Siga o OTD

Planeta Ippon

Com Budapeste no radar, seleção fecha treino de campo no Brasil

Após quase três meses em Portugal, foram mais dez dias em Pindamonhangaba em fase final de preparação visando a volta do circuito

seleção brasileira judô treinos brasil budapeste pindamonhangaba
Seleção em fase final de preparação para a volta do circuito (Lara Monsores/CBJ)

Depois de quase três meses de treinos em Portugal, a seleção brasileira de judô retornou ao Brasil no dia 27, descansou uma semana e já se reapresentou para outro período de treinos. Dessa vez, a atividade foi de dez dias, em Pindamonhangaba, interior de São Paulo, com foco em Budapeste.

O foco é retorno do circuito mundial de judô, marcado para dia 23. O Grand Slam da capital húngara distribuirá até mil pontos no ranking mundial, base da corrida olímpica. A convocação da seleção brasileira que vai ao torneio será divulgada na próxima segunda (19).

Em Pindamonhangaba estão, além dos judocas que viajaram para a Europa, atletas que preferiram ficar pelo Brasil, como a peso-pesado (+78kg) Maria Suelen Altheman, atual número 5 do ranking mundial, que disputa uma vaga em Tóquio com Beatriz Ferreira.

seleção brasileira judô treinos brasil budapeste pindamonhangaba
(Lara Monsores/CBJ)

“É sempre bom estar de volta com a seleção. A gente é uma família. Eu estava sentindo falta de estar junto com as meninas, com a comissão técnica, essa rotina de treino, descanso, alimentação, tudo no mesmo lugar”, pontuou Suelen.

+ Jéssica Pereira é o destaque do Brasil em torneio português

Outro que não foi para a cidade de Coimbra, em Portugal, foi o peso Leve (73kg) Marcelo Contini. “É muito importante, nesta fase, a gente conseguir estar treinando no nível que estamos treinando. A Confederação está disponibilizando toda a estrutura. E é muito bom, não só estar no tatame, mas estar de volta com a galera, aquela resenha mesmo à distância cumprindo os protocolos. Estou muito feliz de estar de volta.”

Grand Slam de Budapeste

Se a satisfação pela retomada dos treinamentos já era grande, com a notícia do retorno das competições a motivação dos atletas ficou ainda maior.

“É muito diferente. Até então, a gente ficava na expectativa. Agora já está confirmado. Então, o treino muda, agora tem um foco. Começou de novo a corrida para a Olimpíada“, projetou Maria Suelen Altheman.

Luiz Shinohara, coordenador da seleção brasileira masculina, também comentou o retorno dos treinos e do circuito mundial de judô. “A gente consegue trabalhar para dar um pouquinho mais de ritmo de treino aos atletas. O grupo é bastante heterogêneo. Alguns, ainda não estavam fazendo treinamento com contato e outros numa outra fase já treinando normalmente. O treinamento foi bastante produtivo e acredito que o pessoal que vai para Budapeste já vai com um ritmo bem melhor.”

Rosicleia Campos, coordenadora da seleção feminina, complementou. “São dez dias de concentração e não é um formato pensando em manutenção. Quando as atletas foram para Portugal, não havia uma previsão de volta do calendário da FIJ. Mas, agora está “startando“. Então, o treinamento é todo voltado para as próximas competições, que serão o Grand Slam de Budapeste e o Campeonato Pan-Americano”.

Protocolos e segurança

seleção brasileira judô treinos brasil budapeste pindamonhangaba
(Lara Monsores/CBJ)

Para viabilizar os treinos de campo em Pindamonhangaba, que reuniu 52 judocas brasileiros entre os dias 5 e 15 de outubro, a CBJ (Confederação Brasileira de Judô) preparou uma operação replicando alguns dos protocolos adotados em Portugal pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) na chamada Missão Europa.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

A seleção foi divida em quatro grupos, de 10 a 16 atletas, no máximo, com rotina em que eles não se encontravam. Enquanto uma parte estava no tatame, outra estava na musculação, na fisioterapia e etc. Além da adoção dos protocolos habituais, como uso de álcool, máscaras e aferição de temperatura, além de mudanças na estrutura física do hotel.

Mais em Planeta Ippon