Siga o OTD

Basquete

Novata brasileira de 2 m vira a sensação do começo da NCAA

Depois de começar no banco na estreia, Kamilla Cardoso foi titular nesta quarta e marcou 25 pontos, deu sete tocos e pegou nove rebotes

Kamilla Cardoso parte para a cesta na vitória de quarta-feira contra Lincoln (Twitter @CuseWBB)

Kamilla Cardoso tem apenas 19 anos. Nascida em Montes Claros, ela vive há quatro anos nos Estados Unidos. Ela foi para lá em busca de desafios que ela não encontrava no Brasil, brilhou na high school e, com o quinto melhor prospecto entre as calouras, foi alvo de intensa disputa entre algumas das principais universidades americanas. Escolhida por Syracuse, a pivô mineira é uma das grandes sensações do começo da temporada da NCAA, a associação universitária dos Estados Unidos. Depois de chamar a atenção na estreia vindo do banco de reservas, ela arrebentou na noite desta quarta-feira com 25 pontos, sete todos e nove rebotes, na vitória de 90 a 39 sobre Lincoln Lions.

TRAJETÓRIA

Depois de brilhar com a camisa do Hamilton Heights Christian Academy, do Tenessee, no high school, Kamilla Cardoso chegou a visitar universidades como West Virginia, Ohio State e Mississippi State, além de ter sido especulada em South Carolina, cujo time de basquete feminino é comandado por Dawn Staley, técnica da seleção americana. No fim, o destino dela acabou sendo Syracuse, que fica no estado de Nova York e participa da ACC (a Conferência da Costa Atlântica), tida como a mais forte do basquete feminino da NCAA.

ESTRÉIA

Na partida de estreia, fora de casa contra Stony Brook, a caloura brasileira começou no banco de reservas. As atenções estavam voltadas para Tiana Mangakahia, que voltava às quadras pela primeira vez desde que foi diagnosticada com câncer de mama, e terminou o jogo como a cestinha com 16 pontos após ficar 37 minutos em quadra.

Mas Kamilla Cardoso roubou a cena na vitória por 50 a 39. No primeiro quarto, marcou quatro pontos. No segundo e no terceiro, somados, fez mais três. Foi no último período em que ela brilhou, não só por seu tamanho na defesa, mas também porque mostrou qualidade ofensiva. A brasileira fez sete pontos nos últimos cinco minutos e terminou o duelo de estreia com 14 pontos, sete rebotes e dois tocos em apenas 13 minutos em quadra.

CANDIDATA AO PRÊMIO LISA LESLIE

A atuação na partida de estreia convenceu o técnico Quentin Hillsman, que dirige Syracuse há 12 anos, a dar a oportunidade a Kamilla Cardoso de ser titular contra Lincoln Lions nesta quarta-feira. O treinador, sem dúvida, não se arrependeu. O jogo foi fácil, mas a caloura brasileira ajudou e muito para que isso acontecesse. Ela arrebentou! Ficou em quadra por 23 minutos, acertou 12 dos 15 arremessos de quadra, pegou nove rebotes, deu sete tocos e mais três assistências. Só não foi bem no arremessos de lance livre: acertou apenas um de quatro tentativas. Fechou o jogo como cestinha com 25 pontos, um a mais do que a companheira Priscilla Williams.

Kamilla Cardoso
Kamilla Cardoso já chama a atenção na NCAA com apenas dois jogos disputados (Divulgação)

Syracuse volta a jogar no domingo contra Penn State e a expectativa é de mais uma grande atuação de Kamilla Cardoso, a garota de Montes Claros que sonha chegar até a WNBA! Potencial não lhe falta. A brasileira é uma das vinte jogadoras que estão sendo monitoradas na temporada como candidatas ao prêmio Lisa Leslie, que é dado à melhor pivô universitária dos Estados Unidos. A atleta que dá nome ao troféu é considerada um dos maiores nomes da história do basquete feminino mundial com quatro medalhas de ouro olímpicas e dois títulos mundiais pela seleção dos Estados Unidos, além de ter conquistado duas vezes a WNBA e ter sido eleita três vezes a MVP da liga profissional americana.

Mais em Basquete