Siga o OTD

Sem Wimbledon, Marcelo Melo treina durante quarentena em meio à pandemia de coronavírus tênis

Coronavírus

Marcelo Melo treina no Brasil enquanto espera definições

Tenista retorna ao país após passar 11 semanas da quarentena nos Estados Unidos

Marcelo Melo ostenta diversos recordes brasileiros no tênis, como o de maior campeão (Reprodução/Facebook)

Marcelo Melo treina no Brasil enquanto espera definições

Após ter passado 11 semanas nos Estados Unidos, Marcelo Melo está de volta à Belo Horizonte (MG). Nesse retorno à sua cidade natal, o brasileiro iniciará uma nova etapa de treinos enquanto aguarda a retomada do circuito de tênis, atualmente prevista para o dia 1º de agosto.

Em terras mineiras, Marcelo Melo treinará ao lado do seu irmão e técnico Daniel Melo, do preparador físico Chris Bastos e do fisioterapeuta Daniel Azevedo. O objetivo nesse período é seguir mantendo a forma física, aguardando os próximos passos da volta dos torneios, suspensos desde março em função da pandemia do novo coronavírus.  

+ Saber ser positivo pode ser a saída para os atletas visando Tóquio

Com o futuro indefinido por conta do novo vírus que assola o planeta, o tenista recordista em número de títulos no Brasil, com 34 conquistas na prateleira, aguarda um possível trabalho de integração comandado pela CBT (Confederação Brasileira de Tênis), visando auxiliar na retomada da temporada.

“A CBT está pensando em fazer um circuito brasileiro, ou mesmo uma semana de treinamento, reunindo os tenistas brasileiros. Mas, esperando ainda um pouquinho, a definição da ATP (Associação dos Tenistas Profissionais), quando os torneios vão voltar e de que forma. Precisamos ver como vão ficar as coisas para ter mais detalhes, de quantos tenistas participarão, se teremos profissionais e juvenis juntos. São ideias para serem colocadas em prática no momento que for possível. A CBT está com intenções muito boas de reunir os tenistas”, explicou Marcelo Melo em entrevista ao “Máquina do Esporte”.

Marcelo Melo soma dois títulos em Grand Slams entre os 34 na carreira (Divulgação)

Sem uma previsão de retorno da temporada, o tenista vencedor de dois Grand Slams (Roland Garros de 2015 e Wimbledon 2017) explica que o tênis deve ser um dos esportes mais afetados e com mais problemas no momento do retorno pós pandemia.  

“Os tenistas jogam, praticamente, uma semana em cada lugar do planeta. Não sei ainda como será essa adaptação do calendário com estes novos tempos da pandemia. Talvez fazer mais de um torneio em um só local, todo mundo no mesmo lugar. Não dá para saber ainda. Precisamos aguardar um panorama melhor da ATP e da realidade dos países. O importante é deixar a ATP encontrar o melhor caminho. À medida que for reabrindo, sem quarentena, nos países, já será um passo enorme”, avaliou Marcelo Melo, recordista com 56 semanas no topo do ranking mundial.

Início de carreira e marcas de destaque

Além de pensar no futuro, o tenista que forma dupla com o polonês Łukasz Kubot desde 2017 relembrou o início de carreira, quando teve a ideia, ainda aos 14 anos de idade, de correr atrás de patrocínios de uma forma inusitada.

“Eu tinha um fax que ficava no meu quarto. Passava os sábados e domingos mandando o meu currículo para empresas, uns 50 por dia. Um dos retornos que recebi foi da Claudia Vianna Torres. Foi minha primeira patrocinadora. Na época, respondeu dizendo que tinha adorado minha história, de nessa idade estar em busca de patrocínio”, relembrou. 

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NOINSTAGRAM E NO FACEBOOK

Hoje a realidade do tenista é bastante diferente. Atual número cinco do planeta, Marcelo Melo possui uma série de recordes e conquistas que o apontam como um dos melhores tenistas brasileiros. No início do ano, no México, no ATP 500 de Acapulco, Marcelo conquistou o 34º título da carreira, completando 14 temporadas consecutivas comemorando títulos.

Além dos dois Grand Slams, o tenista soma ainda nove Masters 1000, além de oito ATP 500, 15 ATP 250, sete participações em ATP Finals e mais de 500 vitórias na carreira, recorde entre os brasileiros e faz parte de um seleto grupo de 35 jogadores de todos os tempos com essa marca no tênis.

Mais em Coronavírus