Siga o OTD

Ketleyn Quadros - Pandemia de coronavírus - Tóquio 2020 - Treinos

Coronavírus

Ketleyn Quadros relata retorno aos treinos em Porto Alegre

Em live do Olimpíada Todo Dia, a medalhista olímpica contou sobre a volta gradual aos treinos e falou sobre a expectativa por Tóquio

Ketleyn foi a primeira mulher brasileira a conquistar uma medalha olímpica em esportes individuais (Abelardo Mendes Jr)

Ketleyn Quadros relata retorno aos treinos em Porto Alegre

Em meio à pandemia de coronavírus, alguns estados brasileiros começam a retomar aos poucos suas atividades. É o caso de Porto Alegre, onde a judoca Ketleyn Quadros mora e treina. Há cinco semanas, a medalhista em Pequim-2008 e seu clube, a Sogipa, voltaram aos treinos de forma gradual e atleta relatou como tem sido a experiência.

“Estou bem feliz, porque estamos tendo conquistas diárias. A gente começou em uma situação bem ruim e hoje estamos tendo um dia melhor que o outro. Claro que alguns lugares ainda estão críticos, mas aqui em Porto Alegre, a gente já voltou bem devagar (aos treinos). A gente já faz a parte física três vezes por semana, dividido em quatro pessoas, com todo o protocolo a seguir”, contou a judoca em live do Olimpíada Todo Dia.

+Com volta aos treinos, infectados crescem na seleção sérvia de vôlei

Ketleyn explicou, no entanto, que os treinos ainda têm uma intensidade baixa, uma vez que eles ficaram quase três meses com treinos adaptados em casa.

“O bom é que nosso grupo não é tão grande quanto os outros clubes, então a gente consegue dividir por horário. São 30, 40 minutos. Também não é uma volta de treino de super intensidade, é mais para manter o corpo pronto e preparado. A intensidade ainda está leve, preparando o músculo, porque foi uma parada muito brusca para o corpo. A gente está acostumado com a uma demanda de treinamentos em um volume muito intenso e ficar quase três meses nessa condição de quarentena… Não tem como voltar com tudo. Então estamos voltando bem aos pouquinhos”.

A medalhista olímpica, porém, teve um fator positivo nessa pandemia de coronavírus. Ketleyn mora com seu noivo Alex Pombo, que também é judoca. “Nesse sentido eu tive mais sorte, porque moro com meu noivo, que também é judoca. Isso facilitou muito a parte técnica”.

Início da pandemia

Hoje, Ketleyn Quadros começa a retomar as atividades aos poucos e considera cada dia como uma nova conquista. Mas o começo da pandemia de coronavírus não foi assim tão fácil.

“Agora está bem tranquilo. O primeiro impacto da pandemia de coronavírus foi bem chocante, a gente estava se preparando para as competições finais para estar dentro de uma Olimpíada. E do nada a gente ficou sem previsão nenhuma. Mas nós atletas vivemos de desafios o tempo inteiro. E esse foi mais um desafio, pensando no agora, no que a gente poderia fazer de melhor nesse momento”.

Ketleyn Quadros - Pandemia de coronavírus - Tóquio 2020 - Treinos
Ketleyn e seus parceiros de quarentena (Instagram/alexpombo73)

E em meio à quarentena, Ketleyn usou o tempo maior em casa para refletir e se dedicar à atividades que normalmente não tem tanto tempo por causa do calendário de competições.

“Essa pandemia vem carregada de muitas reflexões. Então a gente tem tempo de pensar, refletir sobre nossos planos, conquistas, o que precisa ser aperfeiçoado. Eu aproveitei para ficar em casa com meu cachorro, ver filme, ler bastante, fazer alguns cursos. Eu até tento ir na cozinha, mas não tem jeito, o Alex é bem melhor que eu. Então eu deixo para ele mesmo. A melhor parte da quarentena é você se superar diante de tanta adversidade, informação, situações novas e nada concreto. É viver o agora. E estou muito esperançosa por dias melhores”.

Rumo a Tóquio 2020

Quando a pandemia de coronavírus chegou, Ketleyn ainda estava na corrida olímpica para assegurar sua vaga em Tóquio 2020. Faltava pouco, mas o sonho precisou ser adiado.

“A gente estava na reta final, teria mais cinco competições para participar e ganhar pontos para definir a classificação. Eu estava em uma situação melhor em questão de ranking, já que a minha briga direta é com a Alexia Castilho, minha colega na Sogipa. Mas apesar de estar com essa vantagem, essas competições precisavam acontecer, porque tudo poderia mudar”.

“Imagina o quanto de treinamento, de processo de preparação a gente passou para poder estar extremamente pronto nessa fase final. Então as expectativas eram as melhores possíveis, foco total. Mas o sonho continua de pé, apesar de ter sido adiado”, completou.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

E apesar de precisar esperar mais um pouco para a conquista desse sonho, Ketleyn entende que o adiamento da Olimpíada de Tóquio para 2021 foi a melhor decisão a ser tomada.

“O motivo foi tão justo que a Olimpíada ficou pequena. Não teria sentido nenhum se não fosse um evento para celebrar o momento de união, alegria, saúde. Acho que quando caiu a ficha de todo mundo da gravidade desse adversário invisível que a gente esta tendo, a Olimpíada ficou pequena. A saúde em primeiro lugar. E como qualquer adversário, ele merece respeito, cautela e a gente não pode afrouxar nos últimos segundos”.

O ranking do judô segue congelado e ainda não há uma data definida para o retorno. Segundo Ketleyn, as previsões mais otimistas são que as competições possam retornar no final de outubro.

Mais em Coronavírus