Siga o OTD

Vôlei de Praia

Maria Clara e Carol e a etapa “relembrando os velhos tempos”

Irmãs Maria Clara e Carol se unem apenas na etapa de Ribeirão Preto de vôlei de praia: “super especial”

Baita dupla! Maria Clara Salgado e Carol Solberg se uniram pontualmente na etapa de vôlei de praia de Ribeirão Preto. Ouví-las separadamente ou em dupla pode ser quase a mesma coisa. As irmãs são alinhadas no discurso, na aparência e na sintonia. Assista ao vídeo!

+ CONFIRA OS RESULTADOS DA ETAPA DE RIBEIRÃO PRETO

“Está sendo super especial. Eu estou vindo de uma lesão. Fiquei quase 45 dias sem treinar, sem fazer nada. Então tem uma coisa leve. Assim, a gente não vai formar uma parceria. A Maria tá com outros planos. Então está sendo divertido. (Estamos) curtindo. Estar no quarto juntas, relembrando os velhos tempos. Está muito maneiro, está especial,” conta Carol.

Maria Clara completa: “Está sendo muito especial, porque não só eu tive uma história com ela jogando, a gente é irmã. Recuperar, poder viajar junto, poder estar no mesmo quarto, conviver durante a etapa inteira é muito especial. Porque, obviamente, a gente fez isso muito tempo. E tinham muitos stress. Hoje em dia não tem stress nenhum. Esse é o lado bom. A gente sabe que não vai jogar junto para frente. Uma etapa que ela está voltando e eu também não tenho uma parceira no Brasil. Então calhou perfeitamente e estar junto é muito gostoso mesmo”.

+ INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE

As irmãs ficaram juntas como dupla durante 13 anos. Passaram quatro anos separadas. Elas sabem como muita coisa mudou nesse período. Maria Clara sempre foi mais comunicativa, vibrante e Carol adquiriu um espaço maior jogando, adquiriu características com Maria Elisa.

“Ela é uma outra jogadora. Muito forte emocionalmente também. Uma jogadora que aprendeu outras coisas. Ela é uma jogadora que fala menos jogando. E eu de alguma forma sou muito vibrante. Então acho que a gente está encontrando isso e vamos, se tudo der certo, continuar crescendo no torneio. Pode ser um torneio muito legal pra gente”.

Maria Clara não sabe como será 2020 e fica dividida entre os Estados Unidos e o Brasil: temporada aberta. Enquanto Carol quer o ciclo inteiro focada e já está pensando numa nova parceria, que ainda não está definida.

“As desvantagens de jogar com a minha irmã, acho que tem uma intimidade muito grande as vezes acaba que a gente é sincera demais e falando tudo. Brigas que não precisavam ter. Discussões que a gente poderia evitar se a gente pensasse: ‘pô, deixa pra lá. Essa menina é meio maluquinha. Engata a segunda e vai.’ A gente não tinha isso. A gente era ferro e fogo o tempo inteiro”, lembra Maria Clara.

O lado bom sempre fala mais alto e pode ser listado bem mais fácil: “Isso tem sua vantagem, porque a gente resolve as nossas brigas de uma forma muito sincera. Muito honesta. E a gente é muito parceira na vida. E também ganhar do lado dela não tem nada melhor. Porque aquele abraço é mais verdadeiro do que tudo,” diz Maria Clara.

Dentro da quadra, as posturas, as características como jogadoras e os objetivos são diferentes. Já na vida pessoal, além da história de vida e o vôlei de praia, as irmãs vivem o mesmo momento: a maternidade.

“Sem dúvidas, é a parte mais especial. Porque isso é para a vida. O vôlei é algo que nós temos em comum que é muito legal. Mas a nossa vida é para sempre. A Maria é a minha melhor amiga. A gente está junto o tempo inteiro. A gente divide tudo da nossa vida, conversamos sobre tudo. Uma está ali pra outra para o que der e vier mesmo. Então ter filhos da mesma idade é o maior barato. Até os programas, a gente viajar, saber que um tem ao outro quando a gente está fora. Toda a vez que a Maria tem uma viagem o filho dela vem para casa um pouco, o meu para a casa dela. Isso dá um conforto que não tem preço. Saber que os dois estão juntos é muito legal,” conclui Carol.

Mais em Vôlei de Praia