Siga o OTD

Tóquio 2020

Brasil busca aprender na Itália para conseguir mais vagas na esgrima

Guilherme Toldo, Bia Bulcão e Athos Schwantes treinam na Itália para o Pré-Olímpico das Américas de esgrima, que será realizado no Panamá

Athos Schwantes é um dos atletas brasileiros que está treinando na Itália para o Pré-Olímpico (Divulgação)

Brasil busca aprender na Itália para conseguir mais vagas na esgrima

O Brasil pode emplacar até seis seis atletas na esgrima dos Jogos Olímpicos de Tóquio. E esta participação da modalidade tem uma pitada importante de molho italiano na receita. Na reta final da busca pelas vagas, a Itália entrou definitivamente no mapa dos nossos atletas e tornou-se um dos trunfos para fazer a diferença nos momentos decisivos.

Um dos países mais tradicionais na esgrima mundial, a Itália conta com uma vasta coleção de medalhas e forma muitos atletas de qualidade. Uma delas, Nathalie Moellhausen, se naturalizou brasileira e conquistou o título mundial de espada em 2019. Atual número 2 do mundo, é nome certo em Tóquio e deve brigar por medalhas para o Brasil.

Outro nome com ótima posição no ranking olímpico e praticamente garantido em Tóquio é o gaúcho Guilherme Toldo. Ele é um dos três esgrimistas brasileiros que estão na Itália atualmente. Atleta do Frascati Scherma, está acostumado ao ritmo de treinos e ao estilo de jogo italianos. O brasileiro tenta conquistar sua primeira medalha olímpica no florete masculino.

+O sonho olímpico do esgrimista aeromodelista e futuro estudante de administração

Dois brasileiros que vão buscar a vaga no Pré-Olímpico estão absorvendo o conhecimento dos mestres italianos. No florete feminino, Bia Bulcão passou a maior parte do tempo nas últimas temporadas em estágios de treinamento no Frascati Scherma. Desta vez, ela seguiu para a Itália na primeira semana do ano e só sairá para a disputa do Grand Prix, em Doha, no Catar, na última semana de março. Já o espadista Athos Schwantes, treina na Escola de Esgrima de Roma desde o início deste mês.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBETWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK

“Depois de 15 dias em Portugal, onde foi tudo ótimo, em Roma posso jogar com muitos outros esgrimistas bem fortes, de nível mundial e entrar no ritmo de competição. Estou bem feliz, todas estas ações me deixam bem confiantes para buscar a medalha de ouro no Pré-Olímpico”, avalia Schwantes.

Ainda há mais dois atletas brigando por vagas olímpicas no sabre – Bruno Pekelman e Karina Trois –, ambos treinando no Brasil. Eles vão disputar o primeiro torneio internacional de esgrima após um ano de paralisação do calendário: a Copa do Mundo de Sabre, de 10 a 14 de março, em Budapeste, na Hungria. Por sua vez, a Copa do Mundo de Espada será realizada entre 19 e 23 de março e o Grand Prix de Florete está marcado para acontecer entre 26 e 28 de março. O Pré-Olímpico das três armas acontece no Panamá, em abril.

Mais em Tóquio 2020