Siga o OTD

Faltam sete dias para o Fluminense estrear na Superliga 2020/21 e o clube terá um reforço de peso para a competição. Campeã olímpica em Pequim-2008, Mari deixou de lado a tentativa de jogar no vôlei de praia e acertou sua ida para o Tricolor das Laranjeiras. De acordo com a apuração do Olimpíada Todo Dia, a atleta deve ser apresentada pelo clube carioca entre quarta (4) e quinta-feira (5) desta semana.

Vôlei

Mari acerta com Fluminense e deve ser apresentada esta semana

Campeã olímpica em Pequim-2008, a jogadora será o principal reforço do Tricolor para a disputa da Superliga 2020/21

O último clube de Mari na quadra foi o Bauru, em 2016/17 (Guilherme Cirino/Instagram - guilhermectx)

Mari acerta com Fluminense e deve ser apresentada esta semana

Faltam sete dias para o Fluminense estrear na Superliga feminina 2020/21 e o clube terá um reforço de peso para a competição. Campeã olímpica em Pequim-2008, Mari deixou de lado a tentativa de jogar no vôlei de praia e acertou sua ida para o Tricolor das Laranjeiras. De acordo com a apuração do Olimpíada Todo Dia, a atleta deve ser apresentada pelo clube carioca entre quarta (4) e quinta-feira (5) desta semana.

+ Gabi é a maior pontuadora na vitória do VakifBank no Turco

A notícia de que Mari regressará às quadras foi veiculada primeiro no “Web Vôlei”. Neste período no vôlei de praia, Mari formou dupla com Paula Pequeno. Em março de 2020, elas debutaram na areia e foram derrotadas por Vivian e Jéssica, por 2 sets a 0 (21/15 e 21/19), em etapa do Circuito Brasileiro. Nesses oito meses, a parceria se desfez e, neste momento, a atleta retorna ao ambiente em que construiu sua carreira de sucesso.   

+ Vôlei Futuro Assaí garante acesso pra Superliga B do ano que vem

Mari está com 37 anos e seu último clube no vôlei de quadra foi o Bauru, na temporada 2016/17. Com ela de volta, a Superliga 2020/21 contará com seis atletas que ganharam a medalha de ouro com o Brasil em Pequim-2008. Além dela, disputarão a competição Jaqueline, do Osasco/São Cristóvão Saúde; Valeskinha e Sassá, do Curitiba; Walewska, do Dentil/Praia Clube; e Thaisa, do Itambé/Minas.

Mari fez dupla com Paula Pequeno no vôlei de praia (Wander Roberto/Inovafoto/CBV)
Mari fez dupla com Paula Pequeno no vôlei de praia (Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

Ponteira ou oposto?

O Fluminense poderá usar Mari como ponteira ou oposto (Gilvan de Souza/FFC)
O Fluminense poderá usar Mari como ponteira ou oposto (Gilvan de Souza/FFC)

Apesar de estar em boa forma física, já que vinha em atividade com treinos no vôlei de praia, é improvável que Mari esteja à disposição do técnico Hylmer Dias para a estreia do Fluminense na Superliga contra o São Paulo-Barueri, na próxima terça-feira (10), às 17h, no ginásio da Hebraica. Campeã olímpica como ponteira, Mari jogou como oposto na Olimpíada de Atenas-2004. Portanto, a atleta pode ser utilizada em ambas as posições.  

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Antes da Superliga, o Fluminense disputou o Troféu Super Vôlei e acabou eliminado nas quartas de final para o Sesc Flamengo, por 3 sets a 1, parciais de 25/14, 25/15, 22/25 e 25/15, no CDV (Centro de Desenvolvimento do Voleibol), em Saquarema, no Rio de Janeiro. As ponteiras Fernanda Tomé e Dayse, contratadas para reforçar o time na temporada, ainda não estrearam devido a dores musculares, mas devem estar à disposição de Hylmer Dias.

Mais em Vôlei