Siga o OTD

KAMILLA CARDOSO CALOURA DO ANO

Basquete

Kamilla Cardoso é eleita caloura do ano na Conferência ACC da NCAA

Kamilla Cardoso, de 2,00 m, tem médias de 15 pontos e 8,5 rebotes, com 61% de aproveitamento nos arremessos de quadra em seu primeiro no de NCAA

Kamilla Cardoso é eleita caloura do ano na Conferência ACC da NCAA

A gigante Kamilla Cardoso segue estraçalhando marcas. Nesta sexta-feira, 26 de fevereiro, a pivô brasileira foi eleita a caloura do ano pela Conferência ACC da NCAA, o basquete universitário dos Estados Unidos. A pivô de 2,00 m de altura atua por Syracuse e tem médias de 15 pontos e 8,5 rebotes, com 61% de aproveitamento nos arremessos de quadra.

Com passagens pelas seleções brasileiras de base, , Kamilla Cardoso foi para os Estados Unidos há quatro anos, brilhou no High School e na sua estreia na NCAA esteve entre os cinco principais prospectos, sendo alvo de intensa disputa pelo seu basquete.

+Novata brasileira de 2 m vira a sensação do começo da NCAA

Escolhida por Syracuse, Kamilla Cardoso vem arrebentando na temporada atual. Depois de começar o ano no banco de reservas, normal no começo da caminhada de uma novata, ela já é uma das donas da equipe, ganhando o prêmio de caloura do ano. Logo em sua estreia, em dezembro do ano passado, anotou 14 pontos, sete rebotes e cinco tocos, e mostrou que não chegou para ser só mais uma na Conferência, que é a mais forte do basquete universitário feminino dos EUA.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

Kamilla Cardoso é de Montes Claros, Minas Gerais, e, antes de entrar na NCAA, brilhou no High School por Hamilton Heights Christian Academy, do Tenessee.

Antes de fechar com Syracuse, também foi alvo de West Virginia, Mississippi State e South Carolina. Em dezembro, Kamilla já havia entrado para a história de Syracuse na vitória sobre Boston College, quando fez 24 pontos e ainda teve sete rebotes, duas roubadas, uma assistência e um toco. Em 28 minutos, converteu dez dos seus 11 arremessos, um aproveitamento de 90,9%. Foi a segunda melhor marca de uma jogadora na história do basquete feminino de Syracuse.

A pivô, inclusive, já esteve com a Seleção Brasileira adulta, durante o Campeonato Sul-Americano, quando teve a oportunidade de estar ao lado de atletas mais experientes como Tainá Paixão, Ramona, Nádia Colhado, Gil Justino, Clarissa e Érika Souza, essa última, uma de suas inspirações.

– Eu sempre quis ser como a Érika. Sou muito fã dela – diz a jovem jogadora do Brasil.

Mais em Basquete