Siga o OTD

Gustavo Carneiro Tóquio 10 melhores 2024

Paralímpicos

Gustavo Carneiro mira estar entre 10 melhores até 2024

Na 37ª posição no ranking, Gustavo Carneiro, do tênis de cadeira de rodas, quer realizar seu sonho e participar da Paralimpíada de Tóquio-2021

Gustavo Carneiro admitiu que só depois de dois anos sua mente começou a jogar tênis na cadeira e não em pé (Facebook/gustavo.carneiro)

Gustavo Carneiro mira estar entre 10 melhores até 2024

Gustavo Carneiro mudou sua vida há dois anos. Atualmente com 42 anos, o mineiro precisou amputar sua perna esquerda em outubro de 2017. Ele começou a jogar tênis com nove anos, mas, em 2018, teve que reaprender a competir na modalidade, deixando de atuar em pé e passando a dar raquetadas sentado. Na 37ª posição no ranking, o paratleta quer estar em Tóquio e almeja chegar entre os 10 melhores do mundo até 2024.  

+ Da dança às águas: Luís Carlos Cardoso quer medalha em Tóquio

“Sempre estive envolvido com esporte e quando amputei a perna coloquei como sonho ir à Paralimpíada. Sempre fui apaixonado por tênis, mas não conhecia o de cadeira de rodas. Tive que me adaptar a me movimentar com a cadeira. Sempre fui jogador de saque e rede e na cadeira você não pode ir muito para rede porque perde ângulo. Só depois de dois anos minha mente começou a jogar tênis na cadeira e não em pé”, disse Gustavo Carneiro.

+ Felipe Gomes e Viviane Soares formam casal paralímpico

“Estou no lugar certo. Sei tudo que tenho que passar e onde vou chegar. Sei que é difícil, mas estou no caminho certo. Tudo é uma escada de crescimento. Nos próximos anos minha meta é estar entre os melhores do mundo, entre os 10 melhores. Isso é questão de para mim. Nesses quatro anos entre Tóquio-2021 e Paris-2024 vou atingir minha meta”, acrescentou o paratleta em live no Instagram do Olimpíada Todo Dia.

Planos refeitos para Tóquio

Gustavo Carneiro Tóquio 10 melhores 2024
Gustavo Carneiro considerou positiva a mudança de Tóquio para 2021 (Instagram/gustavocarneiros)

O paratenista gostaria de competir a Paralimpíada ainda esse ano, mas considerou positiva a mudança de data desde que consiga ter uma regularidade de torneios. De acordo com ele, não adianta só treinar, já que é preciso ter uma sequência de uns seis meses jogando os melhores torneios contra os principais jogadores.

+ Lethícia Lacerda disputará Paralímpiada ao lado da mãe

Com mais um ano para a competição, Gustavo Carneiro refez seus planos e pretende chegar nas oitavas de final. “Queria estar lá esse ano e realizar um sonho que espero desde 2017. Porém, ter mudado para 2021 foi ótimo para mim, já que ganhei mais tempo para me preparar e ter mais contato com a mobilidade”, comentou o paratleta.

“Agora meu objetivo foi refeito. Se fosse esse ano a meta era participar e, no máximo, ter sorte no sorteio e ganhar um jogo. Porém, considerando que será no ano que vem e que consiga ritmo de competição, quero andar mais na chave e ficar entre os 16 melhores”, afirmou Gustavo Carneiro.  

Evolução em dois anos

Gustavo Carneiro Tóquio 10 melhores 2024
Gustavo Carneiro terminou o ano de 2019 na 34ª posição no ranking mundial (Instagram/gustavocarneiros)

Jogando tênis em cadeira de rodas há dois anos, Gustavo Carneiro tem apresentado progressos. Em 2018, o paratleta fechou o ano na 86ª posição no ranking mundial. Na temporada seguinte continuou evoluindo e terminou 2019 na 34ª colocação.

+ ‘Buquê de flores’ e o começo do amor que supera à distância

Com histórico no esporte, o mineiro sempre se deu bem com uma raquete na mão, pois foi campeão mineiro de tênis, mineiro e brasileiro de peteca e brasileiro de squash. “Nesses dois anos nunca consegui ter uma regularidade. No primeiro ano passei por uma fase de adaptação e aprendizado. Já em 2019 foi excelente terminar em 34º, mas fiquei parado por cinco meses”, contou.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

“Sou novo na modalidade e preciso disputar torneios. Preciso de uns dois ou três meses para pegar ritmo de torneio”, disse. “O tênis na cadeira de rodas significa tudo para mim. É o que me move e meu objetivo de vida. Aprendi a amar esse esporte”, concluiu Gustavo Carneiro.

Mais em Paralímpicos