Siga o OTD

Judô

Rafael Silva é prata e Brasil leva ainda mais três bronzes em Kazan

Pelo Grand Slam de Kazan, Rafael Silva foi prata, enquanto Maria Suelen Altheman, Beatriz Souza e David Moura conquistaram o bronze

RAfael Silva Maria Suelen Altheman David Moura Beatriz Souza Grand Slam de Kazan de judô

Os pesos pesados, tanto do masculino quanto do feminino, mostraram mais uma vez que chegarão a Tóquio como esperanças de medalhas. Nesta sexta-feira, último dia do Grand Slam de Kazan, Rafael Silva, do Time Ajinomoto, conquistou a medalha de prata, enquanto David Moura, Maria Suelen Altheman e Beatriz Souza ficaram com o bronze. Com isso, o Brasil termina a competição com quatro pódios, já que, na véspera, Ketleyn Quadros ficou em segundo lugar.

“Essa foi a terceira final de um ciclo de competições. Estou em busca de melhora a cada passo, a cada competição e o objetivo final são as Olimpíadas. Primeiro me classificar e depois tentar mais uma medalha olímpica”, analisou Rafael Silva, que foi prata no Grand Slam de Tbilisi, na Geórgia, e ouro no Pan-Americano, em Guadalajara, neste ano. 

“Acho que tive um bom desempenho hoje, lutei com atletas bem duros, peguei três russos na chave. Foi um ótimo treino para o Campeonato Mundial, onde meu objetivo será subir no lugar mais alto do pódio e conquistar a vaga olímpica”, disse David Moura, que foi finalista mundial em 2017, onde ficou com a prata na decisão contra Teddy Riner.   

“O empenho do Brasil, em geral, está sendo muito bom, sempre subindo ao pódio. É um passo de cada vez e a próxima competição é o Mundial e tenho certeza que toda a equipe estará bem preparada para esse grande evento”, comentou Maria Suelen após conquistar seu terceiro bronze consecutivo na temporada 2021.  

“Fiquei muito feliz com desempenho. Em todas as lutas eu dei mais que meu 100% e estou muito feliz. Os próximos passos serão os detalhes, ajustar tudo direitinho e treinar ainda mais para o Campeonato Mundial que, logo, logo estará aí”, disse Beatriz, dona de quatro medalhas em 2021 (prata em Tashkent, bronze em Tbilisi, ouro no Pan e bronze em Kazan).   

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

+ 100 kg – Rafael Silva e David Moura

Rafael Silva estreou nas oitavas de final do Grand Slam de Kazan contra Jamal Feyziyev, do Azerbaijão, e precisou de apenas 2min35 para derrubar o adversário de costas no chão, conseguir o ippon e se classificar para as quartas de final.

David Moura também venceu por ippon sua estreia. A luta dele durou um pouco a mais do que a de Rafael Silva, mas o judoca de Cuiabá conseguiu entrelaçar suas pernas nas do adversário para projetá-lo por cima do corpo e jogá-lo no chão para vencer o combate.

Nas quartas de final, Rafael Silva derrotou Anton Krivobokov, da Rússia, após o adversário receber três shidos. Todas as punições foram por falta de combatividade. O brasileiro tinha recebido duas também pelo mesmo motivo.

David Moura também avançou para a semifinal após o adversário ser punido três vezes. O alemão Johannes Frey levou shido por falta de combatividade, por pegada irregular e depois por ter saído da área de combate.

Na semifinal, Rafael Silva derrotou com autoridade o romeno Vladut Simionescu ao conseguir um waza-ari com 1min53 de luta e depois um ippon com 2min53, garantindo vaga na decisão da medalha de ouro.

A final poderia ser brasileira se David Moura vencesse o russo Tamerlan Bashaev, mas isso não aconteceu. David levou um ippon com pouco mais de um minuto de luta e teve de se contentar com a disputa do bronze.

Na disputa da medalha de bronze, David Moura enfrentou Anton Krivobokov, que perdeu para Rafael Silva nas quartas de final. O judoca russo voltou a perder para um brasileiro, já que Moura conseguiu vantagem com um waza-ari e a manteve até o final da luta para assegurar o terceiro lugar.

Já Rafael Silva encarou na decisão do ouro do Grand Slam de Kazan o algoz de David Moura na semifinal, mas não conseguiu se vingar do compatriota. A final só foi decidida no golden score e Tamerlan Bashaev conquistou o título após o brasileiro levar três shidos.

+78 kg feminino – Maria Suelen Altheman e Beatriz Souza

Maria Suelen Altheman estreou nas oitavas de final com vitória por ippon sobre a russa Daria Vladimirova em combate que durou apenas 1min02.

Beatriz Souza também venceu a estreia por ippon. A brasileira derrotou a lituana Sandra Jablonskyte após derrubar a adversária de costas no chão em 2min42 de luta.

Nas quartas de final do Grand Slam de Kazan, Maria Suelen Altheman conseguiu mais uma vitória por ippon. Desta vez, ela bateu a argelina Sonia Asselah em 2min16s.

Já Beatriz Souza arrasou nas quartas de final. A brasileira venceu em apenas 51 segundos a russa Anastasiia Kholodilina, conseguindo aplicar um waza-ari e um ippon em tão pouco tempo.

Na semifinal, Maria Suelen Altheman parou na bielorrussa Maryna Slutskaya. A brasileira perdeu após sofrer três punições, todas elas por falta de combatividade.

Já Beatriz Souza não conseguiu passar da francesa Romane Dicko, que dominou completamente a luta. Com 1min34 de luta, a judoca europeia conseguiu um waza-ari e um outro 18 segundos depois, vencendo por ippon.

Maria Suelen pelo bronze contra Melissa Mojica, de Porto Rico. A judoca da América Central logo levou duas punições, mas aplicou um waza-ari e passou a lidear o placar. A brasileira escapou da derrota e conquistou o bronze porque Mojica levou o terceiro shido.

Se Maria Suelen suou para conseguir a medalha de bronze do Grand Slam de Kazan, Beatriz Souza subiu no pódio com uma vitória de muita autoridade sobre a argelina Sonia Asselah com um ippon com cerca de dois minutos de combate.

100 kg masculino – Leonardo Gonçalves e Rafael Buzacarini

Na categoria até 100 kg masculino, Leonardo Gonçalves fez uma boa campanha, chegou até a repescagem e terminou na sétima colocação do Grand Slam de Kazan. Na estreia, ele bateu Tevita Takayama, de Fiji, com um waza-ari que ele conseguiu no meio do combate e manteve a vantagem até o fim do tempo regulamentar.

Nas oitavas de final, Leonardo Gonçalves derrotou o australiano Kayhan Ozcigek-Takagi, que foi eliminado após cometer três infrações: por falso ataque, postura defensiva e, por fim, por manter o mesmo lado.

Nas quartas de final, Leonardo Gonçalves perdeu para o russo Arman Adamian, que acabou conquistando a medalha de prata do Grand Slam de Kazan. O brasileiro chegou a ter vantagem de um waza-ari, mas acabou levando o ippon pouco tempo depois.

Com a derrota nas quartas de final, Leonardo Gonçalves foi para a repescagem. Se vencesse, teria a chance de lutar pelo bronze, mas ele acabou perdendo para Niiaz Bilalov, da Rússia, que abriu vantagem com o waza-ari e a manteve até o final do tempo regulamentar.

Também pela categoria até 100 kg, Rafael Buzacarini não passou da primeira luta. O brasileiro foi eliminado do Grand Slam de Kazan ao perder por ippon para o sérvio Aleksandr Kukolj.

O mesmo aconteceu na categoria até 90 kg com Rafael Macedo, que foi derrotado na estreia pelo israelense Li Kochman. O brasileiro chegou a estar em vantagem com um waza-ari, mas levou o ippon um pouco depois e perdeu a luta.

Mais em Judô