Siga o OTD

Ana Sátila - Pepê Gonçalves - Missão Europa - Tóquio 2020

Canoagem Slalom

Ana Sátila e Pepê recebem barcos que serão usados em Tóquio

De olho na preparação para Tóquio, atletas treinam na França e República Tcheca, respectivamente, e exaltam Missão Europa

Ana Sátila está treinando em Pau, na França (Rafael Bello/COB)

Ana Sátila e Pepê recebem barcos que serão usados em Tóquio

Portugal é a principal base da Missão Europa, mas alguns atletas brasileiros têm se espalhado pelo continente em busca das melhores condições de treino. É o caso de Ana Sátila e Pepê Gonçalves, que serão os representantes do Brasil em Tóquio 2020 na canoagem slalom. Eles estão treinando, respectivamente, na França e na República Tcheca, e nesta semana, receberam novos barcos, os quais serão usados nos Jogos no ano que vem.

“Estávamos há um ano sem trocar de equipamento e poder vir à Europa, buscar os novos, os equipamentos olímpicos, mirando os Jogos, nos dá um conforto muito grande”, celebrou Pepê.

+Thiago Monteiro cai na 3ª rodada de Roland Garros; Bia avança

Missão Europa

Além disso, tanto Ana Sátila quanto Pepê não estavam totalmente parados antes da Missão Europa. Eles vinham treinando no Parque Olímpico de Deodoro, no Rio de Janeiro, há dois meses e usando as dependências do CT Time Brasil para fazer a parte física. No entanto, os dois atletas exaltaram a oportunidade dada pela Missão Europa, pensando especialmente em Tóquio 2020.

Pepê Gonçalves - Ana Sátila - Missão Europa - Tóquio 2020
Pepê Gonçalves treina na Repúbica Tcheca (Divulgação/COB)

“Hoje estou podendo treinar com a número um do ranking mundial e campeã dos Jogos Olímpicos no Rio. Isso nos traz muita experiência, é um feedback muito importante. Exigiu muito esforço de todos os envolvidos para eu estar aqui realizando esse sonho, esse projeto incrível. Então tenho me dedicado 100% diariamente para fazer valer esse empenho de todo mundo”, destacou Ana Sátila.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

“Para mim, é importante estar na Missão e poder treinar numa pista diferente, com estímulos de água diferentes, voltando a treinar com um técnico europeu, o Vavra (Hradilek). Ele ainda está em atividade e, por isso, acrescenta muitos detalhes de quem está na água. Já sei como é uma final olímpica e pretendo chegar nela novamente. E acredito que agora são detalhes importantíssimos, como essa viagem, que vão fazer a diferença na hora da final olímpica”, finalizou Pepê.

Mais em Canoagem Slalom