Siga o OTD

Curiosidades olímpicas

Unhas e medalhas: a história da velocista Gail Devers

Três medalhas de ouro em Jogos Olímpicos, mas nunca em sua principal prova, a história da americana Gail Devers, do atletismo

(Wally McNamee/Getty Images)

Três Jogos Olímpicos e três medalhas de ouro. A história da norte-americana Gail Devers no atletismo, no entanto, é muito mais rica do que a primeira frase pode resumir. Embora tenha subido ao lugar mais alto do pódio em três oportunidades, nunca medalhou nos Jogos Olímpicos em sua melhor prova. Como isso? Eu te explico!

Gail Devers disputou as Olimpíadas de 1992, 1996 e 2000. Duas das medalhas vieram na prova dos 100 m, nas edições de Barcelona e Atlanta, enquanto a medalha que completa a coleção foi a do revezamento 4×100 m, também nos Jogos em sua casa. Sua melhor prova? 100 m com barreiras.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Ela foi tricampeã mundial da prova com obstáculos (1993, 1995 e 1999) e vice em (1991 e 2001). Sempre chegava como favorita, mas não conseguiu cumprir esse objetivo. Na edição de Barcelona, por exemplo, Gail foi até a final, tinha tudo para conseguir o recorde mundial e, na última barreira, tropeçou e não conseguiu nem medalhar.

Mais tarde, em Atlanta, avançou até a final, mas terminou em quarto lugar. Aos 33 anos, chegou em Sydney como favorita, mas acabou sentindo uma contusão ainda na semifinal e precisou abandonar. Gail Devers mostra que é possível sim colocar o nome na história, independente do favoritismo.

Pódio não faltou

Gail Devers exibe sua medalha de ouro e as unhas tão características (Sporting Heroes) - medalhas - Jogos Olímpicos, atletismo
Gail Devers exibe sua medalha de ouro e as unhas tão características (Sporting Heroes)

Hipertireoidismo

Nascida em National City, na Califórnia, Gail Devers colocou a cidade no mapa do atletismo e por seus feitos recebeu a homenagem de ter dado nome no estádio local. Em 1990, foi diagnosticada com uma doença auto imune chamada graves, que é uma forma do hipertireoidismo.

A doença causa irritação nos olhos. Devers precisou de tratamento à base de radiações, mas conseguiu se recuperar a tempo e voltar aos treinos intensivos a tempo de brilhar em Barcelona, em 1992.

+ Saiba mais sobre as mulheres no esporte

Vale destacar, que o ouro nos 100 m da edição dos Jogos Olímpicos na Espanha teve um gosto especial: afinal, foi decidida no photofinish, ou seja, cinco atletas ficaram separadas por 0,06 segundos. Emoção demais!

Marca registrada

Carisma, simpatia e longas unhas: a marca registrada de Gail Devers (Reprodução / Edesporto) - atletismo, Jogos Olímpicos
Carisma, simpatia e longas unhas: a marca registrada de Gail Devers (Reprodução / Edesporto)

Além de todo o histórico no atletismo, Gail Devers também era muito conhecida por sua gigantes unhas – como mostra a foto. As unhas, inclusive, forçavam a atleta a usar os punhos na linha de partida no lugar dos dedos.

A norte-americana continuou competindo até 2005, quando teve filho. Atualmente, Devers tem um resort na Guiana com o marido e é diretora da sua própria fundação de caridade.

Mais em Curiosidades olímpicas