Siga o OTD

Laguna Olímpico

Em primeiro duelo no ano olímpico, Duplantis leva a melhor sobre Lavillenie

Astro sueco, recordista mundial do salto com vara, supera francês com melhor marca do ano, na casa do rival. É bom Thiago Braz ficar esperto

Duplantis levou a melhor sobre Lavillenie e ainda cravou a melhor marca de 2021 no salto com vara (Twitter/Olympic Channel)

Em primeiro duelo no ano olímpico, Duplantis leva a melhor sobre Lavillenie

Localizada na região da Normandia, a cidade de Rouen (FRA), de 110 mil habitantes, foi palco neste sábado (6) para um duelo que certamente irá se repetir na Olimpíada de Toquio-2020. O sueco Armand “Mondo” Duplantis, recordista mundial do salto com vara, enfrentou pela primeira vez no ano olímpico o francês Renaud Lavillenie. O encontro ocorreu durante o Rouen Elite Tour 2021, prova válida pelo circuito indoor (pista coberta) e Mondo não só ganhou como cravou a melhor marca do ano.

O fenômeno Duplantis, de 21 anos, superou Lavillenie, vice-campeão olímpico na Rio-2016, ao saltar 6,03 m, um centímetro a mais do que o francês tinha marcado no último domingo (31), em uma competição também realizada na França. Lavillenie terminou em segundo, com 5,93 m, porém errou três vezes ao tentar superar a marca alcançada por Mondo.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Siga

Com a vitória assegurada, o recordista mundial (6,18 m no indoor e 6,15 m ao ar livre) buscou superar sua marca, para delírio da torcida, mas derrubou três vezes a barra em 6,19 m.

Prévia olímpica

A prova em Rouen foi uma espécie de mini prévia do que será o salto com vara em Tóquio-2020. Além de Duplantis e Lavillenie, a competição contou com a presença do americano Sam Kendricks. Ouro no Mundial de Doha, no Qatar, em 2019, ficou na quarta colocação em Rouen, com 5,83 m (sua melhor marca no ano).

Dos principais nomes do salto com vara na atualidade, só não estava mesmo quem mais interessa ao torcedor brasileiro: Thiago Braz, campeão olímpico no Rio-2016.

Braz, que nos últimos quatro anos passou por uma fase de instabilidade na carreira, ainda não competiu em 2021.

Pelo que se viu em Rouen neste sábado, é bom o brasileiro abrir o olho e começar a mostrar serviço logo. Isso se quiser sonhar com novo pódio olímpico em Tóquio.

Clique no link e seja você também um apoiador do blog. Ajude a combater a monocultura esportiva no Brasil.

Mais em Laguna Olímpico