Siga o OTD

Tóquio 2020

Indefinições fazem Brose se dividir entre duas categorias

Com indefinições no calendário e Mundial e Pré-Olímpico pela frente, Douglas Brose se divide entre duas categorias do caratê

Com indefinições no calendário e Mundial e Pré-Olímpico pela frente, Douglas Brose se divide em duas categorias do caratê
Douglas Brose é bicampeão mundial de caratê (Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.br)

O adiamento das competições esportivas ao redor do planeta têm influenciado diretamente no planejamento de vários atletas. Mas Douglas Brose passa por uma situação ímpar. O gaúcho vai disputar o Pré-Olímpico para os Jogos de Tóquio na categoria até 75kg, mas seu peso para as competições regidas pela Federação da modalidade é de 60 kg. Com o Mundial marcado, a princípio, para novembro, o carateca se divide entre duas categorias, conforme revelou em live no Instagram do Olimpíada Todo Dia.

Sem a possibilidade de ir às Olimpíadas na categoria até 67kg, o gaúcho decidiu lutar com atletas que têm 15kg acima de seu peso ‘normal’ para alcançar o sonho de disputar os Jogos de Tóquio, que marcam a estreia do caratê no programa olímpico.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

O maior evento esportivo do mundo, entretanto, foi adiado para 2021 por conta da pandemia do novo coronavírus, assim como o Pré-Olímpico, que deve acontecer apenas em junho do mesmo ano. Por outro lado, o Mundial de caratê segue marcado, a princípio, para acontecer entre os dias 17 e 22 de novembro em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, mas com a maioria dos atletas confinados e os países vivendo estágios diferentes em relação à Covid-19, é impossível cravar que o evento seja realizado nesta data.

“Assim que adiaram o Pré-Olímpico, entrei em contato com o Comitê Olímpico Brasileira e a nutricionista: ‘Voltamos a preparação toda como atleta de 60kg’. Porque é melhor competir todas as competições, inclusive o Mundial nessa categoria. Agora como houve o cancelamento de vários eventos, vamos ter que esperar o calendário para ver como vou fazer essa adaptação, tanto para lutar nos 60kg quanto para o Pré-Olímpico. Sem dados na mão, sem competição nenhuma, é muito complicado planejar algo”, disse.

Estudo e técnica

Com indefinições no calendário e Mundial e Pré-Olímpico pela frente, Douglas Brose se divide em duas categorias do caratê
Douglas Brose é bicampeão mundial de caratê na categoria até 60kg (Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.br )

De qualquer modo, Douglas Brose ressaltou que o peso em si não é a questão mais complicada. O carateca vê que a principal diferença na adaptação entre as categorias é a técnica, tanto é que ele tem focado nisso durante a quarentena.

“Eu subi de categoria, mas a ideia é chegar lá (no Pré-Olímpico) com o peso mínimo necessário. A troca vai ser muito mais nos aspectos técnicos e táticos do que em uma composição corporal. Não dá para mexer do dia para a noite em uma composição corporal, mas a estratégia e a técnica dão para mudar rapidamente para se adaptar a uma categoria”, afirmou.

+ Veja a página de Douglas Brose no OTD

De qualquer modo, Douglas Brose está tirando um tempo para estudar os adversários, tanto para o Mundial quanto para o Pré-Olímpico.

“Estou aproveitando esse tempo para estudar as categorias e os atletas. Muitos deles eu já conheço, só que nunca tive a oportunidade de lutar. Isso às vezes dificulta um pouco. Por um lado é bom, porque da mesma maneira que eu não lutei, eles não lutaram comigo. Talvez eles sintam por lutar com um cara mais leve ágil. Tenho mantido alguns estudos, mas com o horizonte aberto. A gente não sabe como vai ser depois”, afirmou.

Treinos em meio à pandemia

Douglas Brose está passando a quarentena em Santa Catarina, na casa dos pais. Apesar de as academias estarem liberadas para funcionar, com algumas restrições em decorrência do coronavírus, ele tem uma ótima estrutura para fazer treinos técnicos em casa, algo que ele traz desde o início da carreira de atleta.

“Tem um espaço atrás da casa dos meus pais que eu sempre usei para treinar. Nos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio, eu saía da cama e ia direto para o tatame. Eu morava com meus pais, acordava, dava três passos e já estava no tatame para fazer alguns procedimentos técnicos. Sempre foi um refúgio”, disse, falando que chegou até a organizar treinos com outros esportistas.

“Eu cheguei até a montar um grupo de treino, tinham algumas pessoas vinham até aqui. Tinha um espacinho suficiente para alguns tipos de treinamentos. Levei por muito tempo assim e agora voltei (risos). São boas lembranças nesse tatame”, concluiu.

https://www.instagram.com/p/B_sPPkLJxJF/

Com a sementinha plantada antes mesmo de se tornar bicampeão mundial de caratê, Douglas Brose desenvolveu um sistema de treinos online durante a quarentena do coronavírus.

Mais em Tóquio 2020