Siga o OTD

Allan Wolski venceu o primeiro ouro do Troféu Brasil de Atletismo

Atletismo

Allan Wolski conquista o primeiro ouro do Troféu Brasil

Mesmo com uma lesão no joelho, o atleta conquistou o tricampeonato do lançamento do martelo da competição

Allan Wolski venceu o primeiro ouro do Troféu Brasil de Atletismo (Wagner Carmo/CBAt)

Allan Wolski conquista o primeiro ouro do Troféu Brasil

O paulistano Allan Wolski, do clube Pinheiros, conquistou nesta quinta-feira (10) a primeira medalha de ouro desta edição Troféu Brasil de Atletismo, que será disputado até domingo (13) no estádio do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, na Vila Clementino, São Paulo. Ele venceu a prova do lançamento do martelo, com a marca de 66,01 m, comemorando o tricampeonato da competição.

A participação de Allan Wolski, porém, não foi fácil. Ele sofreu uma lesão no joelho direito na semana passada e submeteu-se a tratamento intensivo para poder competir e, por isso, deu apenas um lançamento. Dos mais de 73 metros que estava fazendo nos treinamentos, teve de contentar-se com os 66,01 m.

+ Felipe Bardi desbanca Paulo André no GP Brasil de Atletismo

“Foi muita alegria poder vencer mais uma vez, ainda mais com todos os problemas enfrentados na pandemia durante a preparação e agora com a contusão” disse Allan, de 30 anos.

Ex-catador de latinha e de papelão, quando tinha por volta de 10 anos, e ex-feirante acostumado a carregar sacos de batata de 60 kg nas costas, Allan abraçou o esporte. Começou no Centro Olímpico, onde voltou a treinar há três semanas, quando a reformada pista foi liberada. Faz musculação no Pinheiros, o seu clube. Nas horas vagas, trabalha na reforma de sua casa em Diadema (SP), usando o mesmo carrinho dado pelo avô há 20 anos, quando catava latinha, ferro e papelão, agora para transportar entulho da obra. Agora, torce para sarar do problema no ligamento medial colateral sem cirurgia. “Quero voltar logo aos treinos e buscar a vaga olímpica”, completou.

Allan Wolski
Allan Wolski ainda busca índice olímpico para Tóquio (Wagner Carmo/CBAt)

Luís Gustavo Aguiar e Ralf Rei Airton de Oliveira, ambos da Orcampi, ficaram em segundo e em terceiro lugares, com 64,58 m e 63,39 m, respectivamente.

No feminino, a vitória foi de Mariana Grasielly Marcelino (IEMA), que conquistou o hexacampeonato do Troféu Brasil Caixa, com 63,73 m. Ela melhorou a sua marca no ranking brasileiro, que era de 63,29 m. “Fiquei muito feliz com mais uma vitória. Estava oscilando muito nas últimas competições, por causa das dificuldades de treinamento na temporada”, lembrou a atleta. “Ainda mais que passei a treinar este ano com o João Paulo Alves da Cunha, sendo orientada pessoalmente também pelo Wagner Domingos”, disse, referindo ao Montanha, recordista brasileiro e sul-americano do martelo.

+ Mundial Indoor de Nanjing muda do ano que vem para 2023

Mveh Viviane Jeane de Dieu Gracielle (Sogipa) ficou com a medalha de prata, com 59,86 m, seguida de Kerolayne Camila da Silva (Projeto Atletismo Campeão), com 54,62 m.

Jenifer Nascimento consegue melhor tempo da temporada

Nos 10000 m do Troféu Brasil de Atletismo, Jenifer do Nascimento, do Pinheiros, conseguiu a medalha de ouro com direito ao melhor tempo da temporada, com 34:20.64, assumindo a liderança do ranking brasileiro e sul-americano. Ela forçou o ritmo desde o início, ganhando por mais de uma volta de diferença para Joziane Cardoso (IPEC), segunda colocada com 35:52.95.

Jenifer Nascimento consegue melhor tempo da temporada (Wagner Carmo/CBAt)

“Me senti muito bem na prova, recuperada de uma lesão e da falta dos treinos causada pela pandemia. Consegui encaixar bem o ritmo”, completou. Graziele Zarri (Pinheiros) ficou em terceiro lugar, com 36:05.64.

+ Estreando em maratonas, Ederson Pereira fica no “quero mais”

Pelo masculino, Daniel Ferreira do Nascimento, da ABDA Atletismo, venceu os 10.000 m masculino com 29.32.61. Gilmar Silvestre Lopes (UFJF) ficou com o segundo lugar, com 29.37.28, seguido pelo irmão gêmeo Gilberto Silvestre Lopes (Pé de Vento- Petrópolis), com 29.59.15.

Paulo André faz 10.16 nos 100 m

Ainda pela manhã Paulo André, do Pinheiros, venceu a primeira série com 10s16, assumindo a liderança do ranking sul-americano de 2020. “Fiquei muito feliz com o resultado. Embora esteja treinando para a temporada 2021, a velocidade está nas minhas pernas. O objetivo é buscar o tetracampeonato do Troféu Brasil”, declarou o velocista.

Troféu Brasil de Atletismo
Paulo André faz melhor tempo da temporada (Wagner Carmo/CBAt)

Nas eliminatórias dos 100 m feminino, Vitória Rosa, também do Pinheiros, obteve o melhor resultado, com 11s32. As semifinais das duas categorias serão na tarde desta sexta-feira, com as finais logo em seguida.

Nas semifinais dos 400 m, Tiffani Marinho, do Orcampi, conseguiu o melhor resultado no feminino com 53s53. Já no masculino Lucas da Silva Carvalho, FECAM/ASSERCAM, completou a prova em 45s68. As finais serão na manhã desta sexta-feira, a partir das 10h30.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

No heptatlo, após as quatro primeiras provas, a liderança é de Raiane Vasconcelos Procópio (AABLU), com 3.361 pontos, seguida de Jenifer Nicole Vieira Norberto (Pinheiros), com 3.277, e de Tamara Alexandrino (AEFV), com 3.273 pontos.

Na classificação geral por clubes do Troféu Brasil de Atletismo, a liderança é do Pinheiros, com 39 pontos. A Orcampi está em segundo lugar, com 23 pontos, seguida do IEMA, com 18 pontos.

Mais em Atletismo