Siga o OTD

Luiza Fiorese vôlei sentado

Tóquio 2020

Após dois anos no vôlei sentado, Luiza Fiorese vai aos Jogos Paralímpicos

Luiza Fiorese descobriu um câncer, ficou seis anos fora do esporte, encontrou o vôlei sentado e vai para a Paralimpíada de Tóquio

(instagram/luizafiorese)

Após dois anos no vôlei sentado, Luiza Fiorese vai aos Jogos Paralímpicos

15 anos é a idade que a vida de uma menina normalmente sofre uma grande mudança e o maior símbolo disso é a festa de 15 anos. No caso de Liuiza FIorese a mudança aconteceu e mudou completamente a vida da atleta. Uma dor estranho no joelho fez com que Luiza fosse ao médico e o que parecia uma tendinite na verdade era um câncer e tudo mudou completamente. Oito anos depois de todo o processo, a paratleta estará na seleção brasileira de vôlei sentado e representará o Brasil na Paralimpíada de Tóquio.

“Eu nem vi o vídeo da convocação. O meu instagram explodiu. Eu não esperava tanta repercussão, esperava a convocação, mas isso tudo não. Eu estava em um voo sem wifi, expliquei a situação para a aeromoça e ela não tinha como ajudar; Quando sai do voo e liguei o meu celular explodiu tudo de notificação, de ligação”, disse a paratleta na live com o Olimpíada Todo Dia em parceria com o Tik Tok.

(Alê Cabral/CPB)

O começo de tudo e a importância de Claudia Leitte

Luiza Fiorese jogava handebol e uma ida ao médico, por conta e uma dor estranha no joelho, aconteceu para que ela conseguisse atuar melhor. O médico constatou um osteossarcoma, que é um tumor ósseo maligno que é mais frequente em crianças, adolescentes e adultos jovens. Aos 15 anos o sonho de ser atleta mudou. Luiza teve que colocar uma prótese na perna. O processo precisou de cinco cirurgias e a perna da jovem passou a não dobrar mais. 

-Alisson dos Santos é segundo na etapa de Mônaco da Diamond League

A retirada do tumor na perna fez com que Luiza Fiorese recebesse uma série de mensagens de apoio por conta do processo. Uma das pessoas que se aproximou da jovem foi a cantora Claudia Leitte. “Eu recebi algumas mensagens de algumas pessoas famosas e uma delas foi a Claudia Leitte. Ela se identificou com a minha história e a gente ficou mais próximo”.

A proximidade com a cantora fez com que Luiza Fiorese tivesse um convite para ir ao programa da Fátima Bernardes e a chama esportiva voltou. “Eu já estava há uns quatro anos sem falar com a Claudia e eles me chamaram para ir ao programa para fazer um surpresa para ela. Eu nunca escondi a minha cicatriz, porque ela faz parte de mim, e uma das meninas da seleção brasileira de vôlei me viu. Ela entrou em contato comigo e me chamou para conhecer o paradesporto. Eu fui para a quadra e me senti preenchida mais uma vez”.

A volta para o esporte e o sonho paralímpico

O tratamento de câncer tirou Luiza Fiorese do esporte por seis anos e a volta para as quadras com o vôlei sentado fez com que a vida da, agora, paratleta voltasse a ser completa. O reinício nas quadras foi no primeiro semestre de 2019 e tudo passou a ser muito rápido. No fim do segundo semestre do mesmo ano a primeira convocação para a seleção brasileira aconteceu.

“Eu comecei no esporte paralímpico no começo de 2019 e tive a minha primeira convocação para a seleção em dezembro daquele ano. Eu dei sorte, porque a seleção de vôlei sentado feminino estava passando por um processo de renovação e o técnico apostou em mim. Ele deixou claro que eu precisava melhorar em alguns aspectos técnicos e com a pandemia eu ganhei um tempo a mais, de cinco meses eu passei a ter 1 ano e cinco meses na busca por uma das vagas para Tóquio”.

“Lutando contra o tempo”, Luiza Fiorese fez tudo que podia. Mudando de cidade para treinar e passando a ter uma dedicação total, a parte técnica foi melhorando e a paratleta passou a acreditar cada vez mais que era possível participar dos Jogos Paralímpicos de Tóquio. Na reta final, segundo Luiza, a certeza que estaria na lista de 12 foi passando a ser cada vez maior e a confirmação aconteceu na última semana.

A busca não é só pela medalha

O Brasil é um dos países candidatos ao pódio no Japão. Em 2016, quando disputou os Jogos Paralímpicos em casa, a seleção brasileira feminina de vôlei sentado foi bronze e fez história com a primeira medalha do país em uma Paralimpíada na modalidade. No atual ciclo paralímpico, o Brasil conquistou a prata nos Jogos parapan-Americanos de Lima, que deu a vaga em Tóquio, e cresceu em meio a uma renovação.

“Queremos a final da Paralimpíada. Sabemos que os Estados Unidos são dois países que estão acima da gente, mas queremos a final e na decisão é igual para igual. Americanas e russas são seleções que atuam há muito tempo no mesmo nível e a gente, mesmo com a renovação, crescemos e estamos em uma crescente. Queremos a final em Tóquio e vamos em busca disso”, disse Luiza Fiorese.

Contudo, a jogadora da seleção brasileira não quer somente uma medalha. Aos 23 anos, Luiza não esconde que sempre sonhou alto e a meta é ser mais transformadora. “Não quero “só” ir para uma Paralimpíada e conquistar uma medalha. Quero representar o país e as pessoas com deficiência. Quero ser uma inspiração. Precisamos de ídolos mais plurais. Precisamos de ídolos com deficiência, mais mulheres, mais pessoas diferentes”, finaliza.

Mais em Tóquio 2020