Siga o OTD

Ginástica Artística

Promessa brasileira da ginástica ganha quatro ouros e sobe seis vezes no pódio no Sul-Americano

Promessa brasileira da ginástica ganha quatro ouros e sobe seis vezes no pódio no Sul-Americano

Thaís Fidelis é uma das mais promissoras ginastas da nova geração e neste fim de semana mostrou um pouco do que é capaz no Campeonato Sul-Americano de categorias de base, que foi disputado em Cochabamba, na Bolívia. A brasileira subiu em todos os seis pódios da categoria juvenil, ganhando quatro medalhas de ouro e duas de prata.

Ela ganhou a medalha de ouro por equipe junto com Jackelyne Soares, Luíza Trautwein, Isabel de Almeida e Laura Rocha e também no individual geral, no salto e no solo, além de duas pratas, na trave e nas barras assimétricas.

Também na categoria juvenil, Jackelyne Soares foi ouro nas barras assimétricas e Luíza Trautwein ganhou prata no individual geral e no solo empatada com a argentina Martina Dominici e bronze no salto.

No juvenil masculino, o Brasil levou três medalhas: ouro por equipe e  na barra com Diogo Brajão, que também foi prata no solo. A categoria foi dominada pela Colômbia, que ganhou quatro ouros, três pratas e um bronze.

No infantil, o Brasil também foi melhor no feminino do que no masculino. As meninas ganharam cinco medalhas. A única de ouro foi no solo com Christal Silva , que levou também prata no solo. Júlia Morais foi prata no individual geral e bronze nas barras assimétricas. O país levou também a prata por equipe. O país com melhor desempenho na categoria foi a Argentina com quatro ouros, três pratas e dois bronzes.

No masculino, foram apenas duas medalhas de prata com Julio de Oliveira e Diogo Speranza, enquanto o Peru foi o país que dominou a categoria com três medalhas de ouro, uma de prata e duas de bronze.

No pré-infantil, o destaque foi Gabriela Mota, que fez parte de três das quatro conquistas. Ela ganhou o individual geral, o salto e participou da equipe que subiu ao lugar mais alto do pódio junto com Ellen Nascimento, Samya Oliveira, Luisa Maia e Sabrina Silingardi.

A outra medalha de ouro do Brasil foi ganha por Ellen Nascimento na trave, aparelho que teve Gabriel Mota com a medalha de prata. Ellen também foi bronze no individual geral. Nas barras assimétricas, Luisa Maia também ficou em terceiro lugar. A única prova em que as ginastas do país não marcaram presença no pódio foi no solo.

No masculino, o Brasil não participou das provas da categoria pré-infantil e o domínio foi da Colômbia, que faturou seis das oito medalhas de ouro em disputa.

 

 

Mais em Ginástica Artística