Siga o OTD

Ana Carolina Azevedo

Tóquio 2020

Com 22 anos, Ana Carolina quer vaga olímpica nos 200 m e no revezamento

Melhor atleta do Brasileiro Sub-23, Ana Carolina Azevedo foi campeão dos 200 m e vice dos 100 m no Troféu Brasil de atletismo de 2020. O objetivo para 2021 é conseguir vaga na Olimpíada de Tóquio

Ana Carolina Azevedo posa com a medalha de ouro dos 200 m rasos do Troféu Brasil de Atletismo (Wagner Carmo/CBAt)

Com 22 anos, Ana Carolina quer vaga olímpica nos 200 m e no revezamento

Ana Carolina Azevedo (Orcampi) é uma das talentosas velocistas brasileiras que vai brigar por vaga olímpica em prova individual e no revezamento 4×100 m do Brasil. A seleção feminina do revezamento ainda não tem qualificação assegurada nos Jogos Olímpicos de Tóquio, de 23 de julho a 8 de agosto, mas tem boas chances.

Ana Carolina Azevedo participou do Camping Nacional de Treinamento de Provas de Revezamento, realizado no fim de janeiro no Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo (CNDA), em Bragança Paulista (SP), como integrante do 4×100 m. Foi o seu quarto camping com a seleção brasileira de velocidade.

“Quanto mais meninas correrem abaixo dos 11.30, 11.20 melhor. Vai ser um excelente revezamento. A gente tem chance de se qualificar, de final olímpica e de medalha. Quanto mais sincronia a gente tiver melhor vai ser”, disse Ana Carolina Azevedo. Acrescentou que seu foco principal está nos 200 m, uma prova em que tem bastante resistência, e na qual quer buscar o índice. “Venho pensando no índice olímpico dos 200 m – estou mais perto do tão sonhado 22.80. Vai sair este ano se Deus quiser. O meu objetivo para 2021 é buscar o índice olímpico na prova ou a vaga pelo ranking de pontos.”

+Keila Costa mira inédita quinta participação olímpica no atletismo

A velocista fez uma excelente temporada em 2020. Em dezembro, foi campeã do Troféu Brasil de Atletismo nos 200 m, com 23.01 (0.0), no pódio que teve também Vitória Rosa (Pinheiros), com 23.06, e Gabriela Silva Mourão (Futuro Olímpico Arnaldo de Oliveira), com 23.73. Nos 100 m, Ana Carolina ficou com a medalha de prata, mas numa final eletrizante e decidida na fotografia de chegada. Vitória Rosa, ouro, e Ana Carolina completaram os 100 m em 11.41 (-0.7).

Eletrizante chegada dos 100 m rasos feminino no Troféu Brasil de atletismo
(Wagner Carmo/CBAt)

No Brasileiro Sub-23, também em dezembro de 2020, Ana Carolina Azevedo foi eleita a melhor atleta da competição ao lado de Felipe Bardi dos Santos (SESI). A velocista venceu os 100 m, com 11.33 (0.8), superando o recorde do campeonato que era de Vanusa dos Santos, obtido em 2012. Nos 200 m, ela melhorou duas vezes o recorde do campeonato. Na semifinal, completou a prova em 23.45 e depois completou a final em 23.08 (0.1), recorde pessoal. Ana Carolina ainda integrou os revezamentos campeões do 4×100 m e do 4×400 m.

Ana Carolina Azevedo conheceu o atletismo na EMEF Maria Aparecida de Oliveira Ribeiro, em Mairinque, interior de São Paulo. Mudou para São Roque, onde se desenvolveu até os 15 anos. Depois foi morar na cidade de São Paulo e passou a treinar com Katsuhico Nakaya no seu último ano de juvenil. Começou a competir na categoria pré-mirim, no salto em distância e nos 75 m. “Quando eu era criança sempre fui elétrica, gostava de brincar com os meninos. Eu ganhava dos meninos quando o professor de educação física me indicou para o atletismo”, comentou.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBETWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK

Treina com o grupo de Katsuhico Nakaya no Núcleo de Alto Rendimento (NAR), em São Paulo, e disse que se inspira na colega Ana Claudia Lemos da Silva desde que era adolescente. “Muito bom estar no mesmo grupo que ela, me passa experiência.”

Nakaya acredita que Ana Carolina pode correr os 200 m abaixo dos 23 segundos e também melhorar nos 100 m. Disse que o importante para formar um bom revezamento 4×100 do Brasil é justamente investir na performance individual de cada atleta. “O nosso foco é no que cada uma pode fazer. Nem estou preocupado com a vaga olímpica porque sei que temos todas as condições de qualificação, mas sim em melhorar cada atleta individualmente”, disse o treinador, velocista nos Jogos Olímpicos de Moscou-1980 e Los Angeles-1984.

Mais em Tóquio 2020