Siga o OTD

marcus d'almeida equipe masculina arco recurvo campeonato pan-americano de tiro com arco

Tóquio 2020

Atletas acreditam que Tóquio pode ser a edição ​”mais forte de todos os tempos”

Apesar dos obstáculos da pandemia, grandes nomes do esporte brasileiro acreditam em um nível altíssimo na edição olímpica japonesa

World Archery

Atletas acreditam que Tóquio pode ser a edição ​”mais forte de todos os tempos”

Restando apenas 58 dias para o início dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, os atletas revelam estar convivendo com uma ansiedade diferente para a edição japonesa do evento. Durante um evento realizado nesta quarta-feira (26), alguns dos principais nomes do esporte brasileiro conversaram com a imprensa para comentar um pouco sobre esse momento final de preparação para as Olimpíadas.

Integrantes do time Petrobras, Daniel Dias, Darlan Romani, Petrúcio Ferreira, Isaquias Queiroz, a dupla Martine Grael e Kahena Kunze, Marcus Vinicius D’Almeida e Veronica Hipólito representaram a equipe durante a coletiva de anúncio da renovação por mais um semestre do seu programa de apoio a 22 atletas.

+ Brasil estreia com duas vitórias no Pré-Olímpico de basquete 3×3

Com as preparações de praticamente todos os atletas impactadas por conta da pandemia do coronavírus e a grande maioria deles estar sem conseguir competir há algum tempo, o evento de Tóquio traz aos atletas alguns sentimentos ainda mais significativos do que uma edição olímpica comum.

“Mês que vem eu terei a minha única competição internacional antes dos Jogos e estou muito ansioso. Minha preparação está sendo feita da forma que vem sendo possível e acredito que os resultados estão dentro do esperado. Espero conseguir colocar isso a prova na Copa do Mundo e depois em Tóquio. A pandemia afetou um pouco, mas os Jogos já foram adiados há tanto tempo que já calejamos toda a nossa preparação e a acaba que a expectativa acaba sendo ainda mais alta do que o normal”, avaliou Marcus Vinicius D’Almeida, do tiro com arco.

Verônia Hipólito, do atletismo paralímpico
Verônica Hipólito avalia que Tóquio terá um altíssimo nível competitivo (CPB – divulgação)

No entanto, muito se engana quem acredita que o nível competitivo dos Jogos Olímpicos será menor por conta disso. Na verdade, os atletas acreditam que o que possa acontecer seja justamente o contrário: uma Olimpíada com o melhor nível técnico já visto.

+ Fernando Rufino sonha com medalhas paralímpicas para compensar 2016

“Por causa da pandemia e do lockdown em muitos países, criou a impressão de que os Jogos de Tóquio poderiam ter menos qualidade, mas estamos vendo muitos atletas pelo mundo batendo recordes mundiais e quebrando marcas de muitos anos. Imagino que estes podem ser os Jogos mais fortes de todos os tempos. “, comentou a paratleta Verônica Hipólito.

Tóquio Jogos Olímpicos
Martine Grael e Kahena Kunze brigam pelo bí-olímpico em Tóquio (Wander Roberto/COB)

Outra atleta que endossa esse pensamento é Martine Grael. Na luta pelo bicampeonato olímpico na vela, pela disputa da classe 49er FX, ao lado de Kahena Kunze, a atleta acredita que nunca os atletas tiveram tanto tempo de preparação para um evento olímpico.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

“Acho que nunca houve uma expectativa tão grande por uma Olimpíada. Nunca os atletas trabalharam tanto focados em uma única competição, até por conta de tudo que ela envolve. Por conta disso, o nível que a gente espera é muito alto, porém acredito que nós estamos preparadas”, avaliou Martine.

Mais em Tóquio 2020