Siga o OTD

Curiosidades olímpicas

Japonês é o único tricampeão olímpico da história do judô

Tadahiro Nomura é o único judoca da história a ganhar três medalhas de ouro olímpicas, feito que pode ser ultrapassado por Teddy Rinner em Tóquio

tadahiro nomura
Tadahiro Nomura comemora sua terceira medalha de ouro em Atenas-2004 (Getty Images)

O Japão é disparado o país dominante do judô em Jogos Olímpicos. Ao longo da história, a nação somou 39 ouros, 19 pratas e 26 bronzes. Com tantas conquistadas, nada mais normal que o maior medalhista da história da modalidade seja nascido na terra do sol nascente: Tadahiro Nomura, único judoca tricampeão olímpico em todos os tempos.

Mas o reinado dele está ameaçado. Favorito ao título da Olimpíada de Tóquio na categoria pesado, o francês Teddy Rinner, que já soma dois ouros e um bronze em seu currículo, pode tomar-lhe o posto.

Por enquanto, no entanto, Tadahiro Nomura pode bater no peito e dizer que é o maior campeão olímpico da história do judô, único a subir no lugar mais alto do pódio três vezes ao vencer os Jogos de Atlanta-1996, Sydney-2000 e Atenas-2004.

Apesar de ser o único a ganhar três ouros, Tadahiro Nomura não é o atleta que mais medalhas ganhou no judô olímpico. A honra cabe ao compatriota Ryoko Tamura-Tani, que soma cinco pódios, mas fica atrás de Nomura no quadro geral por ter “apenas” dois ouros, além de duas pratas e um bronze.

NASCIDO DENTRO DO JUDÔ

Tadahiro Nomura nasceu numa família que respirava judô. O avô dele era professor de judô em Koryo, cidade natal do atleta, e o pai foi treinador de Shinji Hosokawa, campeão olímpico em Los Angeles-1984. Além disso, o tio de Tadahiro , Toyokazu Nomura, foi medalha de ouro em Munique-1972.

Com tudo isso, não tinha como o garoto, pelo menos, experimentar o esporte. Tudo começou no dojo do avô aos seis anos. Com 22, conseguiu se classificar para representar o Japão nos Jogos Olímpicos pela primeira vez. Na época, ele ainda era desconhecido em nível mundial, mas foi ganhando luta a luta até derrotar na decisão o italiano Girolamo Giovinazzo para conquistar sua primeira medalha de ouro.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

No ano seguinte, Tadahiro Nomura, que competia na categoria até 60 kg, mostrou mais uma vez sua força ao ser campeão mundial. Em 1999, não defendeu seu título porque estava se recuperando de uma séria lesão no joelho esquerdo, mas voltou com tudo em 2000 para vencer a seletiva para os Jogos Olímpicos e se candidatar à segunda medalha de ouro.

Em Sydney-2000, Tadahiro Nomura foi soberano e se tornou o primeiro judoca da categoria até 60 kg a ganhar duas medalhas de ouro olímpicas ao derrotar o sul-coreano Jung Bu-Kyung em apenas 14 segundos.

Depois da conquista do segundo ouro seguido, Tadahiro Nomura se cacou com a ex-modelo Yoko Sakai e tirou uma folga do judô para estudar em San Francisco. Voltou em 2003, quando venceu a seletiva japonesa para o Mundial, mas não conseguiu passar da medalha de bronze da competição.

Apesar do “decepcionante” terceiro lugar no Mundial, Tadahiro Nomura conseguiu vencer em 2004 a seletiva para os Jogos Olímpicos de Atenas, onde conseguiu o feito até hoje inigualável: conquistar a terceira medalha de ouro olímpica. O título veio com a vitória sobre Nestor Khergiani, da Geórgia, na final. Esta também foi a 100ª medalha de ouro conquistada pelo Japão nos Jogos Olímpicos de Verão.

APOSENTADORIA

Depois de dois anos afastado das competições, Tadahiro Nomura resolveu voltar em 2006 com a intenção de ir a Pequim-2008, mas ele não conseguiu se classificar ao perder na semifinal da seletiva japonesa para Daisuke Asano.

Um dia após a derrota, Tadahiro Nomura anunciou sua aposentadoria aos 34 anos, mas voltou atrás para tentar ir a Londres-2012, mas, mais uma vez, não conseguiu alcançar seu objetivo.

+ CONHEÇA O BLOG CURIOSIDADES OLÍMPICAS

Aas duas tentativas fracassadas, no entanto, não apagam a incrível trajetória de Tadahiro Nomura nos Jogos Olímpicos. Em três participações, ele ganhou todas as 15 lutas que disputou: um tricampeão olímpico invicto.

Mais em Curiosidades olímpicas