rússia e China.

Clique no link e seja você também um apoiador do blog. Ajude a combater a monocultura esportiva no Brasil

Mais em Laguna Olímpico