Siga o OTD

Bernardinho Sesc-RJ Vôlei

Vôlei

Bernardinho abre mão de salário para manter projeto do Sesc

O treinador da equipe situada no Rio de Janeiro contou também que as jogadoras sofreram corte de até 60% dos seus contratos

Bernardinho ficará sem salário para salvar o projeto do clube do Rio de Janeiro (Márcio Rodrigues/ACE)

Bernardinho abre mão de salário para manter projeto do Sesc

O Sesc-RJ, assim como outros clubes do vôlei feminino, está com dificuldades financeiras e essa situação está interferindo na montagem do elenco para a próxima temporada. Priorizando a sequência do projeto, o técnico Bernardinho revelou em uma live nesta terça-feira (19) que o time situado no Rio de Janeiro, no momento, não tem verba para remunerá-lo.

+ Federação Internacional homenageia carreira de Serginho

“Tivemos de renegociar todos os contratos, porque tivemos uma perda significativa de patrocínio. As jogadoras perderam 60% dos contratos. Eu perdi 100% do meu. Como eu posso propor alguém? Não tem não… Se eu tiver de vender meu carro, vou vender meu carro, é a minha paixão”, contou o técnico do Sesc-RJ.

“Não quero que o projeto morra porque tem de me pagar também. Nesse primeiro momento não tem orçamento para me pagar. Não posso deixar de pagar as meninas. Como eu posso negociar com elas, se eu não dou exemplo?”, acrescentou Bernardinho.

A assessoria do clube informou que o Sesc-RJ tem orçamento bom para a realidade brasileira, possibilitando a manutenção de um projeto de alto rendimento que manterá o time forte.

Corte na comissão técnica e situação do país

Bernardinho lamentou a situação do clube e do país (Márcio Rodrigues/ACE)

Na mesma live, o treinador contou que sua comissão técnica sofreu um corte de 40%. Bicampeão olímpico de vôlei com a seleção brasileira masculina, em Atenas-2004 e Rio-2016, o técnico fez uma análise mais ampla do momento que os trabalhadores brasileiros estão passando desde que a pandemia de coronavírus afetou o país.  

+ Gabi “caindo toda hora” e Lorenne comandam live animada

“Vamos olhar para o lado? A situação está complexa e difícil. Nós que somos do Rio de Janeiro, então imagina aquele jovem que trabalha na praia vendendo sorvete, picolé o dia inteiro, carregando aquela geladeira nas costas, caminhando na areia. Ele está fazendo o que? Ele não tem como ter acesso a nada”, disse o treinador do Sesc-RJ.

“E um cara que tinha uma carrocinha de vender coco? Esses pequenos empreendedores estão sofrendo muito. Claro que a gente está sofrendo bastante, mas temos de entender o momento e trabalhar para que a atividade do esporte possa retornar em nosso país”, completou Bernardinho.

Carol Gattaz renova com o Minas

Bernardinho Sesc-RJ Vôlei Carol Gattaz Minas
Carol Gattaz vai disputar a sétima temporada seguida no clube (Orlando Bento/Minas Tênis Cube)

A atleta Carol Gattaz caminha para sua sétima temporada consecutiva com a camisa do Itambé/Minas. Segundo o Blog do Voloch, a central estendeu seu vínculo com o clube mineiro até maio de 2021. A jogadora segue atuando em alto nível e, como capitã do Minas, foi campeã da Superliga 2018/19.

+SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Apesar da idade, já que completa 39 anos em 2020, a atleta tem apresentado desempenho que faz com mantenha o sonho de representar a seleção feminina de vôlei nos Jogos de Tóquio, que serão realizados em 2021, no período de 23 de julho a 8 de agosto.

Mais em Vôlei